A diversidade das coisas: modos de expressão na cerâmica Tupiguarani da Ilha de São Luís e arredores, Maranhão/Brasil

  • Lílian Panachuk Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Arqueologia Tupiguarani, Cerâmica, estado do Maranhão, análise tecnológica, estudo comparativo

Resumo

O tema desse artigo são as populações Tupi/tupiguarani que estão na Ilha de São Luís e arredores. O material cerâmico dos sítios analisados apresenta características gerais identificadas com a tradição Tupiguarani, como o uso do chamote como elemento associado à pasta, tratamento decorativo da superfície com cores e organização pictórica que definem o grupo; corpo da vasilha cerâmica com contorno sinuoso, algumas inflexões e carenas. No entanto, existem muitas diferenças que precisam ainda ser esclarecidas e melhor explicadas. O material aqui apresentado não se adequa a nenhuma das subdivisões internas utilizadas contemporaneamente, pois não se inscrevem em suas descrições. Partimos do material cerâmico dos sítios estudados na ilha, que observamos detidamente em uma análise inter e intra sítios. Posteriormente, relacionamos a eles o material de sítios conhecidos em São Luís e no continente imediato, marcando as diferentes expressões cerâmicas dessa arqueologia regional.

Biografia do Autor

Lílian Panachuk, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Bolsista CAPES. Doutoranda em Arqueologia. Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Arqueologia da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGAN-UFMG).

