PRAZER-SOFRIMENTO DE ENFERMEIROS NO CUIDADO À PESSOA COM TRANSTORNO MENTAL E À FAMÍLIA

Autores

  • Maria do Perpétuo Socorro de Sousa Nóbrega
  • Jussara Carvalho Santos
  • Dárcio Tadeu Mendes
  • Priscila Campos Tibúrcio
  • Bruna Farias Ribeiro
  • Carla Sílvia Neves Nova Fernandes

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2021.44540

Palavras-chave:

Saúde do trabalhador, Atenção Primária à Saúde, Saúde Mental, Salud Laboral, Atención Primaria de Salud, Salud Mental, Occupational Health, Primary Health Care, Mental Health

Resumo

Objetivos: mensurar e comparar os indicadores de prazer-sofrimento em enfermeiros brasileiros e portugueses de cuidados primários à pessoa/família no contexto do transtorno mental. Método: estudo quantitativo, descritivo-correlacional, multicêntrico, com 500 enfermeiros de Portugal e Brasil. Coleta realizada via Google forms de abril a agosto de 2018, com questionário sociodemográfico e escala de indicadores de prazer-sofrimento no trabalho. Resultados: nos dois países, o domínio gratificação-realização profissional foi avaliado como satisfatório; insegurança/falta de reconhecimento e desgaste/esgotamento como graves. Os enfermeiros portugueses avaliaram a liberdade de expressão como satisfatória, os brasileiros como crítica. Em ambos os países houve correlação da liberdade de expressão com tempo de atuação no serviço, carga horária de trabalho e gênero; insegurança com tempo de formação, atuação no serviço e carga horária de trabalho; desgaste-esgotamento com tempo de atuação no atual serviço e tempo de formação. Conclusão: os enfermeiros de ambos os países apresentaram níveis críticos de sofrimento no trabalho. Avaliam com gratificação e com possibilidade de realização profissional a condução de cuidado à pessoa e famílias no contexto do transtorno mental, mas sua liberdade de expressão está comprometida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). 2017[citado em 2021 abr. 9]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/ gm/2017/prt2436_22_09_2017.html 9 Prazer-sofrimento de enfermeiros no cuidado à pessoa e à família com transtorno mental DOI: 10.5935/1415.2762.20210065 REME • Rev Min Enferm. 2021;25:e-1417

Pisco L. Reforma da Atenção Primária em Portugal em duplo movimento: unidades assistenciais autônomas de saúde familiar e gestão em agrupamentos de Centros de Saúde. Ciênc Saúde Colet. 2011[citado em 2021 abr. 9];16(6):2841-52. Disponível em: http:// dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000600022

Ministério da Saúde (BR). Portaria N. 3088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. 2011[citado em 2021 abr. 9]. Disponível em: http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/le is/LEIS_2001/L10216.hhtm

Ministério da Saúde (BR). Portaria N. 3588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação nº 3 e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. 2017[citado em 2021 abr. 9]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/ prt3588_22_12_2017.html

Passos RG, Portugal S. Breve balanço da política de saúde mental: análise comparativa Brasil e Portugal a partir da experiência das residências terapêuticas. Rev Pol Públ. 2015[citado em 2021 abr. 9];19(1):91-102. Disponível em: http://dx.doi.org/10.18764/2178- 2865.v19n1p91-102

Presidência do Conselho de Ministros (PT). Resolução Do Conselho De Ministros Nº 49/2008 Diário Da República Nº 47/2008, Série I De 2008-03-06. Aprova o Plano Nacional de Saúde Mental, adiante designado por Plano, para o período de 2007 a 2016. Lisboa, Portugal: Ministério da Saúde; 2006[citado em 2021 abr. 10]. Disponível em: https://data.dre.pt/eli/resolconsmin/49/2008/03/06/p/dre/pt/html

Dalmolin GL, Lanes TC, Zanon REB, Schutz TC, Speroni KS. Work context and Pleasure-suffering in Primary Health Care. Rev Soc Dev. 2021[citado em 2021 abr. 9];10(2):e9610212331. Disponível em: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i2.12331

Ribeiro RP, Martins JT, Marziale MHP, Robazzi MLCC. Work-related illness in nursing: an integrative review. Rev Esc Enferm USP. 2012[citado em 2021 abr. 9];46(2):495-504. Disponível em: https:// doi.org/10.1590/S00 80-62342012000200031

Dejours C, Abdoucheli E, Jayet C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da Escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas; 2014.

