Atividade Física de Lazer em Idosos com Diabetes Tipo 2

Estudo de Base Populacional

  • Allison Padilha de Lima Faculdade IELUSC
  • Fabrício Bruno Cardoso Faculdade CENSUPEG
Palavras-chave: Atividades de Lazer, Atividade Motora, Doença Crônica, Envelhecimento da População

Resumo

Este estudo teve por objetivo verificar os fatores associados à prática de atividade física de lazer em idosos com diabetes tipo 2. Realizou-se um estudo transversal de base populacional, com 204 idosos com diabetes tipo 2, cadastrados em 4 unidades da saúde da família de Passo Fundo, Rio Grande do Sul. Utilizou-se questionários as variáveis sociodemográficas e de saúde, e o nível de atividade física o questionário internacional de atividade física IPAQ. Foram realizadas análises brutas e multivariadas por regressão de Poisson, com intervalos de confiança de 95% a um p≤0.050. Após análise ajustada para a prática de atividade física de lazer se manterão associadas significativamente as variáveis: faixa etária de 60 a 69 anos (RP: 1,96; IC95%: 1,06-3,62), não ter apresentador dor (RP: 7,20; IC95%: 3,42-15,16) e não ter sofrido quedas nos últimos 6 meses (RP: 1,88; IC95%: 1,01-3,52).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE, ACSM. Exercise and physical activity for older adults. Medicine & Science in Sports & Exercise, Madison, v. 41, n. 7, p. 1510–1530, 2009.

BENEDETTI, T. B.; MAZO, G. Z.; BARROS, M. V. G. Aplicação do questionário internacional de atividades físicas para avaliação do nível de atividades físicas de mulheres idosas: validade concorrente e reprodutibilidade teste-reteste. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 12, n. 1, p. 25-34, 2004.

BENEDETTI, T. R. B. et al. Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) em homens idosos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 11-16, 2007.

BRASIL, Ministério do esporte. Diesporte: Diagnóstico Nacional do Esporte. Caderno 2, Brasília, Ministério do esporte, 2016.

COELHO, M. A. G. M. et al. Perfil de idosos do município de Itaúna/MG e influência da atividade física na dor crônica e na capacidade funcional. Fisioterapia Brasil, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 94-99, 2011.

COSTA, F. S. et al. Idosos e exercícios físicos: motivações e contribuições para saúde e o lazer. Licere, Belo Horizonte, v. 20, n. 4, p. 212-237, 2017.

DATASUS - departamento de informática do sistema único de saúde. Estimativas de 2000 a 2012 utilizadas na publicação "saúde no brasil - 2012, segundo faixa etária e sexo”. Ministério da saúde, 2012. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?popestim/cnv/poprs.def . Acesso em: 18 mar. 2015.

FERNANDES-NAVARRO, P.; ARAGONES, M. T.; LEY, V. Leisure-time physical activity and prevalence of non-communicable pathologies and prescription medication in Spain. PLoS ONE, San Francisco, v. 13, n. 1, p. 1-13, 2018.

HIGGERSON, J. et al. Impact of free access to leisure facilities and community outreach on inequalities in physical activity: a quasi-experimental study. Journal of Epidemiology and Community Health, Londres, v. 0, p. 1-7, 2018.

HILL, K. D. et al. What works in falls prevention in Asia: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. BMC Geriatrics, Londres, v. 18, n. 3, p. 1-21, 2018.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saúde 2013: percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas. Ministério da saúde, Rio de Janeiro: Ministério do planejamento, orçamento e gestão, 2014.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência de 1 de julho de 2015. Rio de Janeiro, IBGE: 2015. ftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2015/estimativa_2015_TCU.pdf . Acesso em: 15 dez. 2015.

INTERNATIONAL DIABETES FEDERATION. IDF diabetes atlas. 7. ed. International Diabetes Federation, 2015.

LAO, X. Q. et al. Increased leisure-time physical activity associated with lower onset of diabetes in 44 828 adults with impaired fasting glucose: a population-based prospective cohort study. British Journal of Sports Medicine, Londres, v. 0, p. 1-6, 2018.

LIMA, A. P. et al. Fatores associados à atividade física em idosos de Estação, Rio Grande do Sul: estudo de base populacional. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, Pelotas, v. 20, n. 6, p. 618-620, 2015.

LIMA, A. P.; CARDOSO, F. B. O Efeito de um Programa de Exercícios Físicos sobre a Capacidade Funcional da Marcha Hemiparética de Indivíduos com Acidente Vascular Cerebral. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, João Pessoa, v. 18, n. 3, p. 203-208, 2014.

LIMA, A. P.; CARDOSO, F. B. Avaliação da eficácia de um programa ludomotor de exercícios físicos na melhora da capacidade funcional de idosos. Estudos Interdisplinares sobre o envelhecimento, Porto Alegre, v. 18, n. 2, p. 429-440, 2013.

LIMA, A. P. et al. Alterações fisiológicas advindas da prática da atividade física no processo de envelhecimento para a melhoria da qualidade de vida. Lecturas Educación Física y Deportes, Buenos Aires, v. 15, n. 153, p. 1-1, 2011.

LIMA, A. P.; DELGADO, E. I. A melhor idade do Brasil: aspectos biopsicossociais decorrentes do processo de envelhecimento. Ulbra e Movimento – Revista de Educação Física. Ji- Paraná, v.1 n.2, p. 76-91, 2010.

OLIVEIRA, F. A. et al. Benefícios da prática de atividade física sistematizada no lazer de idosos: algumas considerações. Licere, Belo Horizonte, v. 18, n. 2, p. 262-304, 2015.

PMPF, Prefeitura Municipal de Passo Fundo, Secretária de Saúde. Plano Municipal de Saúde: 2014-2017. Passo Fundo/RS: 2014.

SANTOS, P. M. Lazer e grupos de convivência para idosos: um estudo sobre a participação de homens em Florianópolis (SC). Licere, Belo Horizonte, v. 18, n. 3, p. 355-356, 2015a.

SANTOS, F. A. A. et al. Prevalência de dor crônica e sua associação com a situação sociodemográfica e atividade física no lazer em idosos de Florianópolis, Santa Catarina: estudo de base populacional. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 234-247, 2015b.

SANTOS, R. K. M. Prevalência e fatores associados ao risco de quedas em idosos adscritos a uma Unidade Básica de Saúde do município de Natal, RN, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 12, p. 3753-3762, 2015c.

SMITH, A. D. et al. Physical activity and incident type 2 diabetes mellitus: a systematic review and dose-response meta-analysis of prospective cohort studies. Diabetologia, Berlin, v. 59, n. 12, p. 2527-2545, 2016.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2014-2015. Organização José Egidio Paulo de Oliveira, Sergio Vencio. São Paulo: AC Farmacêutica, 2015.

UNITED NATIONS. World Population Prospects: The 2017 Revision, Key Findings and Advance Tables. Department of Economic and Social Affairs, Population Division. Working Paper No. ESA/P/WP/248, 2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION, WHO. World report on ageing and health. (NLM classification: WT 104). Geneva: WHO Library, 2015.

ZAITUNE, M. P. A. et al. Fatores associados ao sedentarismo no lazer em idosos, Campinas, São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 6, p. 1329-1338, 2007.

Publicado
2019-06-20
Seção
Artigos Originais