Um novo horizonte cerâmico no Golfão Maranhense – Ilha de São Luís – MA

  • Arkley Marques Bandeira UFMA
Palavras-chave: Cerâmica-Incisa-Terra Preta-Ilha de São Luís.

Resumo

Este artigo discorre sobre um horizonte cerâmico que vem ocorrendo em vários sítios arqueológicos no Golfão Maranhense, mais precisamente na Ilha de São Luís, e foi abordado apenas parcialmente por Bandeira (2008, 2010, 2013) quando trabalhou com as ocupações humanas pescadoras-coletoras assentadas em sambaquis. Trata-se de um horizonte cerâmico, possivelmente associado a povos cultivadores que habitaram regiões costeiras e estuarinas do Maranhão. Este conjunto cerâmico foi denominado pelo autor de Inciso associado à terra preta e foi situado cronologicamente, entre 1940 a 680 anos antes do presente, ou seja, ele ocorreu em pacote sedimentar que se sobrepôs à ocupação sambaquieira, cuja matriz arqueológica é formada, majoritariamente por conchas e restos ósseos. Neste artigo serão abordados os aspectos mais característicos relacionados a contextualização deste tipo cerâmico ainda pouco investigado na arqueologia maranhense, a exemplo da inserção espaço-temporal, deposição, atributos técnicos e tipológicos, variabilidade dos conjuntos cerâmicos, com base na decoração plástica e no emprego social.

Biografia do Autor

Arkley Marques Bandeira, UFMA

Arqueólogo. Doutor em Arqueologia, Docente do Curso de Licenciatura em Ciências Humanas - UFMA – Campus de Pinheiro.

Referências

AB’SABER, Aziz N. Brasil: Paisagens de exceçao: o litoral e o Pantanal Mato-grossense: patrimônios básicos. Cotia, SP: Atelie Editorial, 2006.
BANDEIRA, Arkley. Marques. Ocupações humanas pré-históricas no litoral maranhense: um estudo arqueológico sobre o sambaqui do Bacanga na Ilha de Sao Luís-Maranhao. 2008. 371f. Dissertaçao (Mestrado). Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de Sao Paulo, Sao Paulo, 2008.
________. Pre-historic occupation at São Luis Island - Maranhão - Brazil: Chronology, ceramic, and landscape. In: Congresso Internacional de Americanistas, 53o ICA: Cidade do México – DF, 2010.
________. Ocupações humanas pré-coloniais na Ilha de São Luís – MA: inserçao dos sítios arqueológicos na paisagem, cronologia e cultura material cerâmica. 2013. 1096f. Tese (Doutorado). Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de Sao Paulo, Sao Paulo, 2013.
_______. Distribuição espacial dos sítios Tupi na Ilha de São Luís, Maranhão. Cadernos do LEPAARQ. Vol. XII, n°24, 2015.
________. Os sambaquis na Ilha de São Luís – MA: processo de formaçao, cultura material cerâmica e cronologia. Revista Memorare, Tubarao. v. 2, n. 1/2/3, p. 1-25 mai./jun, 2015 (no prelo).
________. A cerâmica Mina no Maranhao. In BARRETO, LIMA, Cristiana Helena Pinto, JAIMES, Carla (Orgs.) Cerâmicas arqueológicas da Amazônia: rumo a uma nova síntese. Belém: IPHAN, Ministério da Cultura, 2016.
CNISO - COMISSAO NACIONAL INDEPENDENTE SOBRE OS OCEANOS. O Brasil e o mar no sáculo XXI. Relatório aos tomadores de decisão do país. Rio de Janeiro, 1998.
EL-ROBRINI, Maâmar et al. Atlas oceanográfico na área de influência do bloco exploratório BM-BAR-I, 2002.
FEITOSA, Antonio Cordeiro. TROVAO, José de Ribamar. Atlas escolar do Maranhão: espaço geo-histórico e cultural. Joao Pessoa: Grafset, 2006.
IKEOKA, Renato Akio. Análise de cerâmicas de quatro sítios arqueológicos (ma e sp) por seis métodos analíticos atômicos, moleculares e nuclear. 2014. Tese (Doutorado em Física) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina-PR, 2014.
IMESC. Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos. Situação Ambiental da Ilha do Maranhão/ Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos. Sao Luís: IMESC, 2011.
MENDES, Almicar C. geomorfologia e sedimentodologia. In FERNANDES, M. E. B. (Org.). Os manguezais da costa norte brasileira. Sao Luís: Fundaçao Rio Bacanga, 2003.
MIRANDA, Luiz Bruner de et al. Princípios de oceanografia física de estuários. Sao Paulo: EDUSP, 2002.
SCHAEFFER-NOVELLI, Yara. Os manguezais do Golfão Maranhense. Relatório Técnico apresentado ao Laboratório de Hidrobiologia da Universidade Federal do Maranhao, Sao Luís: UFMA, 1983.
SCHLANGER, Sarah. H. Recognizing persistent places in Anasazi settlement systems. In: J. Rossignol & L. Wandsnider (eds), Space, time and archaeological landscapes, New York, 91-112, 1992.
SIMOES, Mário Ferreira. Contribuição do Museu Goeldi à arqueologia da Amazônia. Belém: MPEG, 1978.
_________. Coletores-pescadores ceramistas do litoral do Salgado. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi – Nova Série, Belém, n. 78, 1981.
Publicado
2018-10-04
Seção
Artigos