https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/issue/feed PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG 2020-07-28T01:22:32-03:00 Ricardo Carvalho de Figueiredo revistapos.ppga@gmail.com Open Journal Systems <p>A Revista PÓS é um periódico eletrônico editado pelo Programa de Pós-graduação em Artes da Universidade Federal de Minas Gerais. Criada em 2011, aceita artigos, ensaios, traduções, ensaios visuais e entrevistas nas seguintes áreas da Arte: Artes Plásticas, Visuais e Interartes; Arte e Experiência Interartes na Educação; Artes da Cena; Cinema; Poéticas Digitais e Preservação do Patrimônio Cultural. São aceitos materiais originais de doutores ou doutorandos. A avaliação e é feita pelo sistema duplo cego. A Revista é de livre acesso para autores e leitores e contém um conselho editorial com grande maioria de membros externos à UFMG, incluindo conselheiros internacionais.</p> <p>O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior -Brasil (CAPES) - Código de Financiamento 001</p> https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21548 Editorial 2020-07-20T15:42:34-03:00 Ricardo Figueiredo ricaredo@yahoo.com.br Magali Sehn magmsehn@gmail.com <p>É com satisfação que divulgamos a revista PÓS (v. 10, n. 19, maio 2020) com a seção temática<br>“Sistemas Poéticos Artificiais”, sob a organização e apresentação da Profa. Dra. Marília Bérgamo. A<br>seção temática deste número contempla a linha de pesquisa Poéticas Tecnológicas com os<br>seguintes eixos temáticos: a relação do artista na criação de sistemas poéticos artificiais<br>autônomos; a autonomia computacional nos processos poéticos; a práxis e a poética; e a interrelação<br>entre sistemas poéticos artificiais e seu ambiente. Agradecemos a cada membro do Conselho<br>e do Comitê Editorial, que nos auxilia na tarefa constante de buscar a excelência em torno das<br>complexas abordagens do universo da arte. Agradecemos também aos diversos colaboradores e<br>avaliadores, que, acreditando na seriedade do nosso trabalho, compartilham suas experiências,<br>seus questionamentos e suas pesquisas no tema.<br>Na seção aberta, outras contribuições de relevância nos oferecem reflexões diversas referentes à<br>linha editorial da Revista PÓS.</p> 2020-05-28T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Ricardo Carvalho de Figueiredo, Magali Melleu Sehn https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21540 Da metáfora máquina ao ser-com aparelhos 2020-07-22T13:16:30-03:00 Kenneth Feinstein marilialb.mb@gmail.com <p>Este artigo analisa como desenvolvemos dispositivos para criar e transmitir significado. Ele analisa como esses dispositivos foram projetados e usados para apresentar uma visão do mundo para o espectador. Também observa quais são as tendências dentro do funcionamento dos dispositivos de mídia e como isso muda a forma como percebemos a informação e criamos visões do mundo. Além disso, pergunta como a natureza desses dispositivos determina como nos comunicamos através deles e quais são as tensões que eles criam. Por fim, perguntamos o que isso significa para o uso presente e futuro de tal tecnologia em um ambiente experiencial e informativo.</p> 2020-05-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Kenneth Alan Feinstein https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21549 Das coisas nascem coisas sencientes 2020-07-22T13:16:48-03:00 Carlos Gottsfritz suzeteventurelli@gmail.com Suzete Venturelli suzeteventurelli@gmail.com <p>Senciente significa a capacidade dos seres de sentir sensações e sentimentos, assim como, ter percepções conscientes do que os cerca e do que lhes acontece. Capaz de sentir ou perceber através dos sentidos, discute-se as seguintes questões: como por meio da arte e do design nos sentimos mais vivos, despertamos desejos e nos mostramos sencientes? Ou ainda, como o caráter de inerência entre o lado senciente e sensível, vidente e visível do sujeito designer_artista se relaciona com o mundo e suas coisas sencientes? O texto apresenta tendências do campo da arte e do design computacional de pesquisas sobre inteligência artificial, computação quântica e neuromórfica que interessam, no contexto da criatividade, pois envolvem sistemas vivos e maquínicos, numa perspectiva estética das relações que surgem no processo de criações poética.</p> 2020-05-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Carlos Augusto Gottsfritz, Doutorando, Suzete Venturelli, Dra. https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21563 A autonomia em obras dotadas de inteligência artificial 2020-07-22T13:16:55-03:00 Nikoleta Tzvetanova Kerinska nkerinska@hotmail.com <p>Este artigo propõe uma reflexão sintética sobre o conceito de autonomia, desenvolvido a partir de seus fundamentos filosóficos e científicos, e, em seguida examinado na perspéctica da arte. Como objeto de estudo são tomadas duas obras: Oscar de Catherine Ikam e Louis Fléri, e PostPoète de Léopold Dumond. Partimos da constatação de que o uso de inteligência artificial e de tecnologia de ponta em arte produz obras singulares e complexas, consideradas como conquistas dos avanços científicos recentes. Contudo, demostraremos que no plano da cultura, elas dialogam com ideias que perpetuam o imaginário humano desde a antiguidade, e que já inspiraram diversas obras pictóricas e literárias.