Adornos corporais das Antilhas à Amazônia: uma proposta metodológica

  • Catarina Guzzo Falci Universidade de Leiden
  • Annelou Van Gijn Universidade de Leiden
  • Corinne L. Hofman Universidade de Leiden
Palavras-chave: Adornos corporais, muiraquitã, Amazônia, circum-Caribe, traceologia, cadeia operatória

Resumo

Um debate recorrente na arqueologia do baixo Amazonas e do norte da América do Sul diz respeito à produção e troca de adornos corporais em matérias primas líticas, especialmente dos chamados muiraquitãs. Tais artefatos são frequentemente considerados como evidências de interações entre as comunidades indígenas que viveram em diferentes áreas da Amazônia e da região circum-caribenha. Apesar do crescimento do número de estudos nos últimos anos fazendo uso de diversos métodos, muitas coleções permanecem por ser estudadas. O presente artigo faz uma revisão dos estudos acerca de adornos corporais nas duas regiões e propõe uma metodologia para o estudo de contas, pingentes e outros adornos, principalmente em material lítico e concha. Argumentamos que a traceologia pode aportar informações detalhadas acerca das sequências de produção, da duração e das modalidades de uso de adornos, ainda que as coleções disponíveis sejam compostas principalmente por peças já finalizadas ou em um estado avançado da cadeia operatória.

Biografia do Autor

Catarina Guzzo Falci, Universidade de Leiden
Doutoranda em Arqueologia, Faculdade de Arqueologia, Universidade de Leiden (Países Baixos).
Annelou Van Gijn, Universidade de Leiden
Professora de Cultura Material Arqueológica e Estudos de Artefatos, Faculdade de Arqueologia, Universidade de Leiden
Corinne L. Hofman, Universidade de Leiden

Diretora da Faculdade de Arqueologia e Professora de Arqueologia do Caribe, Faculdade de Arqueologia,
Universidade de Leiden

Publicado
2018-10-04
Seção
Artigos