Resíduos dos serviços de saúde: conhecimento sobre a geração e responsabilidade dos formandos em Odontologia das faculdades de Santa Catarina

  • Keila Cristina Rausch Pereira Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
  • Kym Westphal Locks
  • Luana May Squizatto
  • Manoelito Ferreira Silva Junior Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP
  • Paula Vitali Miclos Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Resumo

Objetivo: Avaliar o conhecimento dos formandos em Odontologia sobre Resíduos dos Serviços de Saúde (RSS) gerados em consultórios odontológicos. Material e Métodos: Estudo descritivo e transversal com abordagem quantitativa. O universo eleito foram os alunos concluintes do curso de Odontologia das faculdades do estado de Santa Catarina, Brasil. O cálculo amostral foi determinando em 198 alunos. Os dados coletados foram digitados em Excel 2010 (Microsoft) e os resultados expressos por frequências absolutas e relativas.
Resultados: Embora existam oito faculdades de Odontologia no estado de Santa Catarina, duas não aceitaram participar do estudo e uma não havia turma concluinte. Houve participação de 138 (73,0%) formandos. Dentre os alunos participantes, 92,2% afirmaram saber o que são resíduos de serviços de saúde. Sobre a forma de descarte, 76,8% estavam cientes do correto descarte da liga de amálgama, 77,5% do hipoclorito de sódio, 82,6% sobre os líquidos utilizados no processamento de radiografias, 95,7% dos materiais perfuro-cortantes, 20,3% do invólucro da película radiográfica, 68,1% sobre o descarte dos Equipamentos de Proteção Individual, 77,5% dos papéis de receituário e 33,3% dos resíduos de gesso. Sobre acondicionamento, 83,3% sabiam como
proceder com o mercúrio residual e 95,7% com o líquido residual de revelador e fixador. Quanto às legislações vigentes para os profissionais da saúde, cirurgiões-dentistas e consultórios odontológicos, o conhecimento dos acadêmicos foi insuficiente sobre o assunto. Conclusão: Embora os formandos de Odontologia de Santa Catarina saibam sobre o que é e como devem acondicionar e descartar os RSS, o conhecimento foi insatisfatório sobre as legislações vigentes no Brasil sobre a temática, sendo necessária maior atenção durante a formação acadêmica.
Descritores: Gerenciamento de resíduos. Resíduos odontológicos. Resíduos de serviço de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Keila Cristina Rausch Pereira, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC.
Kym Westphal Locks
Cirurgiã-dentista, Tubarão, SC.
Luana May Squizatto
Cirurgiã-dentista, Tubarão, SC.
Manoelito Ferreira Silva Junior, Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP

Programa de Pós-graduação em Odontologia (Saúde Coletiva), Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Universidade Estadual de Campinas (FOP/UNICAMP), Piracicaba, SP.

Paula Vitali Miclos, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva, UFSC, Florianópolis, SC.

