Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Artigo-Varia

v. 15 n. 29 (2021): Literatura Judaica da Amazônia

Vidas que nada valem: necropolítica e resistência em Maus

DOI
https://doi.org/10.35699/1982-3053.2021.36011
Enviado
setembro 9, 2021
Publicado
2021-12-30

Resumo

Este artigo tem como objetivo alinhar a ótica sobre o termo necropolítica à obra testemunhal Maus: a história de um sobrevivente, de Art Spiegelman, filho de sobreviventes da Shoah. No quadrinho de Art Spiegelman, seu pai Vladek Spiegelman lhe conta suas memórias e o seu testemunho sobre seus tempos naquela época, igualmente está sua mãe Anja Spiegelman e demais familiares, retratados desde os primórdios da guerra até suas próprias deportações para diferentes campos de concentração na Europa, entre estes Auschwitz. Para realizar este levantamento foram feitas pesquisas bibliográficas para definição dos conceitos de necropolítica, proposto por Joseph-Achille Mbembe, resistência e testemunho por Augusto Sarmento-Pantoja e Giorgio Agamben, entre outros.

Referências

  1. AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção: [Homo Sacer, II, I]. Tradução de Iraci D. Poleti. Boitempo Editorial, 2015.
  2. AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.
  3. AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha [Homo Sacer, III]. Tradução de Selvino J. Assmann. Boitempo editorial, 2015.
  4. BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e holocausto. Tradução de Marcus Penchel. Zahar, 1998.
  5. BOSI, Alfredo. Literatura e Resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
  6. CAMBRIDGE INTERNATIONAL DICTIONARY OF ENGLISH. Cambridge University Press, 1995. Disponível em: https://dictionary.cambridge.org/en/. Acesso em: 13 out. 2020.
  7. EVANS, R. J. O Terceiro Reich no poder. Tradução de Lúcia Brito. São Paulo: Planeta, 2014.
  8. EVANS, R. J. The Third Reich at War: 1939-1945. Penguin, 2009.
  9. FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: Curso no Collège de France (1975-1976). Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
  10. FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 2006.
  11. HARLOW, Barbara. Resistance literature. Routledge, 1987.
  12. HILBERG, Raul. A destruição dos judeus europeus. Tradução de Carolina Barcellos, Laura Folgueira, Luís Protásio, Maurício Tamboni, Sonia Auigusto. São Paulo: Editora Amarilys, 2016.
  13. HOBSBAWM, E J. Age of Extremes: The Short Twentieth Century, 1914-1991. London: Abacus, 2001. Print
  14. LACAPRA, Dominick. History and memory after Auschwitz. Cornell University Press, 1998.
  15. LACAPRA, Dominick. Representing the Holocaust: history, theory, trauma. Cornell. University Press, 1994.
  16. LAUB, Dori. Truth and testimony: The Process and the struggle. In: CARUTH, C. (org.). Trauma. Explorations in memory. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1995. p. 61-75.
  17. MALERBA, Jurandir (org.). A história escrita: teoria e história da historiografia. São Paulo: Contexto, 2006.
  18. MBEMBE, Achille et al. Necropolítica, una revisión crítica. Estética y violencia: Necropolítica, militarización y vidas lloradas. México: UNAMMUAC, [s.d.]. p. 130-139, 2012.
  19. MBEMBE, Achille Políticas da inimizade. Lisboa: Antígona, 2017. p.89-151.
  20. MBEMBE, Achille. Necropolítica. Santa Cruz de Tenerife: Melusina, 2020.
  21. NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Beyond Good and Evil: Prelude to a Philosophy of the Future. London, England; New York, New York: Penguin Books, 1990.
  22. SARMENTO-PANTOJA, Augusto. O testemunho em três vozes: testis, superstes e arbiter. Literatura e Autoritarismo, n. 33, 2019.
  23. SPIEGELMAN, Art. The complete Maus. London: Penguin, 2003.
  24. VISCONTI, Maria. Narrar o inenarrável; representar o irrepresentável: Os limites de representações de Auschwitz aos olhos de Art Spiegelman e Primo Levi. Temporalidades, v. 11, n. 2, p. 647-665, 2019.
  25. WHITE, Hayden. Historical Emplotment and the Problem of the Truth. In: FRIEDLANDER, Saul (ed.). Probing the limits of representation: Nazism and the “Final Solution”. USA: Harvard University Press, 1992.

Downloads

Não há dados estatísticos.