Odontologia para pacientes com necessidades especiais

como é a oferta dessa disciplina nas faculdades de Odontologia do sudeste brasileiro?

Autores

  • Danielle Fernandes Lopes Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Yuri de Lima Medeiros Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Luan Viana Faria Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Mônica Regina Pereira Senra Soares Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.35699/2178-1990.2021.33746

Resumo

Objetivo: Realizar um estudo transversal para investigar a oferta da disciplina de odontologia para PNE nas Instituições de Ensino Superior (IES) da região sudeste do Brasil.

Métodos: Foi realizada uma consulta das IES reconhecidas pelo Ministério da Educação no portal e-MEC e uma investigação da grade curricular, em busca das variáveis: inserção da disciplina na grade curricular, a categoria administrativa da unidade, a sua obrigatoriedade, a metodologia de ensino utilizada (se a matéria é de cunho teórico ou prático) e a carga horária. A busca foi feita por meio eletrônico (site da instituição) e contato via e-mail com a coordenação dos cursos. Em seguida, foi feita a organização e análise dos dados através do programa GraphPad Prism 8.1.2.

Resultados: Foram encontradas 176 faculdades na região, sendo que 32 foram excluídas da amostra por não preencherem os critérios de inclusão. Das que restaram, 62,5% ofertam a disciplina na grade curricular e 71,1% o fazem em caráter obrigatório, com maior percentual nas IES do setor privado (p = 0,0002). Quanto à metodologia usada, 51,1% das instituições apresentam atividades de caráter prático/teórico-prático ou ensino a distância com conteúdo prático. A carga horária das disciplinas apresentou grande discrepância, variando de 30 horas a 240 horas.

Conclusão: Mais da metade das escolas de Odontologia do sudeste brasileiro oferecem algum contato do aluno com o que se refere ao atendimento do PNE na graduação. Dentre os estados da região, o Espírito Santo apresentou um maior percentual em relação à oferta de metodologias práticas inseridas. A oferta dessa disciplina em caráter obrigatório é maior em instituições privadas.

Descritores: Currículo. Educação em odontologia. Pessoas com deficiência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Waldman HB, Perlman SP. Why is providing dental care to people with mental retardation and other developmental disabilities such a low priority? Public Health Rep. 2002;117:435-9.

Thierer T, Meyerowitz C. Education of dentists in the treatment of patients with special needs. J Can Dent Assoc. 2005;33(9):723-9.

Waldman HB, Perlman SP, dei Valle LML. A review of the oral health of individuals with disabilities in Puerto Rico and among US Hispanics. Spec Care Dentist. 2007;27(1):26–30.

Brasil. Resolução nº 23/2002 do Conselho Federal de Odontologia. Diário Oficial da União. Seção I, de 28/05/2002, 148-9.

Paula LM, Bezerra ACB. A estrutura curricular dos cursos de odontologia no Brasil. Rev ABENO. 2003;3(1):7-14.

Waldman HB, Rader R, Perlman SP. Health related issues for individuals with special health care needs. Dent Clin N Am. 2009;53:183-93.

Ministério da Educação (Brasil). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diretrizes e Bases da Educação Nacional [lei na Internet]. Disponível em: http://www.mec.gov.br.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em odontologia. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2018. [Acesso em 8 dez 2019]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/abril-2019-pdf/111231-pces803-18/file.

Schwenk DM, Stoeckel DC, Rieken SE. Survey of special patient care programs at US and Canadian dental schools. J Dent Educ. 2007;71(9):1153-9.

Martin ASS, Chisini LA, Martelli S, Sartori LRM, Ramos EC, Demarco FF. Distribuição dos cursos de odontologia e de cirurgiões-dentistas no Brasil: uma visão do mercado de trabalho. Rev ABENO. 2018;18(1):63-73.

Ministério da Educação [homepage na Internet]. Cadastro e-MEC de instituições e cursos de educação superior [acesso em 8 mar 2019]. Disponível em: http://emec.mec.gov.br/.

Smitley MG, Waldman HB, Perlman SP, Ocanto RA. Latin American and Caribbean dental schools: teaching about special needs. Rev Panam Salud Publica. 2009;25(4):322-7.

Sherman CM, Anderson RD. Special needs education in Canadian dental school curriculum: is there enough? J Can Dent Assoc. 2010;76(11):1-5.

Gomes MJ, Caxias FP, Margon CD, Rosa RG, Carvalho RB. The perception of dentistry course’s teachers of the Federal University of Espírito Santo about need of a discipline call “Treatment of pacient carrier of special needs”. Rev Bras Pesqui Saude. 2009;11(1):33-9.

Casamassimo PS, Seale NS, Ruehs K. General dentists’ perceptions of educational and treatment issues affecting access to care for children with special health care needs. J Dent Educ. 2004;68(1):23-8.

Al Agili DE, Roseman J, Pass MA, Thornton JB, Chavers LS. Access to dental care in Alabama for children with special needs. J Am Dent Assoc. 2004;135: 490-5.

Shenkin JD, Davis MJ, Corbin SB. The oral health of special needs children: dentistry’s challenge to provide care. ASDC J Dent Child. 2001;68:201-5.

Fenton SJ. If only we all cared. J Dent Educ. 2004;68(3):304-5.

Conselho Nacional de Educação (Brasil). Resolução CNE/CES nº 3, de 19 de fevereiro de 2002. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em odontologia. Diário Oficial da União 2002;Sec 1,p.10-1.

Oliveira YCA, Costa GMC, Coura AS, Cartaxo RO, França ISX. A língua brasileira de sinais na formação dos profissionais de enfermagem, fisioterapia e odontologia no estado da Paraíba, Brasil. Interface. 2012;16(43):995-1008.

Faria LV, Oliveira GA, Grázzia MEP, Medeiros YL, Lopes DF, Leite ICG. O ensino de implantodontia nas graduações brasileiras de odontologia: um estudo transversal. REAS. 2020;12(4):e2672.

Waldman HB, Perlman SP. A special care dentistry specialty: sounds good, but. J Dent Educ. 2006;70(10):1019-23.

Figueiredo JR. Estratégias para a provisão de cuidados no atendimento odontológico ao paciente portador de deficiência [dissertação]. São Paulo (SP): Faculdade de Odontologia da USP; 2002.

Feuerwerker LCM. Educação dos profissionais de saúde hoje. Rev ABENO. 2003;3(1):24-7

Secco LG, Pereira MLT. Formadores em odontologia: profissionalização docente e desafios político-estruturais. Cien Saude Colet. 2004;9(1):113-20.

Downloads

Publicado

2021-09-26

Como Citar

Lopes, D. F., Medeiros, Y. de L., Faria, L. V., & Soares, M. R. P. S. . (2021). Odontologia para pacientes com necessidades especiais: como é a oferta dessa disciplina nas faculdades de Odontologia do sudeste brasileiro?. Arquivos Em Odontologia, 57, 149–157. https://doi.org/10.35699/2178-1990.2021.33746

Edição

Seção

Artigos