Ação, Atuação e Formação Profissional

Uma Revisão sobre Animação Sociocultural na Educação Física

  • Paulo Sérgio de Lima Universidade Estadual Paulista (UNESP)
  • Jaqueline Costa Castilho Moreira Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Palavras-chave: Animação, Educação Física e Treinamento, Capacitação Profissional

Resumo

Este trabalho visa apresentar a “animação sociocultural” como aprimoramento da formação do profissional de Educação Física. Assim, este estudo de natureza qualitativa tem por objetivo aprofundar teoricamente sua concepção, com a finalidade de ampliar o leque de possibilidades de ação e atuação no mercado de trabalho para profissionais de Educação Física no Brasil. A metodologia utilizada foi uma revisão de literatura a partir da base de dados Parthenon/UNESP. Os resultados apontam diferentes perspectivas sobre a “animação sociocultural”, como a polissemia de conceitos existentes no Brasil, as ações pontuais, a atuação voltada à transformação social, o perfil profissional, a formação e o mercado de trabalho. Como considerações finais esta formação profissional desenvolve sujeitos transformadores, capazes de significar e/ou ressignificar a realidade e, desse modo, permitir o desenvolvimento do ser humano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA, F. Tempo livre, Tempo de Anima. In: Américo Nunes Peres, LOPES, M.S. (coord.). Animação, Cidadania e Participação. Editor: Associação Portuguesa de Animação e Pedagogia (APAP), 2006.

CAMPBELL, R.J. Dicionário de Psiquiatria. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

CAMPOS, J. Formação em animação sociocultural: contributos de projectos de investigação e intervenção em animação socioeducativa. Presidente Prudente: Nuances, v. 18, n. 19, p. 81-105, 2011. Disponível em: https://dx.doi.org/10.14572/nuances.v18i19.349. Acesso em: 15 dez. 2016.

______.; COSTA, S. Animação de recreios: projeto de intervenção em contexto escolar. Revista Interacções n. 29, p. 95-119, 2014. Disponível em:http://revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/view/3923. Acesso em: 15 dez. 2016.

CAVALLARI, V. R.; ZACHARIAS, V. Trabalhando com recreação. 9. ed. São Paulo: Ícone, 2007.

CONCEIÇÃO, W.L.; ONOFRE, E.M.C. Adolescentes em privação de liberdade: as práticas de lazer e seus processos educativos. Colômbia: Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, v. 11, n. 2, p. 573-585, 2013. Disponível em: https://revistaumanizales.cinde.org.co/index.php/RevistaLatinoamericana/article/view/936/443 . Acesso em: 15 dez. 2016.

CONSELHO Nacional de Educação Física. Estatuto do Conselho Nacional de Educação Física (CONFEF). 2010. Disponível em: https://www.confef.org.br/extra/conteudo/default.asp?id=471. Acesso em: 20 jan. 2017.

CONSELHO Regional de Psicologia da 6ª Região. Cidadania ativa na prática: contribuições da Psicologia e da Animação sociocultural / Conselho Regional de Psicologia da 6ª Região – São Paulo: CRP 06, 2007. Disponível em: https://crpsp.org/fotos/pdf-2015-11-05-16-05-58.pdf. Acesso de 17 out. 2018.

CORREIA, A.R.L. A animação sociocultural e o trabalho com idosos: uma experiência num centro de dia. 2013. 92 f. Tese (Mestrado) - Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Porto, 2013. Disponível em: https://hdl.handle.net/10216/71269. Acesso em: 15 dez. 2016.

COSTA, T.L.G.L. A utilização de estratégias e metodologias da animação e da mediação sociocultural na reeducação e reintegração social de menores: o caso do centro de formação integral de Kalakala, 2013. Disponível em: https://hdl.handle.net/10216/72211. Acesso em: 15 dez. 2016.

DUMAZEDIER, J. Lazer e cultura popular. São Paulo: Perspectiva, 1974.

______. Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva. 1979.

FOLHA DA TARDE – FT. Dicionário Completo da Língua Portuguesa. 3. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1994, 1072 p.

GARCIA, E.B. Os Militantes Culturais. In: MARCELLINO, N.C. (Org.) Lazer: formação e atualização profissional. Campinas: Papírus, 1995. p. 23-53.

GREEB, M.N. Semeando uma política de grupos. In: CONSELHO Regional de Psicologia da 6ª Região. Cidadania ativa na prática: contribuições da Psicologia e da Animação sociocultural / Conselho Regional de Psicologia da 6ª Região – São Paulo: CRP 06, 2007. p.19-20. Disponível em: https://crpsp.org/fotos/pdf-2015-11-05-16-05-58.pdf. Acesso de 17 out. 2018.

