REDES SOCIAIS E MÍDIA TRADICIONAL: DISPUTA E ARTICULAÇÃO NA SIGNIFICAÇÃO DO IMPEACHMENT DE DILMA ROUSSEFF

Autores

  • Letícia Baron
  • Michele Diana da Luz

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2018.5099

Resumo

A partir da teoria do discurso laclauniana, faz-se uma análise da relação estabelecida entre os discursos dos Movimentos Endireita Brasil, Brasil Livre e Vem pra Rua e da grande mídia nacional - representada pelos jornais A Folha de São Paulo e O Globo - no período que envolve o processo e o julgamento da então Presidente da República, Dilma Rousseff. As análises demonstraram que as Organizações Globo e a Folha de São Paulo, no início do processo de impeachment, desmotivaram o prosseguimento do processo, afirmando preocupação com a instabilidade política que poderia gerar. Esta atitude foi amplamente criticada pelos movimentos. Com o aumento das manifestações e a adesão de diversos segmentos ao pedido de Impeachment, O Globo reconsiderou seu posicionamento, cobrindo amplamente os eventos que resultaram no afastamento de Dilma. O posicionamento da Folha, contudo, manteve-se até o final do processo.

PALAVRAS-CHAVE: Discurso. Mídia. Impeachment.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-07-19

Como Citar

BARON, L.; LUZ, M. D. da. REDES SOCIAIS E MÍDIA TRADICIONAL: DISPUTA E ARTICULAÇÃO NA SIGNIFICAÇÃO DO IMPEACHMENT DE DILMA ROUSSEFF. Revista de Ciências do Estado, [S. l.], v. 3, n. 1, 2018. DOI: 10.35699/2525-8036.2018.5099. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/5099. Acesso em: 26 out. 2021.