Atividade Física de Aventura na Natureza para Pessoas com Deficiência

  • Darlan Pacheco Silva Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)
  • Priscilla Ramos Pinto de Freitas Silva Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)
  • Joslei Viana de Souza Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)
  • Marcial Cotes Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)
Palavras-chave: Exercício, Natureza, Pessoas com Deficiência

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi mapear a produção científica em periódicos nacionais da área de Educação Física, entre os anos de 2006 – 2016, relacionadas à prática de atividades físicas de aventura na natureza para pessoas com deficiência. Como instrumento de coleta dos dados, foi realizada uma busca em periódicos nacionais da área de Educação Física, avaliados entre A1 e B2 pela WebQualis (2016), mais a Revista da Associação Brasileira de Atividade Motora Adaptada. Os resultados mostraram um número inexpressivo de pesquisas publicadas envolvendo pessoas com deficiência na prática de atividades físicas de aventura na natureza, ao mesmo tempo em que evidencia que a deficiência não é um impedimento para sua realização. Contudo essas experiências trazem benefícios como oportunizar a este grupo a vivência de atividades diferenciadas do dia a dia, ampliando as opções de lazer, além de potencializar as capacidades dos praticantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, J. J. G. D. Estratégias para a aprendizagem esportiva: uma abordagem pedagógica da atividade motora para cegos e deficientes visuais. 1995. 176 f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP. 1995.

ALVES, L. S.; NAZARI, J. Atividades de Aventura e deficiência: limites e possibilidades. EFDeportes.com, Revista Digital Buenos Aires, ano 14, n. 138, 2009. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd138/atividades-de-aventura-e-deficiencia.htm. Acesso em: 12 dez. 2016.

AURICCHIO, J. R. Formação dos profissionais da cidade de Socorro - SP em atividades de aventura no âmbito do lazer. Licere, Belo Horizonte, v.20, n.1, mar. 2017.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Tradução de Luís A. Reto; Augusto Pinheiro. 5. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BARROSO, M. et al. Uma “aventura inclusiva” - atividades de natureza e aventura para pessoas com deficiência. Revista UIIPS, Portugal: Rio Maior, n. 01, p. 250-256, 2016.

BELTRAME, A. L. N. et al. A Cidade, O Lazer e a Pessoa com Deficiência: entre a invisibilidade e a emergência da participação social. Licere, Belo Horizonte, v.21, n.2, jun. 2018.

BETRÁN, J. O. Rumo a um novo conceito de ócio ativo e turismo na Espanha: as atividades físicas de aventura na natureza. In: MARINHO, A.; BRUHNS, H. T. Turismo, lazer e natureza. São Paulo: Manole, 2003. p.157-202.

BETRÁN, A. O.; BETRÁN, J. O. Análisis de las actividades físicas de aventura en la naturaleza. Apunts: educación física y deportes, Barcelona, n.41, p.100-1107, 1995.

BRASIL. Deficiência auditiva, Secretaria de Educação Especial. Série Atualidades Pedagógicas. Brasília: MEC/SEESP, 1997.

BRASIL, M. D. T. Turismo de Aventura: orientações básicas. Brasília: Ministério do Turismo, 2008.

______. Turismo Acessível: Bem Atender no Turismo de Aventura Adaptada. Brasília: Ministério do Turismo, 2009.

BRUHNS, H. T. Lazer e Meio Ambiente: corpos buscando o verde e a aventura. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 18, n. 2, p. 86-91, 1997.

BRUHNS, H. T. O ecoturismo e o mito da natureza intocada. Acta Scientiarum Human and Social Sciences, Maringá, v. 32, n. 2, p. 157-164, 2010.

BUZOLI, A. Deficientes visuais nas trilhas de ecoturismo. III Colóquio De Turismo - Os Territórios Turísticos no Estado de Goiás, Universidade Federal de Goiás, 2005.

CANTORANI, J. R. H. Lazer nas atividades de aventura na natureza e qualidade de vida para pessoas com deficiência: um estudo a partir do caso da cidade de Socorro-SP. 2013. 259 f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP. 2013.

______. Lazer nas atividades de aventura na natureza e qualidade de vida para pessoas com deficiência: um estudo a partir do caso da cidade de Socorro-SP. Licere, Belo Horizonte, v.17, n.1, mar. 2014.

CARDOSO, J. S. A inclusão de alunos com deficiência nas aulas de educação física na rede municipal de ensino de Ilhéus-Bahia. Trabalho de conclusão de curso – Universidade Estadual de Santa Cruz. Ilhéus, 2009.