HOUAISS, online, 2001. Disponível em: http://houaiss.uol.com.br/pub/apps/www/v3-0/html/index.htm#6. Acesso em: 10 jan. 2017.

JACOB, L. Animação de Idosos. Cadernos Socialgest. n. 4. 2007.

LARRAZÁBAL, M.S. A Figura e a Formação do Animador Sociocultural. In: TRILLA, J. Animação Sociocultural: Teorias, Programas e Âmbitos. Lisboa: Instituto Piaget. 2004. p. 123-134.

LEMAIRE, E.; POITRAS, J. La construction des rapports sociaux comme l'un des objectifs des dispositifs de médiation. Esprit critique: Revue internationale de sociologie et de sciences sociales. 2004. n. 06, n. 03. Disponível em: https://espritcritique.uiz.ac.ma/0603/esp0603article02.html. Acesso em: 06 fev. 2017.

LEMOS, E.M.B.C.; DANTAS, E.R.; CHAO, C.H.N. (Org.). De portas abertas para o lazer: a cultura lúdica nas comunidades de bairro. Campina Grande: Editora da Universidade Estadual da Paraíba (EDUEPB), 2009. 184 p. Disponível em: https://static.scielo.org/scielobooks/ggfcb/pdf/lemos-9788578791223.pdf. Acesso em: 15 dez. 2016.

LOPES, M.S. Animação Sociocultural em Portugal. Amarante: Ed. Intervenção. 2008.

MACHADO, C.D.G. Museus e seus vizinhos: redesenhando limites citadinos. 2011. 221 f. Tese (Mestrado) - Departamento de Ciências e Técnicas do Património, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, 2011. Disponível em: https://hdl.handle.net/10216/57424. Acesso em: 15 dez. 2016.

MARCELLINO, N.C. Pedagogia da Animação. Campinas: Papirus, 1989.

______. Estudos do lazer: uma introdução. Campinas: Autores Associados, 1996.

______. (Org.) Repertório de atividades de recreação e lazer: para hotéis, acampamentos, clubes, prefeituras e outros. Campinas: Papirus, 2002. 208 p.

MARCELLINO, N.C. A teoria sociológica da decisão e a ação comunitária como estratégias de planejamento de ação. In: MARCELLINO, N. C.; ZINGONI, P.; PINTO, L.M.S.M. (Org.). Como fazer projetos de lazer: Elaboração, execução e avaliação. Campinas: Papirus, 2007. p. 83-170.

MELO, V.A. Animação cultural. In: GOMES, C.L. (Org.) Dicionário crítico do lazer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p.12-14.

______. Animação cultural: um ponto de vista desde o Brasil, um ponto de vista desde a América Latina. Revista Iberoamericana vol.1, n.1, out. 2006a/fev. 2007. Disponível em: https://www.lazer.eefd.ufrj.br/animadorsociocultural/pdf/ac101.pdf. Acesso em: 09 jan. 2017.

______. A animação cultural: conceitos e propostas. Campinas: Papirus, 2006b, 144 p.

OLIVEIRA, N.S.; DANTAS, E.R. A cultura lúdica enquanto estratégia de sobrevivência e resistência no bairro de Bodocongó. In: LEMOS, E.M.B.C.; DANTAS, E.R.; CHAO, C.H.N. (Org.). De portas abertas para o lazer: a cultura lúdica nas comunidades de bairro. Campina Grande: Editora da Universidade Estadual da Paraíba (EDUEPB), 2009. p. 19-44. Disponível em: https://static.scielo.org/scielobooks/ggfcb/pdf/lemos-9788578791223.pdf. Acesso em: 15 dez. 2016.

PINTO, L.M.S.M. Estado e sociedade na construção de inovações nas políticas sociais de lazer no Brasil. In: MARCELLINO, N.C. (Org.). Políticas públicas de lazer. Campinas: Alínea, 2008. p.43-78.

______.; ZINGONI, P. Centros de referência regionalizados de esporte e lazer; um passo a mais para a sua concretização. In: ENAREL, 9, 1997, Belo Horizonte. Anais. Belo Horizonte: PBH/UFMG/SESI-DN, 1997. p. 746-754.

REQUIXA, R. Lazer e ação comunitária. São Paulo: SESC, 1973.

RODRIGO, F.I.B. Viver mais: a animação sóciocultural como estratégia de dinamização de um centro de dia. 2013. 117 f. Tese (Mestrado) - Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Porto, 2013. Disponível em: https://hdl.handle.net/10216/69077. Acesso em: 15 dez. 2016.

SANTOS, S.R.A. Lugares emergentes da animação sociocultural: experiências e produções socioeducativas, situadas na tensão entre exclusão social e igualdades como condição. 2009. 249 f. Tese (Mestrado) - Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Porto, 2009. Disponível em: https://hdl.handle.net/10216/53138. Acesso em: 15 dez. 2016.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas. Educação Física: Legislação básica. (Federal e Estadual). São Paulo, 1985. 702 p.

