Desenhos Textuais

  • Eneida Maria de Souza Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo

Grande sertão: veredas se caracteriza por uma profunda preocupação
com a dimensão estética da escrita, trabalhada em quase todos os
níveis, dirigida pela perspicácia, criatividade e inventividade na relação
do narrador com a matéría narrada. Nos textos citados neste seminário,
as narrações são feitas por um narrador, porta-voz do pseudonarrador-
personagem e portador das intenções autorais. No caso concreto
de Grande sertão: veredas, Riobaldo é numa primeira instância
o narrador do texto, o contador da história oralmente imaginada.
Essa história é trabalhada pelo segundo narrador, que possui conhecimentos
e intenções que estilizam e ultrapassam os parcos recursos
expressivos do primeiro e os limites de uma escrita puramente
mimética em relação ao narrado. Esse narrador atualiza obviamente as intenções autorais do próprio Guimarães Rosa, que deseja com sua obra imprimir as suas marcas no processo de formação de um segmento artístico de nosso país, no caso a nossa literatura. A linguagem de Grande sertão: veredas se exibe como um reflexo de ambições autorais no processo de uma escrita brasileira de nossa literatura que se coloca, ao mesmo tempo, lado a lado com as grandes realizações da Literatura Ocidental e exige a total participação do leitor para a montagem dos seus vários e passiveis sentidos." Continuadora de uma tradição iniciada por Machado de Assis, a escrita de Grande sertão: veredas pressupõe um reposicionamento critico diante daquela literatura. Tal leitura é renovada com o diálogo especifico com textos produzidos no Brasil, como os já citados, diferentes na sua realização, mas acordes nas finalidades que pretendem atingir.

Publicado
2017-06-30
Seção
Artigos