O Trabalho do Clown Voluntário

Uma Investigação sobre Intervenções Lúdicas por Meio da Arte em um Hospital Filantrópico de Florianópolis (SC)

  • Catherine Elias Batista Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)
  • Verônica Werle Universidade Federal do Paraná (UFPR)
  • Priscila Mari dos Santos Correia Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
  • Alcyane Marinho Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)
Palavras-chave: Arte, Clown, Humanização, Lúdico, Voluntários

Resumo

Esta pesquisa, descritivo-exploratória, com abordagem qualitativa dos dados, objetivou descrever e refletir sobre a organização e o desenvolvimento das intervenções realizadas por cinco clowns voluntários, com pacientes idosos em um hospital filantrópico as percepções destes voluntários sobre suas intervenções. Foram realizadas seis observações com auxílio de uma matriz de observação sistemática e aplicadas entrevistas semiestruturadas com dois clowns. Os dados foram tratados por meio de elementos da técnica de análise de conteúdo. Evidenciou-se que a conversa, a música e o teatro constituem-se instrumentos potencializadores das manifestações lúdicas e artísticas utilizados pelo grupo; a relação dos voluntários com conteúdos artísticos e lúdicos durante a infância foi fundamental no processo da construção do ser clown e na atuação no contexto hospitalar; a autonomia no grupo e no hospital é fundamental para trabalhar a especificidade de cada clown.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, R. A gestação do futuro. Campinas: Papirus, 1986. 199 p.

AMESTOY, S. C.; SCHWARTZ, E.; THOFEHRN, M. B. A humanização do trabalho para os profissionais de enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 19, n. 4, oct./dec. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002006000400013 . Acesso em: 23 jun. 2017.

ANGELI, A. A. C.; LUVIZARO, N. A.; GALHEIGO, S. M. O cotidiano, o lúdico e as redes relacionais: a artesania do cuidar em terapia ocupacional no hospital. Interface, Botucatu, v. 16, n. 40, p. 261-271, jan./mar. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832012000100020&lng=en&nrm=iso&tlng=pt . Acesso em: 23 jun. 2017.

BARBOSA, I. A; SILVA, M. J. P. Cuidado humanizado de enfermagem: o agir com respeito em um hospital universitário. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 60, n. 5, p. 546-551, set/out. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v60n5/v60n5a12.pdf>. Acesso em: 23 jun. 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011. 229 p.

BATISTA, C. E. et al. O lúdico e a reabilitação em instituições públicas e privadas de Florianópolis (SC). In: SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 26, 2016, Florianópolis. Anais… Florianópolis: UDESC, 2016. s/p.

BERTINI, M. et al. Clowns benefit children hospitalized for respiratory pathologies. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, v. 2011, p. 1-9, jun. 2011. Disponível em: http://www.hindawi.com/journals/ecam/2011/879125/ . Acesso em: 23 jun. 2017.

BYTHEWAY, B. Unmasking age: the significance of age in social research. Bristol: Polity, 2011. 256 p.

CARVALHO, D.; SANTANA, J.; SANTANA, V. Humanização e controle social: o psicólogo como ouvidor hospitalar. Psicologia:Ciência & Profissão, Brasília, v. 29, n. 1, p. 172-183, mar. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pcp/v29n1/v29n1a14.pdf . Acesso em: 23 jun. 2017.

CASATE, J. C.; CORRÊA, A. K. Humanização do atendimento em saúde: conhecimento veiculado na literatura brasileira de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 13, n. 1, p. 105-111, jan./fev. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692005000100017 . Acesso em: 23 jun. 2017.

DALBOSCO, S. N. P. O idoso hospitalizado: perspectivas do próprio sujeito a respeito de si mesmo, dos familiares e dos profissionais cuidadores. 2009. 143 f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

DANTAS, F. R. A. et al. A contribuição do lazer no processo de hospitalização: um estudo de caso sobre os benefícios do projeto risoterapia. Licere, Belo Horizonte, v. 17, n. 2, p. 53-85, jun. 2014. Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/licere/article/viewFile/578/467 . Acesso em: 23 jun. 2017.

DESLANDES, S.F.; MITRE, R. M. A. Processo comunicativo e humanização em saúde. Interface, Botucatu, v. 13, p. 641-649, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832009000500015&lng=en&nrm=iso&tlng=pt . Acesso em: 23 jun. 2017.

DIONIGI, A.; SANGIORGI, D.; FLANGINI, R. Clown intervention to reduce preoperative anxiety in children and parents: a randomized controlled trial. Journal of Health Psychology, London, v. 19, n. 3, p. 369-380, mar. 2014. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/1359105312471567 . Acesso em: 23 jun. 2017.

DOUTORES DA ALEGRIA. Conheça. Sobre os doutores. 25 anos de atuação no Brasil. 2017. Disponível em: https://www.doutoresdaalegria.org.br/conheca/sobre-os-doutores . Acesso em: 23 jun. 2017.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 175 p.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008. 256 p.

ISAYAMA, H. F. et al. O lazer na humanização hospitalar: diálogos possíveis. Licere, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 1-26, jun. 2011. Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/licere/article/view/503/395 . Acesso em: 23 jun. 2017.

KINGSNORTH, S.; BLAIN, S.; MCKEEVER, P. Physiological and emotional responses of disabled children to therapeutic clowns: a pilot study. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, v. 2011, p. 1-10, mar. 2011. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3137396/ . Acesso em: 23 jun. 2017.