CARVALHO, A. J. S. de. Esportes na natureza: estratégias de ensino do Canionismo para pessoas com deficiência visual. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP. 2005.

CORALES, C. M. S.; CASTRO, E. D. de. Passear e participar: o lazer ampliando a circulação social de pessoas com deficiência. Licere, Belo Horizonte, v.19, n.3, set. 2016.

COTES, M. et al. Aprendizagem formal, não formal e informal: como condutores de dois parques nacionais estabelecem seu tirocínio. Movimento, Porto Alegre, v. 23, n. 4, p. 1381-1394, out./dez. 2017.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

INGOLD, T. Perception of the Environment. Essays in Livelihood, Dwelling and Skill. New York: Routledge, 2000.

______. Lines: a brief history. London: Routledge, 2007.

JARVIS, P. Learning from Everyday Life, HSSRP, v. 1, n. 1, p. 1-20, 2012.

______. Aprendizagem Humana: implícita e explícita. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 40, n. 3, p. 809-825, 2015.

MEDEIROS, M.; DINIZ, D. Envelhecimento e deficiência. In: Camarano, A. A. (Org.). Os Novos Idosos Brasileiros: Muito Além dos 60?Rio de Janeiro: IPEA, 2004.

MENDES, B. C.; PAULA, N. M. A Hospitalidade, o Turismo e a Inclusão Social para Cadeirantes. Turismo em Análise, v.19, n.2, 2008.

MONTANS, D. F.; VENDITTI JÚNIOR, R. Atividade motora adaptada para deficientes visuais: experiência com natação em instituições inclusivas. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Ano 15, Nº 152, 2011.

MOURA, D. L.; FERREIRA, M. S.; SOARES, A. J. G. Compreender, relativizar e desconstruir: os discursos do risco na produção acadêmica sobre esportes de aventura. Licere, Belo Horizonte, v. 19, n. 1, p. 1-20, 2016.

MUNSTER, M. A. V. Esportes na natureza e deficiência visual: uma abordagem pedagógica. 2004. 311 f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP. 2004.

______.; ALMEIDA, J. J. G. Esportes na natureza: possibilidades para o deficiente visual. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA. Temas em Educação Física Adaptada. Curitiba: SOBAMA, p. 20-26, 2001.

______; ______. Esporte, lazer e deficiência: avanços e retrocessos no município de São Carlos. Revista da Sobama, Marília, v. 17, n. 1, p. 19-24, jan./jun. 2016.

NASCIMENTO, S. R.; COSTA, V. C. Avaliação da Educação Ambiental em trilhas interpretativas inclusivas no Estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 171-185, 2017.

PAIXÃO, J. A. Entre a aventura e o risco: formação e atuação profissional de instrutores de esporte de aventura no estado de Minas Gerais. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v. 14, p. 257-271, 2015.

______. Training and Professional Performance of Radical Sport Instructors. International Journal of Sports Science, v. 3, n.6, p. 198-203, 2013.

______. O instrutor de esporte de aventura no Brasil e os saberes necessários a sua atuação profissional. Curitiba: CRV, 2012.

______. et al. Risco e aventura no esporte na percepção do instrutor. Psicologia & Sociedade, v.23, n. 2, p. 415-425, 2011.

______.; TUCHER, G. Risco e aventura por entre as montanhas de Minas: a formação do profissional de esporte de aventura. Pensar a Prática, Goiânia, v. 13, n. 3, p. 1-19, 2010.

______.; COSTA, V. L. M.; GABRIEL, R. E. C. D. Esporte de aventura e ambiente natural: dimensão preservacional na sociedade de consumo. Motriz, v.15, n.2, p. 367-373, 2009.

PARLEBAS, P. Perspectivas para uma Educación Física moderna. Málaga: UNISPORT, 1987.

PEREIRA JÚNIOR, D. et al. Aventura Adaptada: um roteiro turístico e cultural. São Paulo: Áurea Editora, 2016.

PIMENTEL, G. G. A. Esportes na natureza e atividades de aventura: uma terminologia aporética. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 35, n. 3, p. 687-700, jul./set. 2013.

RODRIGUES, C.; GONÇALVES JUNIOR, L. Ecomotricidade: sinergia entre educação ambiental, motricidade humana e pedagogia dialógica. Motriz, Rio Claro, v. 15, n. 4, p. 987-995, 2009.

RODRIGUES, D. (Org.) As dimensões de adaptação de atividades motoras. In: RODRIGUES, D. (Org.) Atividade motora adaptada: alegria do corpo. São Paulo, Artes Médicas, 2006.