Referências

ABBEVILLE, C. 2002. História da missão dos padres capuchinhos na Ilha
do maranhão e suas circunvizinhanças. Editora Siciliano. São Paulo. 363p.
ALMEIDA, F. O. de. 2008. O complexo Tupi da Amazônia Oriental.
Dissertação de Mestrado. São Paulo: MAE-USP, 339p.
ALMEIDA, F. O. de; NEVES, E. G. 2015. Evidências Arqueológicas Para
A Origem Dos Tupi-Guarani No Leste Da Amazônia.Mana, Rio de Janeiro,
v. 21, n. 3, p. 499-525, Dec. 2015. Available from br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000300499&lng=
en&nrm=iso>. access on 06 July 2017.http://dx.doi.
org/10.1590/0104-93132015v21n3p499.
ARAÚJO, E. P.; TELES, M. G. L.; LAGO, W. J. S. 2009. Delimitação
das bacias hidrográficas da Ilha do Maranhão a partir de dados SRTM.
In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 14, Anais... Natal: INPE,
p. 4631-4638.
BANDEIRA, A. 2014. Ocupações humanas pré-coloniais na Ilha de São
Luís – Maranhão: tecnotipologia cerâmica e cronologia. In: Bandeira &
Brandi (org). Nova luz sobre a arqueologia do Maranhão. São Luís. Brandi
& Bandeira Consultoria Ambiental Ltda. p.7-50.
BANDEIRA, A. 2013.Os Pioneiros e Seu Legado na Construção da
Arqueologia do Maranhão. Cadernos do LEPAARQ – Textos de Antropologia,
Arqueologia e Patrimônio. V. X, n°19. Pelotas, RS: Editora da UFPEL, p.
7-58.
BETTENDORFF, João F. 2010. Crônica da Missão dos Padres da Companhia
de Jesus no Estado do Maranhão. Edições do Senado Federal. Brasília.
Volume 115. 803p.
BROCHADO, J. P. 1980. A Tradição Cerâmica Tupiguarani na América
do Sul. In: CLIO. Nº 3. Série Arqueologia 1. UFPE, p. 47-60.
CABRAL, M. 2016. Os complexos cerâmicos do Amapá: proposta de uma
nova sistematização. In: BARRETO, C; LIMA, H, P; BETANCOURT,
C.J (org). Cerâmicas Arqueológicas da Amazônia: Rumo a uma nova síntese.
Belém: IPHAN-GOELDI. 86-96p.
CAINO, J.; BRANDI, R.; BANDEIRA, A. AZEVEDO, P. ACHA, M.
2014. Perspectivas da Arqueologia Sul Maranhense. In: Bandeira & Brandi
(org). Nova luz sobre a arqueologia do Maranhão. São Luís. Brandi &
Bandeira Consultoria Ambiental Ltda. p.215-238.
CALDARELLI, S e ARNT, F. 2014. Arqueologia do interior maranhense
interceptada por uma ferrovia. In: Bandeira & Brandi (org). Nova luz sobre
a arqueologia do Maranhão. São Luís. Brandi & Bandeira Consultoria
Ambiental Ltda. p.185-214.
CALDARELLI, S. 2014. A arqueologia do interior maranhense no traçado
de duas linhas de transmissão. In: Bandeira & Brandi (org). Nova luz sobre
a arqueologia do Maranhão. São Luís. Brandi & Bandeira Consultoria
Ambiental Ltda. p.149-184.
CALDARELLI, S. e KERN, D. 2010. Resgate dos Sítios Arqueológicos
Identificados no Trajeto da Linha de Transmissão São Luís II – São Luís
III/MA. Relatório Técnico. Iphan/Belém.
CALDARELLI, S. e PANACHUK, L. 2013. Resgate dos Sítios Arqueológicos
Identificados no Trajeto da Linha de Transmissão São Luís II – São Luís
III/MA. Relatório Final de Laboratório. Iphan/Belém. 249p.
CHYMZ, I. 2010. Modelagens cerâmicas em sítios Tupiguarani do Paraná,
São Paulo e Mato Grosso do Sul. In: Os ceramistas Tupi.Prous & Lima (editores).
Volume II – elementos decorativos. Belo Horizonte, p. 89-112.
CORRÊA, Â. A.2014. Pindorama de mboîa e îakaré: continuidade e
mudança na trajetória das populações Tupi. 2014. Tese (Doutorado em
Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São
Paulo, São Paulo. doi:10.11606/T.71.2014.tde-17102014-154640. Acesso
em: 2017-07-06.
CRUZ, D.&PANACHUK, L. 2014. Saga e persistência: A histórica formação
do sudeste do Pará desde os tempos (mais) antigos.Scientia Consultoria
Científica. Estúdio Zebra Serviços Editoriais. São Paulo. 192pp.
D’ÉVREUX, Y. 2007. História das coisas mais memoráveis acontecidas
no Maranhão nos anos 1613 e 1614. Edições do Senado Federal. Brasília.
Volume 94. 429p.
DIAS, O. e PANACHUK, L. 2008. Características da Tradição Tupiguarani
no Sudeste do Brasil. In: Os ceramistas Tupi.Prous & Lima (editores).
Volume I – sínteses regionais. Belo Horizonte. p. 91-116.
GARCIA, L. 2012.Arqueologia na região dos interflúvios do Xingu-Tocantins.
A ocupação Tupi no Cateté. Dissertação de Mestrado. MAE-USP. São
Paulo, 242p.
GUEDES, L. 2014. Arqueologia da Ilha de São Luís – Maranhão: problematizações
e hipóteses em um laboratório insular. In: Bandeira & Brandi
(org). Nova luz sobre a arqueologia do Maranhão. São Luís. Brandi &
Bandeira Consultoria Ambiental Ltda. p.51-74.
HERIARTE, M. 1874.Descripção do Estado do Maranhão, Pará, Corupá e
Rio das Amazonas. Feita por Mauricio De Heriarte. Ouvidor-Geral, Provedor-
Mór e Auditor, que foi, pelo Governador D. Pedro De Mello, no Anno de
1662.VIENNA ITAUSTBIA. Imprensa do filho de Carlos Gerold. Pp.83
HODDER, I. 2012. Entangled: An Archaeology of the Relationships
between Humans and Things. Wiley-Blackwell, Malden, MA, 252 pp.,
ISBN 978-0-470-67212-9
JOYCE, Rosemary. 2000. Girling the girl and boying the boy: the production
of adulthood in Ancient Mesoamerica. Wordl Eachaeology. Vol.
31. N3. HUman Lifecycles. Feb. Pp.473-483.
KERN, D.C. 1988. Caracterização pedológica de solos com Terra Preta
