A cartografia urbana na análise morfogenética de espaços urbanos: o caso do eixo da Boavista na cidade do Porto

  • Mário Gonçalves Fernandes Universidade do Porto
  • Rui Passos Mealha Universidade do Porto
Palavras-chave: cartografia urbana, morfogénese urbana

Resumo

Partindo de um estudo morfogenético do eixo da Boavista, na cidade do Porto, desenvolve-se uma análise comparativa das características dos documentos cartográficos urbanos utilizados (cerca de duas dezenas de levantamentos/projetos, datados de entre finais do século XVIII a princípios do século XX) e sublinha-se a utilização da cartografia urbana antiga enquanto instrumento incontornável de conhecimento e reconhecimento da morfogénese urbana, bem como para enquadramento da atuação urbanística atual.
O eixo da Boavista está genericamente consubstanciado num notável segmento de reta (constituído por uma rua, uma avenida, uma praça retangular e duas rotundas) que se prolonga por cerca de 6,5 quilómetros, evidenciando uma rotunda intermédia e apresentando dois perfis transversais tipologicamente distintos.Sendo um dos elementos que mais se evidenciam na malha urbana portuense e que aparenta ser a resultante de um único rasgo de planeamento, o eixo da Boavista é tanto mais notável quanto a sua abertura decorreu, afinal, entre o século XVIII e o século XX, correspondendo à persistência política de diversas gerações do poder municipal. Contrariamente à respetiva forma, a sua história não é linear e embora considerando o percurso da Rua da Boavista como a génese condicionadora do traçado da Avenida da Boavista, cada uma (rua e avenida) evoca conceções urbanísticas distintas, assentes em diferentes estratégias territoriais eurbanas.
Aformação do eixo da Boavista, entre 1784 e 1915/17, foi mais complexa, mas a cartografia urbana permite identificar cada um dos momentos da sua estruturação, quer pela identificação dos elementos físicos que identificam o faseamento, quer pelas características intrínsecas dos diversos documentos cartográficos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

FERNANDES, Mário G., “Plantas do planeamento urbano e do urbanismo em Portugal (1864-1926)”, Atas do IV Simpósio Luso-Brasileiro de Cartografia Histórica, Porto, FLUP, 2011 (http://eventos.letras.up.pt/ivslbch/comunicacoes/114.pdf).
FERNANDES, Mário G. (coord.), Manuel de Azevedo Fortes (1660-1749):Cartografia, Cultura e Urbanismo, Porto, GEDES e Departamento de Geografia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2006.
FORTES, Manuel de Azevedo, O Engenheiro Portuguez. Lisboa, Officina de Manoel Fernandes da Costa, Impressor do Santo Officio, 1728: Tomo Primeiro; 1729: Tomo Segundo.
FORTES, Manuel de Azevedo (1722), Tratado do Modo o mais facil e o mais exacto de fazer as Cartas Geograficas, assim da Terra como do Mar, e tirar as plantas das Praças, cidades, e edificios com instrumentos e sem instrumentos (...), Lisboa, Offic. de JozeAntonioPlates.
HENRIQUES, Helena Cristina Neto (2012), Análise morfológica de alguns espaços públicos: Cidade do Porto 1910 -1974. Porto, FAUP (Dissertação de Mestrado, policopiado).
OLIVEIRA, José Manuel Pereira de, 2007, 1ª edição 1973, O espaço urbano do Porto, Condições naturais e desenvolvimento. Porto, Edições Afrontamento.
MEALHA, Rui P. (coord.), FERNANDES, Mário G., MEALHA, Tádzio, MAGALHÃES, Daniel,Estudo Prévio para o Desentubamento e Reabilitação da Ribeira de Aldoar. Troço da Avenida da Boavista. Estudo de Enquadramento e Programa Base. Porto, Câmara Municipal do Porto (policopiado).
Publicado
2019-12-20
Seção
Artigos