Esculturas líticas inéditas da Amazônia oriental: estatuetas de quadrúpedes e “ídolo” em forma de boto

  • André Prous Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Esculturas em pedra, Amazônia Oriental, Pré-história

Resumo

Apresentamos aqui três estatuetas líticas inéditas encontradas entre o alto curso do rio Trombetas e o alto curso do rio Tapajós e uma quarta, possivelmente proveniente da Ilha de Caviana. Essas peças são feitas em rochas duras, esculpidas por picoteamento e representam figuras zoomorfas quadrúpedes muito semelhantes entre si. As já famosas esculturas em rocha do Baixo Amazonas (os muiraquitãs e os “ídolos de pedra”) em nada se assemelham a esta nova categoria de artefatos. Além dessas estatuetas, descrevemos uma peça em forma de boto cor de rosa, encontrada por um ribeirinho no Lago Sapucuá (Oriximiná, PA) e que provavelmente pertence ao grupo dos “ídolos”.

Biografia do Autor

André Prous, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor aposentado da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais. Pesquisador Voluntário do Museu de História Natural e Jardim Botânico da Universidade Federal de Minas Gerais

Referências

Barcelos Neto, A. (2002). A arte dos sonhos: uma iconografia ameríndia.
Lisboa: Assírio & Alvim, 276 p.
Barata, F. (1954). Os muiraquitãs e as ‘contas’ dos Tapajó. Revista do Museu
Paulista, 8: 229-259.
Barreto, C. (2009). Meios místicos de reprodução social: arte e estilo na
cerâmica funerária da Amazônia antiga. São Paulo: Universidade de São
Paulo, 230 p.
Boomert, A. (1987). Gifts of the Amazons: green stone pedants and
beads and items of cerimonial exchange in Amazonia and the Caribbean.
Antropologica. 67: 33-54.
Costa, M.; Silva, A.C. & Angélica, R. (2002a). Muyrakyrã ou muiraquitã,
um talismã arqueológico em jade procedente da Amazônia: uma
revisão histórica e considerações antropogeológicas. Acta Amazônica. 32
(3): 467-490.
Costa, M.; Silva, A. C.; Angélica, R.; Pollmann, H.; Schuckmann, W.
(2002b). Muyrakyrã ou muiraquitã, um talismã arqueológico em jade
procedente da Amazônia: aspectos físicos, mineralogia, composição química
e sua importância etnológica. Acta Amazônica. 32 (3): 431-448.
Fonseca, J. (2007). Do século XIX ao XX: cartas e publicações sobre os
ídolos de pedra amazônicos (Partes 1 e 2). História e-história, 6 ago. 2007.
Disponível em: arqueologia&id=9>. Acesso em: 15 de outubro de 2016.
Fonseca, J. (2010). As Estatuetas Líticas do Baixo-Amazonas. in. Edithe
Pereira; Vera Guapindaia. (Org.). Arqueologia Amazônica. Belém: MPEG;
IPHAN; SECULT, 1: 235-237.
Gerbrends, A. (1955). Masterpieces of Wood·carving from the Amazon
Basin. in. Anais do XXX Congresso Intern. de Americanistas, 1:267-68.
Gomes, D. (2001). Santarém Symbolism and Power in the tropical forest.
in. MacEwan, C.; Barreto, C.; Neves, E. (Org.). Unknown Amazon.
Londres: British Museum Press, p. 134-155.
Guapindaia, V. (2008). Além da margem do rio: as ocupações Konduri e Pocó
na região de Porto Trombetas, PA. São Paulo: Universidade de São Paulo.
Hilbert, P. (1955). A cerâmica arqueológica da região de Oriximiná. Belém:
Publicações do Instituto de Antropologia e Etnologia do Pará, 9.
Hilbert, P.; Hilbert, K. (1980). Resultados preliminares da pesquisa arqueológica
nos rios Nhamundá e Trombetas, Baixo Amazonas. Belém: Boletim
do Museu Paraense Emilio Goeldi, (Nova série Antropologia), p. 1-15.
Jácome, C. (2017). Dos Waiwai aos Pooco – Fragmentos de história e arqueologia
