Os dilemas do pós-modernismo:

conservadorismo às avessas?

  • Wesley Rodrigues Sousa Universidade Federal de São João del-Rei-UFSJ
Palavras-chave: alienação, capitalismo, ontologia, pós-modernismo, marxismo

Resumo

O presente artigo pretende apontar como os tais “movimentos identitários” representam, sobretudo, os interesses do poder econômico que domina a sociedade atual, designando-a seja como a lógica cultural do capital. Isso se dá, em aspecto prático, a partir de uma crise geral do capitalismo em meados da década de 70. Nesta década tivemos, ao mesmo tempo, o refluxo dos movimentos sociais contestatórios e a ofensiva do capital para criar novos mecanismos que propiciassem novas possibilidades de valorização e reprodução ampliadas para o capital. No aspecto teórico, isso significa a derrocada da razão, pois, o discurso que deveria passar o sentido das ideias em consonância com a realidade social dos trabalhadores e oprimidos, torna-se aqui a estética do que se apresenta, não no que se trata objetivamente como a concreção conceitual da regência imanente das coisas existentes na sociedade capitalista. Munidos de um pensamento irracionalista, a práxis desses movimentos ao não compreender o caráter de uma sociedade fetichista e alienada, tornam-se eles próprios, armas de manutenção do sistema capitalista, tomando, finalmente, um viés conservador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wesley Rodrigues Sousa, Universidade Federal de São João del-Rei-UFSJ
Bolsista PIBID pela CAPES

Referências

BELLI, Rodrigo Bischoff. O irracionalismo como ideologia do capital: análise de suas expressões ideológicas fascista e pós-modernista. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. Faculdade de Filosofia e Cinencia Sociais – Campus de Marília. Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais. Orientadora Prof.ª Dr.ª Angélica Lovatto – Marília-SP, 2017.

CISNE, Mirla. Feminismo e consciência de classe no Brasil [livro eletrônico]. São Paulo-SP: editora Cortez, 2015.

COUTINHO, Carlos Nelson. O estruturalismo e a miséria da razão. Posfácio José Paulo Netto. 2° edição: São Paulo-SP; editora Expressão Popular, 2010.

DELLA FONTE, Sandra Soares. Agenda pós-moderna e neopositivismo: antípodas solitários. Revista Educação & Sociedade, vol. 31, núm. 110, enero-marzo, 2010, p. 35-56;

DIAS, Fernanda Magalhães; TEIXEIRA, Davi. Marxismo e Cultura: contra-ponto às perspectivas pós-modernas. Revista Educação & Sociedade; Campinas-SP, v. 31, n. 110, p. 35-56, jan.-mar. 2010.

EAGLETON, Terry. The Illusions of Postmodernism. Tradução da primeira edição por Blackwell Publishers: Oxford; Inglaterra, 1996 (Versão Digital).

ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Tradução de Leandro Konder. 3° edição. Editora Expressão Popular. São Paulo-SP, 2012.

LESSA, Sérgio. O revolucionário e o estudo: por que não estudamos?. 1° edição. São Paulo-SP: Instituto Lukács, 2014.

LUKÁCS, György. El asalto a la razón: la trajectoria del irracionalismo desde Schelling hasta Hitler. Traducción de Wenceslao Roces. Fondo de Cultura Económica, México, 1959.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. Tradução Sueli Tomazzini Barros Cassal. Porto Alegre-RS; L&PM Pocket, 2013.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas (1845-1846). Tradução, Rubens Enderle, Nélio Schneider, Luciano Cavini Martorano. São Paulo-SP: Boitempo, 2007.

MARX, Karl. Sobre a questão judaica. Apresentação e posfácio Daniel Bensaïd. Tradução Nélio Schneider, Daniel Bensaïd, Wanda Caldeira Brant. São Paulo-SP: Boitempo, 2010.

MÉSZÁROS, István. Marx: a teoria da alienação. Tradução de Waltersin Dutra. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

MIES, Maria. Origens sociais da divisão sexual do trabalho: a busca pelas origens sob uma perspectiva feminista. Revista Direito e Praxis: Rio de Janeiro, Vol. 07, N. 15, 2016, p. 838-873.

NETTO, José Paulo. Lukács e a crise da filosofia burguesa. Lisboa. Editora Nova Seara, 1978.

SARTORI, Vitor. Direito e politicismo no Brasil: para uma análise da conjuntura nacional pré e pós golpe. Revista Revice - Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v.2, n.2, p. 107-144, ago./dez. 2017.

TONET, Ivo; LESSA, Sérgio. Proletariado e sujeito revolucionário. São Paulo-SP: Instituto Lukács, 2012.

VAISMAN, Ester. Marx e a Filosofia. Revista Nova Economia. Belo Horizonte. Mai-ago, 2006, p. 327-341.

WOOD, Ellen Meiksins. Em defesa da História: o marxismo e a agenda pós-moderna. Crítica Marxista, São Paulo, Brasiliense, v.1, n.3, 1996, p.118-127.

Publicado
2019-07-30
Como Citar
SOUSA, W. R. Os dilemas do pós-modernismo:. Revista de Ciências do Estado, v. 4, n. 1, p. 1-20, 30 jul. 2019.
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)