Resistência à fratura de dentes com restaurações MOD: efeito da matriz resinosa e do método de fotoativação.

  • Maria Goreti da Silva Universidade Federal de Santa Catarina -UFSC
  • Luiz Henrique Maykot Prates Universidade Federal de Santa Catarina -UFSC
  • Marcelo Carvalho Chain Universidade Federal de Santa Catarina -UFSC

Resumo

Objetivo: Avaliar o efeito de dois compósitos, de diferentes matrizes poliméricas, e da técnica de fotoativação, sobre a resistência à fratura, por compressão, de pré-molares superiores com restaurações de
classe II. Materiais e Métodos: Cavidades MOD foram preparadas em 56 pré-molares superiores, simulando tratamentos endodônticos. Os dentes foram divididos em quatro grupos (n=14): G1 - fotoativação convencional,
restauração com Filtek Z350XT (3M ESPE) e adesivo Adper Single Bond 2 (3M ESPE); G2 - fotoativação pulso tardio, restauração Filtek Z350XT e adesivo Adper Single Bond2; G3 - fotoativação convencional, restauração
Filtek P90 (3M ESPE) e adesivo próprio da Filtek P90 (3M ESPE); e G4 - fotoativação pulso tardio, restauração Filtek P90 e adesivo próprio da Filtek P90. No G1 e G3 (fotoativação convencional), a aplicação de compósito
foi em incrementos de 2 mm, cada incremento fotoativado por 40 segundos, com aparelho LED, intensidade de 500 mW/cm2, aferida com radiômetro (Demetron). No G2 e G4 (fotoativação por pulso tardio) aplicação de
compósito também foi com incrementos de 2mm, porém, cada incremento fotoativado, inicialmente durante 5s., com 300 mW/cm2. Após um período de 5 minutos foi realizada fotoativação, por 40s., intensidade de
500 mW/cm2. A fotoativação foi repetida para cada incremento. Após 24 horas, os espécimes foram polidos e submetidos ao teste de compressão, com ponta ativa de formato cilíndrico/arredondado (Instron-0,5mm/
min). Para análise estatística foi usado ANOVA 2 e Teste de Tukey (p > 0,05). Resultados: Os valores médios (newtons) foram: G1 - 1157,98 (±444,62); G2 - 1404,14 (±391,82); G3 - 1255,30 (±422,34); e G4 - 1213,76
(±419,95). A resistência à fratura, por compressão, dos pré-molares com restaurações MOD foi estatisticamente similar nos quatro grupos avaliados. Conclusão: Não foram verificadas diferenças significativas relacionadas
aos dois compósitos, com diferentes matrizes poliméricas e diferentes métodos de fotoativação.
Descritores: Resinas compostas. Força compressiva. Polimerização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Goreti da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina -UFSC
Programa de pós graduação em Odontologia, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.
Luiz Henrique Maykot Prates, Universidade Federal de Santa Catarina -UFSC
Departamento de Materiais Dentários, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.
Marcelo Carvalho Chain, Universidade Federal de Santa Catarina -UFSC
Departamento de Materiais Dentários, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Referências

1. Leprince JG, Palin WM., Mullier T, Devaux J, Vevren J, Leloup G. Investigating filler morphology and mechanical properties of new
low-shrinkage resin composite types. J Oral Rehabil. 2010;37:364–76.
2. Anusavice KJ. Phillips materiais dentários. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1998.
3. Kemp–Scholte CM, Davidson CL. Marginal sealing of curing contraction gaps in class V composite resin restaurations. J Dent Res.
1998;67:841-5.
4. Sakaguchi RL, Wiltbank BD, Murchison CF. Contraction force rate of polymer composites is linearly correlated with irradiance. Dent Mater.
2004;20:402-7.
5. Labella R, Lambrechts P, Vanherle G. Buonocore memorial lecture: evaluation of clinical performance for posterior composites and filled
adhesives. Oper Dent, 1987;12:53-78.
6. Min SH, Ferracane J, Lee IB. Effect of shrinkage strain, modulus, and instrument compliance on polymerization shrinkage stress of light-cured composites during the initial curing stage. Dent
Mater. 2010;26:1024–33.
7. Duarte Júnior S, Botta AC, Phark JH, Sadan A. Select mechanical and physical properties and clinical application of a new low-shrinkage
composite restauration. Quintessence Int. 2009;40:631-8.
8. Eick JD, Kotha SA, Chappelow CC, Kilway KV, Giese GJ, Glaros AG, et al. Properties of silorane-based dental resins and composites
containing a stress-reducing monomer. Dent Mater. 2007;23:1011–17.
9. Asmussen E, Peutzfeldt A. Influence of composition on rate of polymerization contraction of light-curing resin composites. Acta Odontol Scand. 2002;60:146-54.
10. Davidson CL, De Gee AJ. Light–curing units, polymerization and clinical implications. J Adhes Dent. 2000;2:167-73.
11. Bouschlicher MR, Rueggeberg FA. Effect of ramped light intensity on polymerization force and conversion in a photoactived composite. J
Esthet Dent. 2000;12:328-39.
12. Soh MS, Yapa UJ, Siow KS. Post-gel shrinkage with different modes of LED and halogen light curing lights. Oper Dent. 2004;29:317-24.
13. Lim BS, Ferracane JL, Sakaguchi RL, Condon JR. Reduction of polymerization contraction stress for dental composites by two-step lightactivation. Dent Mat. 2002;18:436-44.
14. Chan DCN, Browning WD, Frazier KB, Brackett MG. Clinical evaluation of the softstart (pulse-delay) polymerization technique in
Resistência à fratura de dentes com restaurações MOD
class I and II composite restorations. Oper Dent. 2008;33(3):265-71.
15. Watts DC, Satterthwaite JD. Axial shrinkagestress depends upon both C-factor and composite mass. Dent Mater. 2008;24:1–8.
16. Van Dijken JWV. Durability of resin composite restorations in high C-factor cavities: a 12-year follow-up. J Dent. 2010.
17. Palin WM, Fleming GJP, Nathwani H, Burke FJT, Randall RC. In vitro cuspal deflection and microleakage of maxillary premolars restored with novel low-shrink dental composites. Dent
Mater. 2005;21:324-35.
18. Van Landuyt KL, Kanumilli P, Munck J, Peumans M, Lambrechts P, Van Meerbeek B. Bond strength of a mild self-etch adhesive with and without prior acidetching. J Dent. 2006;34(1):77-85.
19. Weinmann W, Thalacker C, Guggenberger R. Siloranes in dental composites. Dent Mater. 2005;21:68-74.
20. Papadogiannis D, Kakaboura A, Palaghias G, Eliades G. Setting characteristics and cavity adaptation of low-shrinking resin composites. Dent Mater. 2009;25:1509-16.
21. Bates JF, Stafford GD, Harrison A. Masticatory function: a review of the literature.III. Masticatory performance and efficiency. J Oral Rehabil. 1976;3:57-67.
22. Batalha-Silva S, Andrada MAC, Maia HP, Magne P. Fatigue resistance and crack propensity of large MOD composite resin restorations: Direct versus CAD/CAM inlays. Dent Mater. 2013;29:324-31.
Publicado
2016-06-10
Como Citar
Silva, M. G. da, Prates, L. H. M., & Chain, M. C. (2016). Resistência à fratura de dentes com restaurações MOD: efeito da matriz resinosa e do método de fotoativação. Arquivos Em Odontologia, 49(4). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3639
Seção
Artigos