das gentes dos rios Mapuera (Mawtohrî), Cachorro (Katxuru)
e Trombetas (Kahu). São Paulo: Universidade de São Paulo, 523p.
Lima, D. (2014). O Homem de Branco e o Boto: O Encontro Colonial
em Narrativas de Encantamento e Transformação (Médio Rio Solimões,
Amazonas). Teoria & Sociedade, Número Especial: 173-201.
Lisle de Dreneuc, P. de (1894). Les idoles de pêche du Brésil, Atas do IX
Congresso Internacional de Americanistas. Madrid: Tipografía de los Hijos
de M. G. Hernández, p. 107.
Moraes, C.; Amaral, M.; Santos, R. (2014). Os artesãos das Amazonas: a
diversidade da indústria lítica dos Tapajó e o Muiraquitã. in. Rostain, S.
(Org.). Antes de Orellana. Actas del 3er Encuentro Internacional de Arqueología
Amazónica.Quito: Artes Gráficas Señal, p. 133-140.
Neves, E, Guapindaia, V., Lima, H, Costa, B.; Gomes, J. (2014). A tradição
Pocó-Açutuba e os primeiros sinais visíveis de modificações de paisagens na
calha do Amazonas. in. Rostain, S (Org.). Antes de Orellana. Actas del 3er
Encuentro Internacional de Arqueología Amazónica. Quito: Artes Gráficas
Señal, p.137-158.
Nimuendajú, C. (2004). In Pursuit of a Past Amazon: Archaeological
Researches in the Brazilian Guyana and in the Amazon Region. Per
Sternberg (Org.). Gotemburgo: Etnologiska Studier, 45.
Palmatary, H. (1960). The Archaeology of the lower Tapajos valley: Brazil.
Transactions of the American Philosophical Society, 50.
Porro, A. (2010). Arte e simbolismo xamânico na Amazônia. Boletim do
Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, 5(1):129-144.
Prous, A. (2015). Relatório das pesquisas realizadas no vale do rio Mapuera
(bacia do Alto Trombetas), apresentado à FAPEMIG.
Rodrigues, J. B. (1899). O Muyrakitã e os idolos symbolicos. Rio de Janeiro:
Imprensa Nacional, 240p.
Reichlen, H. (1961) .Objets en bois sculpté du Bas-Amazone. Paris: Objets
et Mondes, 1 (2): 17-30
Schaan, D.; Alves, D. (2015). As Escavações no Sítio Porto de Santarém.
in. Schaan, D. & Alves, D. (Org.). Um Porto, muitas Histórias. Arqueologia
no Porto de Santarém. Belém: Supercores, p. 35-62.
Silva, A. C; Costa, M. (2012). Mineralogy and chemistry of the green
stone artifacts (muiraquitãs) of the museums of the Brazilian state of Pará.
Revista da Escola de Minas, 65 (1): 59-64.
Veríssimo, J. (1970). Os ídolos amazônicos. in. Verísimo, J. Estudos
Amazônicos. Belém: UFPA, p. 107-115.
Wassén, H.; Holmstedt, B. (1963). The use of Paricá, an ethnological and
pharmacological review. Ethnos, 28 (1):5-45.
WASSÉN, H. (1965). The use of some specific kinds of South American
Indian snuff and related paraphernalia. Gotemburgo: Etnologiska Studier,
28, p. 1-116.
Wassén, H. (1967). Anthropological survey of the use of South American
snuffs. In: Efron, D. (Org.) Ethno-pharmacologic search for psychoactive
drugs. Washington: United States Public Health Service, p. 233-289.
Zerries, O. (1965). Drei unbekannte Holzschnitzarbeiten aus Brasilianisch-
Guyana im Museum für Völkerkunde zu Mannheim. Tribus, 14:185-193.
Zerries, O. (1977). Drei alte, figürlich verzierte Holztrompeten aus Brasilien
in den Museen zu Kopenhagen, Leiden und Oxford. Ethnologische Zeitschrift
Zürich, 1:77-89.
Zerries, O. (1981). Atributos e instrumentos rituais do xamã na América
do Sul não-andina e o seu significado”. in. Hartmann e V. Coelho (Orgs.)
Contribuições à antropologia em homenagem ao Prof. Egon Schaden. Coleção
Museu Paulista, Série Ensaios, 4, p.319-360.
Publicado
2018-10-04
Seção
Artigos