eISSN 2317-6377
Uma cor que desentorte o arco-íris
Danilo Bogo
https://orcid.org/0000-0002-5831-5545
Universidade Federal da Integração Latino-Americana
danilobogo@gmail.com
MUSIC SCORE
Submitted date: 27 oct 2021
Final approval date: 19 nov 2021
Resumo: Com duração de aproximadamente 6'30" a peça foi escrita em 2017 para piano e eletrônica, tendo a
proporção áurea e suas ramificações como a sequência Fibonacci como inspiração para a organização da harmonia
e da forma. O piano assume um caráter solista e a eletrônica operada por dois intérpretes em dois computadores
mistura sons fixados (eletrônica diferida escritos em língua portuguesa na partitura) e síntese gerada pelo software
SuperCollider (live electronics escritos em inglês) em ambos os computadores. Os sons fixados (pássaros, avião,
chuva etc.) são misturados em tempo real pelos dois intérpretes com o auxílio de um mixer enquanto os live electronics
(síntese) são controlados pelo mouse e enviados também ao mixer. Os elementos do piano são tratados como objetos
sonoros que se adensam pouco a pouco até atingir dois clímaces pré-estabelecidos pela sequência Fibonacci.
Palavras-chave: Eletrônica mista; Piano; Supercollider; Proporção áurea; Escrita para mouse.
TITLE: A COLOR WHICH UNBENDS THE RAINBOW
Abstract: Having approximately 6’30” of length this piece was written in 2017 for piano and electronics. It has golden
rate and its ramifications like Fibonacci sequence as an inspiration to organize harmony and form. Piano assumes
a solo character and the electronics operated by two performers in two PCs mixes fixed sounds (written in
Portuguese on the score) and live electronics synthesis generated by the SuperCollider software (these ones written
in English) in both computers. Fixed sounds (birds, airplane, rain etc.) are mixed in real time by both electronic
performers via a mixer while live electronics (synthesis) are controlled by computer mouse and also sent to the mixer.
Piano elements are treated like “sound objects” which become denser, little by little, until reach two climaxes pre-
established by the Fibonacci sequence.
Keywords: Mixed music; Piano; Supercollider; Golden rate; Mouse writing.
Per Musi, no. 42, General Topics, e224201, 2022
DOI: 10.35699/2317-6377.2022.36908
2
Bogo, Danilo. “Uma cor que desentorte o arco-íris"
Per Musi no. 42, General Topics: 1-50. e224201. DOI 10.35699/2317-6377.2022.36908
Uma cor que desentorte o arco-íris
Danilo Bogo, Universidade Federal da Integrão Latino-Americana, danilobogo@gmail.com
1. Apresentação
1.1. Contexto
Com duração de aproximadamente 6'30" a peça foi escrita em 2017 para piano e eletrônica, tendo a
proporção áurea e suas ramificações como a sequência Fibonacci como inspiração para a organização da
harmonia e da forma. A peça surge como encomenda do Grupo Contackte para composição de uma pa
mista que utilizasse o SuperCollider como suporte da eletrônica. A ideia era conhecer o software, criar com
ele e para ele. A peça estreia em 2017 no primeiro encontro de composição da UNILA (Universidade Federal
da Integração Latino-americana) tendo a musicista Andressa Castilho ao piano. No mesmo ano é executada
no evento Musicircus no Sesc-Foz de Iguaçu-PR e ganha uma versão de estúdio pelo próprio compositor
1
.
Idealizado pelo compositor Cristiano Galli em 2015, o Grupo Contackte é um grupo independente radicado
em Foz do Iguaçu (PR), na fronteira entre Paraguai, Brasil e Argentina. O grupo iniciou suas atividades em
2016 se apresentando como uma plataforma de fomento da arte contemporânea tendo como objetivo a
colaboração entre diversas áreas artísticas e tecnológicas - como música, artes visuais, informática, dança
etc. Desta maneira o grupo congrega compositores, instrumentistas, artistas visuais, cineastas, especialistas
nas áreas de informática e está sempre aberto a novas manifestações tecnológico-artísticas.
O título “Uma cor que desentorte o arco-íris” vem da ideia de causar um “tilt” na lógica do pensamento e
acompanha outras obras compostas no período. A peça tem o céu como inspiração, seja na sua forma em
arco (-íris), seja nos sons escolhidos na eletrônica: sons sintéticos do SuperCollider (pássaros, tempestade,
eletricidade etc.) mas sobretudo nos gravados (avião, chuva, trovão e pássaros). Os limites que definem o
céu também aparecem (deserto e oceano) e remetem aos sons graves do piano (chão) em oposição aos
sempre presentes superagudos soando como estrelas cintilantes. Arco-íris, chuva e luz, formando uma
ponte curva entre céu e terra. Também o incomodo, uma cor intrusa, estranha, ilógica.
1.2. Construções, expressões, inspirações…
As alturas são organizadas a partir de duas ideias harmônicas (grupos). O primeiro grupo harmônico foi
construído a partir de uma extensão de 75 notas no piano (de C-0 a D-6)
2
e a prática de multiplicar para
1
Para versão de estúdio ver https://youtu.be/ev81E78A9W4?t=44. Acesso 25 de novembro de 2021.