Referências

1. World Health Organization. Safe health-care waste management. Geneva World Health Organization; 2004.
2. Haddad CMC. Resíduos de serviços de saúde de um hospital de médio porte do município de Araraquara: subsídios para elaboração de um
plano de gerenciamento [dissertação]. Araraquara (SP): Centro Universitário de Araraquara; 2006.
3. Seraphim, CRUM. Abordagem dos resíduos de serviços de saúde (RSS) na formação profissional dos auxiliares e técnicos em Enfermagem de Araraquara/SP. [dissertação]. Araraquara (SP): Centro Universitário de Araraquara; 2006. 4. Freitas PC, Pestana CLS. O manejo dos resíduos de saúde: risco e consequências à saúde do trabalhador. Saúde Coletiva. 2010; 7(1):140-5.
5. Brasil. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n. 358, de 29 de abril de 2005. Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 4 de maio de 2005, Seção 1. 6. São Paulo (Estado). Secretaria do Meio Ambiente. Resíduos sólidos. São Paulo: SMA, 2010.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Brasília, DF,
2006. (Série A, Normas e Manuais Técnicos).
8. Park HS, Jeong JW. Recent trends on disposal technologies of medical waste. Korean Society Solid Waste Engineering Soc. 2001; 18(1):18-27.
9. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC Nº 306 de 07 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o regulamento técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 10 de dezembro de 2004, Seção 1. 10. Rodrigues MBF. Gerenciamento de Resíduos de Serviços Odontológicos: análise comparativa entre a realidade nacional e internacional. [Monografia]. Rio de Janeiro (RJ): Escola de Saúde do Exército; 2008.
11. Pedrosa HLO, Figueiredo RLQ, Albuquerque TTP, Costa EB. Avaliação dos cirurgiõesdentistas sobre o gerenciamento dos resíduos odontológicos produzidos na prática diária. Arq. Odontol. 2007; 43(1):125-30.
12. Fernandes MM. Conhecimento dos formandos em odontologia sobre o plano de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde – aspectos éticos e legais. Piracicaba - SP. [Monografia]. Piracicaba (SP): Universidade Estadual de Campinas; 2009.
13. Amorim FRG. Contaminação por mercúrio na Odontologia como problema de saúde ocupacional. Rev. Odontologia (ATO). 2014; 14(6):613-34.
14. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Brasília, DF, 2006.
15. Cavalcante WS, Cardoso NR, Felix BOV, Carvalho RB, Pacheco KTS. Resíduos de serviços de saúde: o que o cirurgião-dentista precisa saber?
Rev. Bras. Pesq. Saúde. 2012; 14(1):26-33.
16. Garcia LP, Zanetti-Ramos BG. Gerenciamento de resíduos de serviços de saúde: uma questão de biossegurança. Cad. Saúde Pública. 2004; 20(6):744-52.
17. Keese EL. Conhecimento do cirurgião-dentista e auxiliares sobre contaminação pelo mercúrio. Campinas-SP. [Monografia]. Campinas (SP): São Leopoldo Mandic; 2006.
18. Alves-Rezende CR, Rossi AC, Alves-Claro APR. Amálgama dentário: controle dos fatores de risco à exposição mercurial. Rev. Odontol. Araç. 2008; 29(1):9-13.
19. Bains VK, Loomba K, Loomba A, Bains R. Mercury sensitization: review, relevance and a clinical report. Br. Dent. J. 2008; 205(7):373-8.
20. Rezende W, Lopes FS, Rodrigues AS, Gutz IGR. Oxidantes de uso doméstico e a sua análise química por medição de espuma. Quim. Nova.
2008; 30(1):66-9.
21. Philippi-Junior A. Saneamento, Saúde e Ambiente: Fundamentos para um desenvolvimento sustentável. Barueri: Manole, 2005.
22. Fernandes GS, Azevedo ACP, Carvalho ACP, Pinto MLC. Análise e gerenciamento de efluentes de serviços de radiologia. Radiol. Bras. 2005; 38(4):355-8.
23. Formaggia DME. Resíduos de Serviços de Saúde. In: São Paulo. Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviço de Saúde. São Paulo: CETESB, 1995.
p. 3-13.
24. Ozbek M, Sainin FD. A study of the dental solid waste produced in a school of dentistry in Turkey. Waste Manag. 2004; 24(4):339-45.
25. Hidalgo LRC, Garbin AJI, Rovida TAS, Garbin CAS. Gerenciamento de resíduos odontológicos no serviço público. Rev. Odontol. UNESP. 2013; 42(4):243-50.
26. Mota SM, Magalhães CS, Pordeus IA, Moreira NA. Impacto dos resíduos de serviço em saúde sobre o homem e o meio ambiente. Arq. Odontol. 2004; 40(2):159-73.
Publicado
2016-06-14
Como Citar
Pereira, K. C. R., Locks, K. W., Squizatto, L. M., Silva Junior, M. F., & Miclos, P. V. (2016). Resíduos dos serviços de saúde: conhecimento sobre a geração e responsabilidade dos formandos em Odontologia das faculdades de Santa Catarina. Arquivos Em Odontologia, 51(2). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3681
Seção
Artigos