MANFROI, M. N.; VISCARDI, A. A. F.; LECUONA, D. S.; BATAGLION, G. A.; WERLE, V.; FIGUEIREDO, J. P.; MARINHO, A. Singing group: the playful present in health promotion. In: Anju Beniwal; Rashmi Jain; Karl Spracklen. (Org.). Global leisure and the struggle for a better world. Cham, Switzerland: Palgrave Macmillan, 2018, v. 1, p. 49-74.

MELO, V. A. Educação estética e animação cultural: reflexões. Licere, Belo Horizonte, v. 5, n. 1, p. 101-113, abr. 2002. Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/licere/article/view/4035/2917 . Acesso em: 23 jun. 2017.

MENDES, M. I. B. de S. et al. Reflexões sobre corpo, saúde e doença em Merleau-Ponty: implicações para práticas inclusivas. Movimento. Porto Alegre, v. 20, n. 4, p. 1587-1609, out/dez. 2014. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/42958/32493 . Acesso em: 01 out. 2018.

MIRANDA, A. C. M.; LARA, L. M. Clown e educação física: a brincadeira é seria. Movimento, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 181-192, jan/mar. 2015. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/46519/33340 . Acesso em: 23 jun. 2017.

MONTI, F. et al.Parental anxiety and stress before pediatric anesthesia: a pilot study on the effectiveness of preoperative clown intervention. Journal of Health Psychology, London, v. 19, n. 5, p. 587-601, maio 2014. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/1359105313475900 . Acesso em: 23 jun. 2017.

MORAIS, G. S. N. O brincar na construção de um cuidado integral à criança hospitalizada. In: CONGRESSO BRASILEIRO DOS CONSELHOS DE ENFERMAGEM, 12, 1999, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, 1999.

MOTTA, A. B.; ENUMO, S. R. F. Intervenção psicológica lúdica para o enfrentamento da hospitalização para crianças com câncer. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 26, n. 3, p. 445-54, jul/set. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722010000300007 . Acesso em: 23 jun. 2017.

MUSSA, C.; MALERBI, F. E. K. O efeito do palhaço no estado emocional e nas queixas de dor de adultos hospitalizados. Psicologia Revista, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 77-97, jan./jun. 2012. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/psicorevista/article/view/13584/10091 . Acesso em: 23 jun. 2017.

NOGUEIRA-MARTINS, M. C. F.; BERSUSA, A. A. S.; SIQUEIRA, S. R. Humanização e voluntariado: estudo qualitativo em hospitais públicos. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 44, n. 5, p. 942-949, out. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102010000500020 . Acesso em: 23 jun. 2017.

OLIVEIRA, R. R.; OLIVEIRA, I. C. S. Os doutores da alegria na unidade de internação pediátrica: experiências da equipe de enfermagem. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 230-236, jun. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452008000200005 . Acesso em: 23 jun. 2017.

ROMERA, L. A. Lúdico, educação e humanização: uma experiência de trabalho. In: MARCELLINO, N. C. (Org.). Lúdico, educação e educação física. Rio Grande do Sul: Unijuí, 2003. p. 73-84.

SAMPAIO, D. C.; HATEM, F. A relação entre efeitos de rede e ciclos de feedback: aplicação prática em uma rede de apostadores. 2013. 90 f. Monografia (Graduação) – Curso de Engenharia de Produção da Escola Politécnica, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

SANTIN, S. Educação Física: da alegria do lúdico à opressão de rendimento. 3. ed. Porto Alegre: Est Edições, 2001. 136 p.

SEVERINO, A. J. M. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 1992. 195 p.

SOUZA, L. A. P.; MENDES, V. L. F. O conceito de humanização na Política Nacional de Humanização (PNH). Interface: Comunicação, Saúde e Educação, Botucatu, v. 13, n. 1, p. 681-688, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832009000500018. Acesso em: 23 jun. 2017.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K. Métodos de pesquisa em atividade física. 6 ed. Porto Alegre: Artmed, 2011. 478 p.

VAGNOLI, L. et al. Clown doctors as a treatment for preoperative anxiety in children: a randomized, prospective study. Pediatrics, v. 116, n. 4, p. 563-567, out. 2005. Disponível em: http://pediatrics.aappublications.org/content/116/4/e563. Acesso em: 23 jun. 2017.

WERLE, V. et al. Possibilidades lúdicas e humanizadas no contexto de atuação da Educação Física no Sistema Único de Saúde (SUS). Journal of Physical Education. Maringá, v. 29, n. 1, p.1-11, 2018. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/40477/751375138356 . Acesso em: 02 out. 2018.

WOLYNIEZ, I. et al. The effect of a medical clown on pain during intravenous access in the pediatric emergency department: a randomized prospective pilot study. Clinical Pediatrics, New Orleans, v. 52, n. 12, p. 1168-1172, dez. 2013. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0009922813502257 . Acesso em: 23 jun. 2017.

WUO, A. E. O clown visitador no tratamento de crianças hospitalizadas. 1999. 208 f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.

ZOMBINI, E. V. et al. Classe hospitalar: a articulação da saúde e educação como expressão da política de humanização do SUS. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 71-86, mar./jun. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462012000100005 Acesso em: 23 jun. 2017.

Publicado
2019-06-22
Seção
Artigos Originais