Mapas temáticos da viticultura portuguesa: “Contribuição para o Cadastro dos Vinhos Portugueses na Área de Influência da J. N. V.” (1942)

  • Mário Gonçalves Fernandes Universidade do Porto
  • Helder Trigo Gomes Marques Universidade do Porto
Palavras-chave: cartografia temática histórica, viticultura

Resumo

Em Portugal, no que à cartografia histórica da viticultura diz respeito, existem duas fases marcantes em que o uso da cartografia foi recorrente: o primeiro, descola essencialmente no dealbar do último quartel do século XIX, quando os levantamentos e publicações da cartografia de base se consolidaram, e prolongou-se, grosso modo, até à queda do regime monárquico; o segundo, iniciou-se com a fase de afirmação política do Estado Novo e encerrou-se, sensivelmente, pelos anos 50 do século passado.
No contexto dos organismos corporativos de regulação setoriais ou de fileira produtiva criados pelo Estado Novo, o caso da Junta Nacional do Vinho (1937) é incontornável. Para ela foram transferidas as competências que anteriormente estavam acometidas à Federação dos Viticultores do Centro e Sul de Portugal (1933).
É, justamente deste período o exemplo iniciático que aqui se apresenta e analisa, consubstanciado na publicação, em dois volumes, da Contribuição para o Cadastro dos Vinhos Portugueses na Área de Influência da J. N. V., cujos trabalhos de campo se iniciaram em 1939 e que refere a data de 1942 no rosto de ambos os volumes, embora tenha sido impresso, de facto, em dezembro de 1943.
Trata-se do levantamento e análise de solos, das características químicas dos mostos, bem como das condições organoléticas, dado serem recorrentes as práticas defeituosas na produção vinícola, as quais, num contexto de predomínio de pequenos produtores, só em parte seriam mitigadas com a criação, nos anos 50, da rede de adegas cooperativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

COSTA, B. C. Cincinnato da e CASTRO, D. Luiz de (coords.) (1900), Portugal au point de vue agricole, Lisboa, Imprensa Nacional
FERNANDES, Mário G. e MARQUES, Helder (2011), “Os mapas da territorialização vitícola portuguesa (1865-1908)”, Atas do IV Simpósio Luso-Brasileiro de Cartografia Histórica. Porto, FLUP (http://eventos.letras.up.pt/ivslbch/comunicacoes/115.pdf), ISBN: 978-972-8932-88-6;
MARQUES, Helder, FERNANDES, Mário G. (2009), “Cartografar para compreender: a viticultura portuguesa, da difusão dofiloxera à estruturação das adegas cooperativas da Junta Nacional do Vinho, 1870-1950”, Atas do III Simpósio Luso-Brasileiro de Cartografia Histórica, Brasil, Ouro Preto (http://www.ufmg.br/rededemuseus/crch/fernandes_marques_cartografar-para-compreender.pdf);
MARQUES, Helder (2000),Modernidadee inovação na ruralidade do Noroeste de Portugal. Porto, FLUP, tese de doutoramento, edição do autor (policopiado) (https://catalogo.up.pt/exlibris/aleph/a22_1/apache_media/T4A7P6V4TB14J45AI5B3M5H8RH6XX9.pdf)
GIRÃO, Aristides de Amorim (1941, 2ª edição 1958), Atlas de Portugal. Coimbra: Gráfica de Coimbra (texto) e Lito-Coimbra (mapas). Publicação comemorativa do duplo centenário.
JUNTA NACIONAL DO VINHO (1942), Contribuição para o Cadastro dos Vinhos Portugueses na Área de Influência da J. N. V., Vols. I e II. Lisboa, Ministério da Economia, Tipografia Ramos, Afonso e Moita, Lda., dezembro de 1943.
Publicado
2019-12-20
Seção
Artigos