O Desenvolvimento Ferroviário nas Províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais, através dos Mapas de James Wells

  • Paulo Márcio Leal de Menezes Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Márcia Maria Duarte dos Santos Universidade Federal de Minas Gerais
  • Manoel do Couto Fernandes Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Maria Cândida Trindade Costa de Seabra Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: James W. Wells, Estrada de Ferro D. Pedro II, Ferrovias no Brasil, Minas Gerais, Rio de Janeiro

Resumo

A história da ferrovia no Brasil tem início em 30 de abril de 1854, com a inauguração, por D. Pedro II do primeiro trecho da linha da Estrada de Ferro Barão de Mauá, na então Província do Estado do Rio de Janeiro. Contando com 14,5 km de extensão, ligava a Estação Guia de Pacobaíba até a localidade de Fragoso, em Magé, na direção de Petrópolis. Esta estrada permitiu a integração dos transportes hidroviário e ferroviário, na Baía de Guanabara, quando as embarcações faziam o trajeto da Praça XV, na cidade do Rio de Janeiro, até o fundo da Baía de Guanabara, de onde o trem se encarregava do transporte terrestre até a Raiz da Serra, introduzindo dessa forma a primeira operação intermodal do Brasil. A par de outra ferrovia instalada no Nordeste, foi inaugurada em 29 de março de 1858 a Companhia Estrada de Ferro D. Pedro II, com um trecho inicial de 47,21 km, ligando a Estação da Corte até Queimados, no Rio de Janeiro. Esta ferrovia veio a se constituir uma das mais importantes obras da engenharia ferroviária do País, na transposição da Serra do Mar, com a construção de inúmeros viadutos, cortes, aterros, bem como o Túnel Grande com 2.236 m de extensão.Procurando atrair investidores, o governo implantou um sistema de concessões, que se tornou característico da política de infraestrutura do período imperial, atraindo recursos e técnicos estrangeiros. Diversos engenheiros estrangeiros participaram deste processo, destacando-se o nome do engenheiro inglês James W. Wells, o qual participou ativamente nos projetos e implantações ferroviárias no Rio de Janeiro e Minas Gerais, integrando uma equipe de engenheiros organizada pela Public Works Construction Company, de Londres, contratada pelo imperador para traçar o trecho final da Estrada de Ferro Pedro II, estendendo os trilhos dos vales dos rios Paraopeba e São Francisco, até a cidade de Pirapora. James Wells destacou-se também como autor de um livro publicado em 1873,” Explorando e Viajando Três mil milhas através do Brasil”, produto de suas viagens pelo interior do Brasil. Este trabalho teve por objetivo apresentar detalhes de suas viagens quando foram realizados os estudos de implantação ferroviária. Por outro lado, o autor citado foi responsável pela cartografia das estradas de ferro, expressa por seus mapas, entre eles a “Planta Geral da Ferrovia D. Pedro 2º das que com ellas correspondem e das que lhe estão próximas”, da “Planta da Estrada de Ferro D. Pedro II e a das outras Estradas de Ferro das Províncias do Rio de Janeiro, S. Paulo e Minas Geraes”, de 1879, e da “Planta do Prolongamento Projectado da Estrada de Ferro D. Pedro II, Rios de São Francisco e Tocantins, Secção E”, de 1874, os quais, integradosa outros mapas mostram o desenvolvimento do processo ferroviário no Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

FIGUEIRA, M.F.,Memória Histórica da Estrada de ferro Central do Brazil. Imprensa Nacional. 1908.
IBGE, Glossário dos termos genéricos dos nomes geográficos utilizados no mapeamento sistemático do Brasil, IBGE, Coordenação de Cartografia, Rio de Janeiro, 2015.
INEPAC, O Transporte Ferroviário no Estado do Rio de Janeiro, http://www.inepac.rj.gov.br/application/assets/img//site/3_o_transporte_ferroviario_no_est_do_rio_de_janeiro.pdf, Rio de Janeiro, 2017.
Acesso em 20/09/2017.
MACOP, Fundo Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas,Instrumento Provisório dos Documentos Cartográficos, Arquivo Nacional, Rio de Janeiro, 2013.
PICANÇO, F.,Viação férrea do Brazil: descripção technica e estatistica de todas as novas estradas de ferro. Rio de Janeiro: Typ. E Tilh. De Machado & C., 1884.
SILVA, M.W.,A formação de territórios ferroviários no Oeste Paulista, 1868-1892. 311 p. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Geografia. 2008.
SILVA, M. W., CRUZ, A.C.S., CUNHA, M.R.A, A Implantação Ferroviária no Estado do Rio de Janeiro: 1854-1900, IV SEMINÁRIO DE PESQUISA DO ESR, UFF, Campos dos Goytacazes, 2011.
WELLS, J.W., Exploring and travelling three thousand miles through Brazil from Rio de Janeiro to Maranhao. Sampson, Low, Marston, Searle andRevington, London, 1886.
WELLS, J.W., Explorando e Viajando Três Mil Milhas Através do Brasil. Do Rio de Janeiro ao Maranhão, Fundação João Pinheiro,Belo Horizonte, 1995.
Publicado
2019-12-20
Seção
Artigos