Arqueológica na região de Oriximiná, Pará. Dissertação de Mestrado,
Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.
LA SALVIA, F. & BROCHADO, J. P. 1989. Cerâmica Guarani.2ªEd.
Posenato Arte e Cultura. Porto Alegre,175p.
LABRADOR, B.; BANDEIRA, A. E BRANDI, R. 2014. Ocupações humanas
no sítio Salvaterra 2: Arqueologia no baixo rio Itapecuru, Bacabeira
– Maranhão. In: Bandeira & Brandi (org). Nova luz sobre a arqueologia
do Maranhão. São Luís. Brandi & Bandeira Consultoria Ambiental Ltda.
p.109-132.
LEITE FILHO, D. 2010. Ocupações pré-coloniais no litoral e nas bacias
lacustres do Maranhão. In: PEREIRA, E. GUAPINDAIA, V. (org.)
Arqueologia Amazônica 2. P.741-774.
LYNGGAARD, F. 1983. Tratado de cerámica. Barcelona. Ediciones
Omega. 282p.
MELLO, FILHO e CHIODI (2010). Atlas de Rochas Ornamentais na
Amazônia. CPRM - Serviço Geológico do Brasil. http://www.cprm.gov.
br/publique/media/atlas_rochas_ornamentais_AM.pdf
MILLER, D. 2010. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre
a cultura material. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
MIRANDA, M. 2014. Andrelândia: 3.500 anos de História. Juiz de Fora.
390p.
MUNSELL. Soil-Color Charts with genuine Munsell color ship. 2009.
NASSER, N. Nova contribuição à arqueologia do Rio Grande do Norte.
In: Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas. Resultados preliminares
do quinto ano. 1969-1070. Museu Paraense Emílio Goeldi. Belém.
pp. 155-164.
NAVARRO, A.2016.O Complexo cerâmico das estearias do Maranhão.
In: BARRETO, C; LIMA, H, P; BETANCOURT, C.J (org). Cerâmicas
Arqueológicas da Amazônia: Rumo a uma nova síntese. Belém: IPHANGOELDI.
158-169p.
NIMUENDAJU, C. 1981.Mapa Etno-Histórico do Brasil. Rio de Janeiro,
IBGE.
NOELLI, F. 2006. As hipóteses sobre o centro de origem e rotas de expansão
dos Tupi. Revista de Antropologia. Volume 39. Nº2. Pp.7-54.
OLIVEIRA, E. 2005.Aspectos da interação Cultural entre grupos ceramistas
pré-coloniais do médio curso do rio Tocantins. Dissertação de mestrado.
MAE-USP. 87pp.
PANACHUK, L. e CARVALHO, A. 2010. Modelagens de barro em sítios
Tupiguarani. In: Os ceramistas Tupi. Prous & Lima (editores). Volume
II – elementos decorativos. Pp. 57-88.
PANACHUK, L. 2004. Fragmentos da Tradição Arqueológica Tupiguarani
(Minas Gerais/Brasil). Monografia de Graduação. Departamento de
Sociologia e Antropologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas.
Universidade Federal de Minas Gerais. 72p.
PANACHUK, L. 2014. Os ceramistas Tupi na Baía de São José, Maranhão:
arqueologia como história indígena. In: Bandeira & Brandi (org). Nova luz
sobre a arqueologia do Maranhão. São Luís. Brandi & Bandeira Consultoria
Ambiental Ltda. p.75-108.
PRADO, J. 2016. A arte da cerâmica de Minas Gerais. Belo Horizonte.
Editora C/Arte. 176p.
PROUS, A., CHANOCA, M., PANACHUK, L.; JÁCOME, C.; ROCHA,
R. 2017. Catálogo das Pinturas em Cerâmicas Tupiguarani. Belo Horizonte.
Editora Legraphar. DVD Interativo.In: Os ceramistas Tupi. Prous & Lima
(editores). Reedição. DVD Extra.
PROUS, A. 2005. A pintura tupiguarani em cerâmica. Revista do Museu
de Arqueologia e Etnologia, São Paulo, Anais da I Semana de Arqueologia,
Suplemento 8: 11-20.
PROUS, A. 2010. A pintura na cerâmica Tupiguarani. In: Prous, A. &
Lima, T.A. (ed). Os Ceramistas Tupiguarani. Elementos Decorativos.
Volume 2. Editora IPHAN/Sigma. Belo Horizonte, p. 113-216.
RICE, P. M. 1987. Pottery Analysis. London: Univ. oh Chicado Press.
SANTOS-GRANERO, F. (Org.) 2009. The occult life of things: native
Amazonian theories of materiality and personhood. Tucson. The University
of Arizona Press. 277p.
SALVADOR, V. História do Brazil. (1500-1627). Edição revista por
Capistrano de Abreu em 1918. Juruá Editora. Curitiba. 2011. 356p.
SERAFIM LEITE, Padre. 1943.História da Companhia de Jesus no Brasil.
Tomo III, Norte - Fundações e entradas. Séculos XVII e XVIII. Instituto
Nacional do Livro. Livraria Portugália. Rio de Janeiro, Brasil. Lisboa,
Portugal. 487p.
SHEPARD, Anna. 1956. Ceramics for the Archaeologist. Carvigie Institution
of Washington, Publication 609. Washington, D.C., 414p.
SILVA, U. S. 2012. Contrastes químicos, mineralógicos e de fertilidade
entre solos tipo terra preta arqueológica: sítio da Mata, no limite oriental
da Amazônia, e sítio porto de Santarém, no baixo amazonas. Dissertação.
Universidade Federal do Pará. Instituto de geociências. Programa de pós-
-graduação em geologia e geoquímica. Belém. 60p.
SIMÕES, M. e ARAÚJO COSTA, F. 1987. Pesquisas Arqueológicas no
baixo rio Tocantins (Pará). Revista Arqueologia, 4(1). Belém, p.11-27.
SIMÕES. M. F. 1972. Índice de fases e Tradições. Belém: Museu Paraense
Emílio Goeldi (MPEG).
SINOPOLI, C. M. 1991.Approches to Archaeological Ceramics. Plenum
Press. New York and London. 237p.
SOARES E SOUZA, G. 2001. Tratado Descritivo do Brasil em 1587.
Editora Itatiaia. Belo Horizonte. Rio de Janeiro. Volume. 221.302p.
TARDE, Gabriel. 2007. Monadologia e sociologia e outros ensaios. São
Paulo. CosacNaify. 286p.
Publicado
2018-10-04
Seção
Artigos