2
C3 como Dó central.
3
Bogo, Danilo. “Uma cor que desentorte o arco-íris"
Per Musi no. 42, General Topics: 1-50. e224201. DOI 10.35699/2317-6377.2022.36908
encontrar a seção áurea (por 0.618 para descobrir a parte maior ou 0.383 para a menor) foi aplicada
sucessivamente para obter notas internas a esses extremos e definir uma “escala geral” do primeiro grupo
harmônico. Em resumo, após o resultado da primeira multiplicação, toma-se uma das partes e se multiplica
mais uma vez e assim sucessivamente até que o resultado não remeta à nenhuma nota (números menores
que 1). Em seguida as distâncias entre os primeiros números da sequência Fibonacci (1,2,3,5,8) foram
aplicadas para gerar o segundo grupo harmônico. O eixo foi estipulado sobre o número 8, dessa forma se
vai de 1 a 8 e de 8 a 1 por toda a extensão do instrumento.
Figura 1 Excerto da série Fibonacci aplicada às teclas do piano
Um procedimento semelhante foi empregado para a forma. A peça dura 377 segundos e os elementos do
piano são tratados como objetos sonoros que se adensam pouco a pouco até atingir dois clímaces pré-
estabelecidos pela sequência Fibonacci (fim da seção A: 89" vídeo 2’14’’; e fim da seção C: 233" vídeo
4’38’’
3
).
O piano assume um caráter solista e a eletrônica operada por dois intérpretes em dois computadores -
mistura sons fixados (eletrônica diferida escritos em língua portuguesa na partitura) e síntese gerada pelo
software SuperCollider (live electronics escritos em inglês) em ambos os computadores. Sobre a eletrônica,
foi utilizado o software Supercollider para gerar síntese e como player para executar sons e paisagens
sonoras (encontradas em freesound.org). O SuperCollider é um software livre e os códigos apresentados na
partitura estão disponíveis, também de forma gratuita, em sccode.org. Importante salientar que os códigos
3
Ver link do YouTube na nota de rodapé. O segundo número é referente à minutagem do vídeo em
questão.
Figura 2 Forma de Uma cor que desentorte o arco-íris. Observa-se que suas seções são organizadas em números áureos
4
Bogo, Danilo. “Uma cor que desentorte o arco-íris"
Per Musi no. 42, General Topics: 1-50. e224201. DOI 10.35699/2317-6377.2022.36908
não foram desenvolvidos por mim, mas foram escolhidos após intensa busca com o intuito de atender as
demandas composicionais.
1.3. Grafia
Buscando uma interpretação um pouco mais livre do ritmo foi escolhida a escrita proporcional balizada por
pequenos traços que representam a medida de um segundo. Assim, o ataque de cada nota é definido pela
sua posição aproximada dentro de um segundo dado. a duração, no caso do piano, é controlada pelo
pedal de sustain, eliminando assim a necessidade de utilização das figuras rítmicas tradicionais. Para a grafia
da eletrônica se usou uma abordagem descritiva com símbolos representando cada som, exceto para a
escrita para mouse de computador que é totalmente prescritiva
4
. Por ser algo incomum, o foi encontrada
nenhuma referência de escrita para mouse. Foi necessário defini-la pois no código Sweep noise se usa o
recurso “Theremin
5
onde o som é modulado dependendo da posição em que a seta do mouse se encontra
na tela do computador. Assim para o parâmetro horizontal se decidiu dividir a tela em cinco partes (Figura
3 a) e para o vertical se considera a altura no espaço onde a eletrônica é grafada (b). Dessa forma, para a
Figura 3 b se coloca o mouse na posição 4 e faz-se uma elevação até o centro da tela e se retorna, logo em
seguida, à parte inferior. o exemplo “c” representa um movimento circular no canto inferior direito da
tela com duração aproximada de dois segundos para cada ciclo.
Figura 3 Modelo de escrita para mouse utilizados na obra
uma preocupação no Grupo Contackte em proporcionar que seus membros de outras áreas possam
participar efetivamente de uma performance musical. Por isso, no caso da peça aqui tratada, a grafia
proporcional balizada em segundos permite, ao menos para a parte da eletrônica, que mesmo pessoas que
não leem música possam operar os computadores e tocar junto com o/a pianista.
2. Biografia do autor
Graduado em violão pela Unespar/Embap, mestre em interpretação pela Universidade de Montreal
(Canadá) e doutor em musicologia pela Universidade Federal do Paraná. De 2005 a 2007 integra o quarteto
de violões da EMBAP realizando vários concertos pelo sul do Brasil. Suas pesquisas na área da pedagogia
4
Para Segger (1997 apud Zampronha, 2000), na notação prescritiva o compositor diz ao intérprete quais
ações ele deve tomar para chegar em um resultado desejado (uma tablatura, por exemplo); já na descritiva
o compositor diz o resultado desejado sem indicar ao intérprete como proceder para o conseguir (ex.:
escrita ortocrônica sem digitação).
5
O termo Theremin aqui se refere ao recurso disponível no software SuperCollider no qual é possível intervir
na eletrônica em tempo real através dos movimentos do mouse de um computador. O termo faz alusão ao
instrumento criado pelo inventor russo Léon Theremin em 1928.