Camões de cordel

  • Joel Pontes Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

Nas comemorações tetracentenárias de Os Lusíadas, lembro dois folhetos de cordel circulantes no Nordeste do Brasil: As Perguntas do REI a CAMÕES e O Filho de Camões. Trata-se de poesia rústica, feita por e para gente semi-alfabetizada, e para analfabetos, por isso mesmo representativa da simpatia  de uma parte do povo - aquela que não tem voz nos meios literários propriamente ditos, e que constitui parcela ponderável, ainda, na população brasileira, que atualmente se alfabetiza e se torna, cada vez mais, urbana.

Referências

AMARAL, F. P. do. Escavações, factos da história de Pernambuco. Recife: Typographia do Jornal do Recife, 1884.

LITERATURA POPULAR EM VERSO. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura e Casa de Rui Barbosa, 1961.

MOTA, Leonardo. Violeiros do Norte. 3. ed. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará, 1972.
Publicado
1973-09-30
Seção
Artigos