SESC, Serviço Social do Comércio. Processo seletivo para o cargo de animador cultural. 2013. Disponível em: http://documento.vulnesp.com.br/documento/stream/NDQw. Acesso em: 27 set. 2017.

______. Descritivo do processo seletivo para o cargo de animador cultural. 2016. Disponível em: http://internet.sescsp.org.br/sesc/recsel_docs/arquivos/201609/Descritivo_Selecao__ANIMADOR_CULTURAL.pdf. Acesso em: 27 set. 2017.

______. Estrutura remuneratória. 2018. Disponível em: https://transparencia.sesc.com.br/wps/wcm/connect/3320de79-4f32-4c19-b6a2-14cc79ab36d6/EstruturaRemunerat%C3%B3ria_082018.pdf?MOD=AJPERES&CACHEID=3320de79-4f32-4c19-b6a2-14cc79ab36d6. Acesso em 17 out. 2018.

SILVA, E.A.P.C. et al. Percepção da qualidade do ambiente e vivências em espaços públicos de lazer. Porto Alegre: Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 38, n. 3, p. 251–258, 2016. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0101328916000329. Acesso em: 15 dez 2016.

SILVA, J.V.P.; MENDONÇA, T.C.F. Grupos de pesquisas e enfoque dado ao lazer das pessoas com deficiência na produção científica no brasil. Belo Horizonte: Licere. v.17, n.3, p. 66-98, 2014. Disponível em: http://seer.ufmg.br/index.php/licere/article/download/738/593. Acesso em: 16 jan. 2017.

SCHWARTZ, G.M. O conteúdo virtual do lazer: Contemporizando Dumazedier. Belo Horizonte: Licere. v. 6, n. 2, p 23-31, 2003. Disponível em: http://seer.ufmg.br/index.php/licere/article/view/4133/3025. Acesso em: 20 jan. 2017.

______. (Org.) Dinâmica Lúdica: novos olhares. Bauru: Manole, 2004. 217 p.

______., MOREIRA, J. C. C. O ambiente virtual e o lazer. In: MARCELLINO, N. C. (Org.). Lazer e cultura. Campinas: Alínea, 2007. p. 149-170.

STAREPRAVO, F.A. Políticas públicas de esporte e lazer no Brasil: aproximações, intersecções, rupturas e distanciamentos entre os subcampos político/burocrático e científico/ acadêmico. 2011. 422 f. Tese (doutorado) - Departamento de Educação Física, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/26132/POLITICAS%20PUBLICAS%20DE%20ESPORTE%20E%20LAZER%20NO%20BRASIL.pdf?sequence=1. Acesso em: 16 jan. 2017.

STOPPA, E.A.; MARCELLINO, N.C.; SILVA, D.A.M. Políticas públicas de lazer e a metodologia da ação comunitária. Rio Claro: Motriz, v. 17, n. 3, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/motriz/v17n3/18.pdf. Acesso em: 15 dez. 2016.

TEIXEIRA, M. S.; MAZZEI, J. Coleção C.E.R.: Cultura, Educação, Educação Física, Esportes e Recreação. v. 1, 2 ed. Editora Fulgor. 1967. 350 p.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K. Métodos de pesquisa em atividade física. 3. ed. Porto Alegre: ARTMED, 2002.

TORREMORELL, M. C. Cultura de Mediação e Mudança Social: descrição do processo mediador. Porto: Porto Editora. 2008.

TRILLA, J. Animação Sociocultural: Teorias, programas e âmbitos. Lisboa: Instituto Piaget. 2004.

VENTOSA, V.J. A animação sociocultural (asc) como metodologia da participação social. In CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 6ª REGIÃO (Org.). Cidadania ativa na prática: contribuições da Psicologia e da animação sociocultural. 5. ed. São Paulo: CRP 06, 2007, p. 34-38. Disponível em: https://www.crpsp.org/fotos/pdf-2015-11-05-16-05-58.pdf. Acesso em: 15 dez. 2016.

WANDERLEY, M.B. Conceitos de animação sociocultural. In: CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DA 6ª REGIÃO (Org.). Cidadania ativa na prática: contribuições da Psicologia e da animação sociocultural. 5. ed. São Paulo: CRP 06, 2007, p. 21-23. Disponível em: https://www.crpsp.org/fotos/pdf-2015-11-05-16-05-58.pdf. Acesso em: 15 dez. 2016.

Publicado
2019-03-30
Como Citar
Lima, P. S. de, & Moreira, J. C. C. (2019). Ação, Atuação e Formação Profissional. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 22(1), 381-420. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.12326
Seção
Artigos de Revisão