ROSA. P. F.; CARVALHINHO, L. A. D.; SOARES, J. A. P. O desporto de natureza e o desenvolvimento sustentável: perspectivas de desenvolvimento e governança. Movimento, Porto Alegre, v. 23, n. 1, p. 419-436, jan./mar. 2017.

SASSAKI, R. K. Atualizações semânticas na inclusão de pessoas: deficiência mental ou intelectual? Doença ou transtorno mental? Revista Nacional de Reabilitação, São Paulo, ano IX, n. 43, p. 9-10, 2005a.

SASSAKI, R. K. Como chamar as pessoas que tem deficiência? In: Anais I Seminário de Práticas de Inclusão no Ensino Superior. Piracicaba: UNIMEP, 17-18 de março de 2009.

SASSAKI, R. K. Terminologia sobre deficiência na era da inclusão. Rede SACI, 2005b. Disponível em: http://www.mp.pe.gov.br/uploads/zEEORSTek4V . Acesso em: 10 jan. 2017.

SCHMIDT, A. A. Canoagem e deficiência intelectual: navegar é (im)preciso. In: III Congresso Brasileiro de Atividades de Aventuras: Mercado de Trabalho e Inclusão, Mucugê-BA, 2009.

SCHWARTZ, G. M. Aventuras na Natureza: consolidando significados. Jundiaí, SP: Fontoura Editora, 2006.

______. et al. Estratégias de participação da mulher nos esportes de aventura. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, v. 38, n. 2, p. 156-162, 2016.

SEABRA JÚNIOR, M. O.; MANZINI E. J. Recursos e estratégias para o ensino do aluno com deficiência visual na atividade física adaptada. Marília: ABPEE, 208

SILVA, A. S. A inclusão dos alunos com deficiência nas aulas de educação física na rede estadual de ensino de Itabuna-Ba. 2009. Trabalho de conclusão de curso – Universidade Estadual de Santa Cruz. Ilhéus, 2009.

SILVA, P. P. C; FREITAS, C. M. S. M. Emoções e riscos nas práticas na natureza: uma revisão sistemática. Motriz, Rio Claro, v. 16, n.1, p. 221-230, 2010.

TAHARA, A.; CARNICELLI FILHO, S. Atividades físicas de aventura na natureza (AFAN) e academias de ginástica: motivos de aderência e benefícios advindos da prática. Movimento, v. 15, n. 3, p. 187-208, jul./set. 2009.

TAHARA, A. K.; CARNICELLI FILHO, S.; SCHWARTZ, G. M. Meio ambiente e atividades de aventura: significados de participação. Motriz, Rio Claro, v.12 n.1 p.59-64, jan./abr. 2006.

______.; SCHWARTZ, G. M. Atividades de aventura: análise da produção acadêmica do ENAREL. Licere, v.5, n.1, p. 50-58, 2002.

THOMAS, K. O homem e o mundo natural: Mudanças de atitudes em relação às plantas e aos animais, 1500-1800. Tradução João Roberto Martins Filho. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

TUDELLA, E. Deficiência física. In: PALHARES, M. S.; MARINS, S. C. (Org.). Escola inclusiva. São Carlos: EdFSCar, 2002. p. 155-177.

VAZ, J. M. et al. Percepção de competências profissionais de instrutores de atividades de aventura na natureza atuantes em Florianópolis/SC. Movimento, Porto Alegre, v. 23, n. 1, p. 295-310, jan./mar. 2017.

VENDITTI JÚNIOR, R., ARAÚJO, P. F. de. Trilhas ecológicas com orientação para pessoas surdas. Pensar a Prática, v. 11 n.3 p.269-280, set./dez. 2008.

______. O ambiente natural como agente facilitador do desenvolvimento sensorial e motor para as pessoas com deficiência visual. Revista da Sobama, Marília, v. 13, n. 2, p. 49-56, jul./dez. 2012.

VIDAL, A. P. R. M. A segurança em actividades de ar livre e de aventura. Dissertação (Mestrado em Ensino da Educação Física no Ensino Básico e Secundário) – Faculdade de Educação Física e Desposto. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Lisboa, 2011.

WACHTEL, G.; COSTA, C. M. R. Brincando e aprendendo com a mata: manual para excursões guiadas. Projeto Doces Matas. Belo Horizonte, 2002.

WINNICK, J. P. Educação Física e Esportes Adaptados. Barueri, São Paulo: Manole, 2004. p. 555.

Publicado
2019-06-23
Como Citar
Silva, D. P., Silva, P. R. P. de F., Souza, J. V. de, & Cotes, M. (2019). Atividade Física de Aventura na Natureza para Pessoas com Deficiência. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 22(2), 268-296. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.13557
Seção
Artigos Originais