[1]
I. Magri, “Sobre a dificuldade de nomear a produção do presente: Rancière e Laddaga e os regimes das artes”, Aletria, vol. 29, nº 3, p. 229-248, set. 2019.