Araújo MAN, Lunardi Filho WD, Alvarenga MRM, Oliveira RD, Souza JC, Vidmantas S. Perfil sociodemográfico dos enfermeiros da rede hospitalar. Rev Enferm UFPE on line. 2017[citado em 2021 abr. 9];11(Supl.11):4716-25. Disponível em: https://doi. org/10.5205/1981-8963- v11i11a231214 p4716-4725-2017

Lapão LV, Pisco L. A reforma da atenção primária à saúde em Portugal, 2005-2018: o futuro e os desafios da maturidade. Cad Saúde Pública. 2019[citado em 2021 abr. 10];35(Suppl2): e00042418. Disponível em: https://doi.org/10.1590/01 02-311x00042418

Glanzner CH, Olschowsky A, Dal Pai D, Tavares JP, Hoffman DA. Avaliação de indicadores e vivências de prazer/sofrimento em equipes de saúde da família com o referencial da Psicodinâmica do Trabalho. Rev Gaúch Enferm. 2017[citado em 2021 abr. 10];38(4):e2017-0098. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.04.2017- 0098

Campos JF, David HMSL, Souza NVDO. Pleasure and suffering: assessment of intensivist nurses in the perspective of work psychodynamics. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014[citado em 2021 abr. 19];18(1):90-5. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/14 14-8145.20140013

Duarte JMG, Simões ALA. Significados do trabalho para profissionais de Enfermagem de um hospital de ensino. Rev Enferm UERJ. 2015[citado em 2021 abr. 19];23(3):388-94. Disponível em: https://doi.org/10.12957/reuerj.2015.6756

Sartoreto IS, Kurcgant P. Satisfação e insatisfação no trabalho do enfermeiro. RBCS. 2017[citado em 2021 abr. 19];21(2):181-8. Disponível em: https://doi.org/10.22478/ufpb.2317- 6032.2017v21n2.23408

Prestes FC, Beck CLC, Magnago TSBS, Silva RM. Indicadores de prazer e sofrimento no trabalho da Enfermagem em um serviço de hemodiálise. Rev Esc Enferm USP. 2015[citado em 2021 abr. 29];49(3):469-77. Disponível em: https://doi.org/10.1590/ S0080-623420150000300015

Pilotto BS, Junqueira V. Organizações Sociais do setor de saúde no estado de São Paulo: avanços e limites do controle externo. Serv Saúde Soc. 2017[citado em 2021 abr. 29];(130):547-63. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0101-6628.123

Fronteira I, Jesus EH, Dussault G. A Enfermagem em Portugal aos 40 anos do Serviço Nacional de Saúde. Ciênc Saúde Colet. 2020[citado em 2021 maio 6];25(1):273-82. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232020251.28482019

Mora CTR, Rizzotto MLF. Gestão do trabalho nos hospitais da 9ª região de saúde do Paraná. Saúde Debate. 2015[citado em 2021 abr. 9];39(107):1018-32. Disponível em: https://doi. org/10.1590/0103-110420151070695

Almeida MH, Ramos AO, Batista P. Workplace Empowerment and Job Satisfaction in Portuguese Nursing Staff: an exploratory study. Cent Eur J Nurs Midw. 2017[citado em 2021 abr. 9];8(4):749–55. Disponível em: https://doi.org/10.15452/CEJNM.2017.08.0028

Bernardes LG, Karino ME, Martins JT, Okubo CVC, Galdino MJQ, Moreira AAO. Workplace violence among nursing professionals. Rev Bras Med Trab. 2020[citado em 2021 abr. 9];18(3):250-7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.47626/1679-4435-2020-531

Pedro DRC, Silva GKT, Lopes APAT, Oliveira JLC, Tonini NS. Violência ocupacional na equipe de Enfermagem: análise à luz do conhecimento produzido. Saúde Debate. 2017[citado em 2021 abr. 9];41(113):618- 29. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-1104201711321

Miorin JD, Camponogara S, Pinno C, Beck CLC, Costa V, Freitas EO. Prazer e sofrimento de trabalhadores de Enfermagem de um pronto-socorro. Texto Contexto Enferm. 2018[citado em 2021 abr. 29];27(2):01-09. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104- 072 0180002350015

Nóbrega MPSS, Venzel CMM, Sales ES, Próspero AC. Ensino de Enfermagem em saúde mental no Brasil: perspectivas para a atenção primária à saúde. Texto Contexto Enferm. 2020[citado 2021 ago. 13];29:e20180441. Disponível em: http://dx.doi. org/10.1590/1980-265X-TCE-2018-0441

Morais MP, Martins JT, Galdino MJQ, Robazzi MLCC, Trevisan GS. Satisfação no trabalho de enfermeiros em um hospital universitário. Rev Enferm UFSM. 2016[citado em 2021 abr. 9];6(1):01-09. Disponível em: https://doi.org/10.5902/2179769217766

Publicado

01-01-2021

Como Citar

1.
Nóbrega M do PS de S, Santos JC, Mendes DT, Tibúrcio PC, Ribeiro BF, Fernandes CSNN. PRAZER-SOFRIMENTO DE ENFERMEIROS NO CUIDADO À PESSOA COM TRANSTORNO MENTAL E À FAMÍLIA. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 1º de janeiro de 2021 [citado 20º de julho de 2024];25(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/44540

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)