Brinquedos e Jogos Tradicionais da Trifronteira

  • Cícera Andréia de Souza Instituto Federal do Paraná (IFPR) – Campus Avançado Barracão
  • Bianca Teles de Moura Instituto Federal do Paraná (IFPR) – Campus Avançado Barracão
  • Luciano Gulart de Lima Instituto Federal do Paraná (IFPR) – Campus Avançado Barracão
  • Danieli Maehler Nejeliski Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFRS) – Campus Pelotas
Palavras-chave: Brinquedos Tradicionais, Jogos Tradicionais, Trifronteira

Resumo

O presente estudo tem como objetivo apresentar os resultados de uma investigação acerca dos brinquedos e jogos tradicionais da Trifronteira (Dionísio Cerqueira-SC, Barracão-PR e Bernardo de Irigoyen-AR) no período da fundação das três cidades, entre os anos 1950 e 1960. A pesquisa foi desenvolvida através de entrevistas semiestruturadas realizadas com 33 pessoas (10 do sexo masculino e 23 do sexo feminino) com idade igual ou superior a 55 anos, que viveram a infância no referido período e local. Como resultado, os brinquedos mais citados foram a boneca de pano e o carrinho de descida. Com relação à produção, constatou-se que 86% dos brinquedos eram produzidos artesanalmente com as ferramentas disponíveis e com resíduos das atividades realizadas nos espaços de trabalho em casa. Com relação aos jogos, destacaram-se a peteca, esconde-esconde e caçador, muito praticados no turno inverso a escola, ao ar livre.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARIÉS, P. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Obras escolhidas. São Paulo: Brasiliense, 1985.

CASCUDO, C. Literatura oral no Brasil. 3. ed. São Paulo: Itatiaia, 1984.

ELKONIN, D. B. Psicologia do jogo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

FERRARI, M. Conflitos e Povoamentos na Zona de Fronteira Internacional Brasil-Argentina: Dionísio Cerqueira (SC), Barracão (PR) e Bernardo de Irigoyen (AR). Florianópolis: Editora UFSC, 2010.

FRANCHI, S. Jogos Tradicionais/Populares como conteúdo da cultura corporal na Educação Física Escolar. Motrivivência, v. 25, n. 40, p.168-177, jun/2013.

FRIEDMANN, A. Brincar: crescer e aprender, o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1996.

HEISLER, J. B.; BORFE, L.; BURGOS, M. S. Resgate do Brinquedo em suas Transformações e Influências: estudo com pessoas de meia idade e idosos da zona urbana e zona rural do Município de Venâncio Aires e Mato Leitão – RS. Cinergis, v. 13, n. 3, p. 9-20, Jul/Set 2012.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortês, 1994.

______. Jogos infantis: o jogo, a criança e a educação. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

KUNZ, E.; COSTA, A. R. A imprescindível necessidade da criança: “Brincar e Se-Movimentar”. In: Kunz, E. (Org.). Brincar & Se-Movimentar: tempos e espaços de vida da criança. Ijuí: Ed. Unijuí, 2015. p. 13-37.

LAVEGA, P. Os jogos tradicionais como patrimônio cultural mundial. In: MARIN, E. C.; RIBAS, J. M. Jogo Cultural e Cultura. Santa Maria: Editora UFSM, 2013. 275 – 293 pág.

MARIN, E. C. et al. Jogos tradicionais no Estado do Rio Grande do Sul: manifestação pulsante e silenciada. Movimento. Porto Alegre, v. 18, n. 03, p. 73-94, jul/set de 2012.

MATURANA, H.; VERDEN ZOLLAR, G. Amar e brincar: Fundamentos esquecidos do humano. São Paulo, Editora Palas Athenas, 2004.

MEFANO, L. O design de brinquedos no Brasil: uma arqueologia do projeto e suas origens. 2005. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Design, PUC-Rio, 2005.

OLIVEIRA, P. S. O que é brinquedo? Coleção Primeiros Passos. São Paulo, Editora Brasiliense, 2010.

PAIVA, N. M. N.; COSTA, J. S. A influência da tecnologia na infância: desenvolvimento ou ameaça. 2015. Disponível em http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0839.pdf Acesso em: 11 dez. 2017.

PEREIRA, Rita Marisa Ribes. Uma história cultural dos brinquedos. Revista Teias, v. 10, n. 20, 2009.

STAVISKI, G.; SURDI, A. C.; KUNZ, E. Sem tempo de ser criança: A pressa no contexto da educação de crianças e implicações nas aulas de educação física. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Florianópolis, v. 35, n.1, p.113-128, jan/mar 2013.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2012.

Publicado
2019-06-23
Seção
Artigos Originais