</p> 2020-05-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Nikoleta Tzvetanova Kerinska https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21572 Identidade híbrida 2020-07-22T13:17:07-03:00 Saifalla Walid Mohamed Awad 14055412@imail.sunway.edu.my Kenneth Alan Feinstein kenf@sunway.edu.my <p>A sociedade atual é constantemente fixada atrás de uma tela. Cada momento de nossas vidas acordadas é carregado e compartilhado online para que o resto do mundo navegue e a maneira como as pessoas nos vêem se tornou muito importante para nós. Nosso senso de identidade foi moldado para focar em como os outros podem pensar em nós, em vez de formar e entender nossa própria identidade. Este estudo vai investigar se nossas auto-identidades mudaram drasticamente devido ao mundo girar em torno da mídia digital. Além disso, se isso está levando ao desenvolvimento de uma nova forma 'híbrida' de identidade, que anda de mãos dadas com a tecnologia.</p> 2020-05-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Kenneth Alan Feinstein, Saifalla Walid Mohamed Awad https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21581 A pesquisa em arte tecnológica 2020-07-28T01:18:12-03:00 Tadeus Mucelli tadeus.mucelli@gmail.com <p>Este artigo procura contribuir com o pensamento focalizado no comportamento da pesquisa e dos pesquisadores no campo das artes tecnológicas nos espaços e lugares de produção de conhecimento, que se ramificam entre o ateliê-estúdio, os laboratórios, a academia, os espaços de exibição e os laboratórios de pesquisa independente, principalmente por meios tecnológicos. Através de uma reflexão crítica, o estudo constrói percepções acerca do papel do artista-pesquisador e das artes por meios tecnológicos na contemporaneidade e seus desafios.</p> 2020-05-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Tadeus Mucelli https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21591 Caderno de imagens 2020-06-01T17:18:54-03:00 Vibeke Sorensen marilialb@yahoo.com <p>Caderno de Imagens sem resumo</p> 2020-05-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Vibeke Sorensen https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21542 Proposta metodológica, princípios teóricos e enfoques para o processo de criação dramatúrgica atorial 2020-07-22T13:17:30-03:00 Elisa Martins Lucas elisa.lucas97@gmail.com <p>O artigo apresenta uma proposta metodológica para o processo de criação dramatúrgica atorial, que é uma fusão de distintas metodologias de prática cênica, tendo como base o trabalho prático de uma atriz/dramaturga, apoiando-se em postulados teóricos da arte de ator/atriz e em procedimentos de criadores(as) contemporâneos(as). Tal proposta, resultado de uma pesquisa cuja metodologia apresentou características de uma pesquisa prática nas artes, pode proporcionar a profissionais e estudantes das Artes Cênicas instrumentalização para dar voz a suas criações e autonomia em seus processos.</p> 2020-05-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Elisa Martins Lucas https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21559 1968, estética e ideologia 2020-07-22T13:17:39-03:00 Gessé Almeida Araújo gessept@hotmail.com <p>O artigo reflete acerca dos eventos históricos, estéticos e políticos em torno do espetáculo-manifesto <em>I Feira Paulista de Opinião</em> promovida pelo Teatro de Arena de São Paulo em junho de 1968, em parceria com diversos artistas da cena paulistana. Trata-se de uma das inúmeras tentativas de compreensão dos rumos da classe e da produção teatral brasileiras após a deflagração da ditadura civil-militar brasileira (1964 – 1985). Nesse contexto, o artigo aventa o influente papel tanto do encenador e formulador ideológico diretor da <em>Feira</em>, Augusto Boal, quanto da imprensa da época, na figura do jornal <em>O Estado de São Paulo</em> e o seu controverso papel no suporte ao teatro paulistano dos anos de 1960.</p> 2020-05-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Gessé Almeida Araújo https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21566 Cartografias cênicas 2020-07-22T13:17:48-03:00 Renata Patrícia da Silva renatapatricia@uft.edu.br <p class="POSRESUMO">Este artigo tem como intento discutir o fazer teatral enquanto uma ação atravessada pelos acontecimentos no/do cotidiano escolar. Desta forma, propõe-se discutir a escola compreendendo-a como instituição disciplinar e os desdobramentos disso no/do cotidiano de seus praticantes. Para fomentar a discussão acerca do teatro enquanto ação, apresenta-se o relato de uma prática pedagógica em uma Escola Municipal da Rede Pública, localizada em São Salvador do Tocantins (TO). Portanto, pretende-se ampliar as discussões em torno do fazer teatral na escola e compreender que o teatro se insere nesse contexto, como uma ação a fim de provocar rupturas, contribuindo para as táticas que ocorrem nesse lugar.</p> 2020-05-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Renata Patrícia Silva https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21576 Testemunhos da violência na obra do Mapa Teatro, Colômbia 2020-07-22T13:18:00-03:00 Clara Barzaghi Laurentiis clarinhalaurentiis@gmail.com Peter Pal Pelbart pppelbart@gmail.com <p>O laboratório de artistas Mapa Teatro, ao optar por fazer uma <em>Anatomia da violência na Colômbia</em>, abandona a univocidade de documentos históricos, para combiná-los com verdades inventadas ou mentiras sinceras e criar etnoficções, suscitando perspectivas que não correspondem à narrativa dominante da História. Apresento uma aproximação em relação a algumas obras do grupo para criar perspectivas críticas em relação à grade de codificação e descodificação do que se costuma entender como violência e suas implicações subjetivas, bem como de suas manifestações macropolíticas.</p> 2020-05-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21586 Iniciativa privada 2020-07-28T01:22:32-03:00 Luana Andrade lucianaborre@yahoo.com.br Luciana Nunes lucianaborre@yahoo.com.br <p><em>Iniciativa Privada</em> foi uma ação artística proposta no corredor de acesso aos banheiros do Centro de Artes e Comunicação/UFPE, em junho de 2018, durante a exposição coletiva “Tramações”. A ação consistia em tornar públicas as&nbsp;imagens produzidas dentro dos banheiros por meio de transparências e de uma instalação de retroprojetores. A retroprojeção aconteceu sob a administração do público. Lanço um olhar sobre os discursos produzidos em um espaço juridicamente “protegido” das câmeras de vigilância e questiono: quais as tensões geradas na publicização de imagens fabricadas no interior de um espaço de privacidade? De que maneira revelam formas de vida desviantes?</p> 2020-05-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Luana Andrade, Luciana Borre https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21598 Um experimento à luz da ambivalência 2020-07-22T13:18:08-03:00 Diego Pereira Rezende diegoperezende@gmail.com <p>A edificação de um “experimento mental” habilita a possibilidade de pensarmos o “protótipo da fotografia quântica” como um artefato detentor de um mecanismo autônomo de formação da “imagem surrealista”. Para isso, em um primeiro momento, analisaremos a “ambivalência” como conceito transdisciplinar e fundamento do nosso trabalho. Em um segundo momento, investigaremos a noção de “imagem surrealista” arquitetada por André Breton e René Magritte. E, em um terceiro momento, abordaremos o funcionamento do “protótipo da fotografia quântica”, publicado na revista Nature, em 2014, desenvolvido por cientistas da Academia Austríaca de Ciências.</p> 2020-05-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Diego Pereira Rezende https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21604 Ponto de escuta e tridimensionalidade sonora na ficção e no documentário 2020-07-22T13:18:18-03:00 Leonardo Álvares Vidigal leovidigal67@gmail.com Marina de Morais Novais marinamfm@gmail.com <p>Este artigo tem como objetivo refletir sobre a tridimensionalidade sonora proporcionada pelos atuais sistemas de exibição e mixagem de som no cinema ficcional e documental. Para tal, a discussão propõe também o estudo de filmes como Nos vemos no paraíso (2017), Bethany Hamilton: Sem Limites (2018), dentre outros, com o intuito de compreender como o som se relaciona com os conceitos de ponto de escuta subjetivo e espacial (CHION, 2008), de que forma se dá a tridimensionalidade sonora da obra na sala de exibição e algumas das possibilidades teóricas e estéticas abertas por este desenvolvimento técnico.</p> 2020-05-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Leonardo Alvares Vidigal, Marina de Morais Novais https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/21610 Textualidades têxteis e novas-velhas concepções de memória na Arte Latino-americana 2020-07-22T13:15:13-03:00 Natália Rezende Oliveira natalia.rzd@gmail.com <p>Neste artigo, pretendo apresentar algumas das aproximações linguísticas, históricas e metafóricas entre os meios têxteis e a criação de narrativas, aproximações estas que serão apropriadas e ressignificadas por artistas mulheres situadas na América Latina enquanto estratégias de rememoração e reinvenção de suas próprias histórias. A partir de conceitos como a textualidade têxtil em José Sánchez-Parga, interculturalidade em Silvia Rivera Cusicanqui e tensionamentos da arte nas concepções indígenas e ocidentais, proponho uma discussão acerca da porosidade e do movimento enquanto potências textuais do tecido tal como se apresenta na arte contemporânea.</p> 2020-05-27T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Natália Rezende Oliveira