Atividades de Lazer e seus Conteúdos Culturais em Centros de Convivência e Fortalecimento de Vínculos

  • Edirlane Soares do Nascimento Universidade Estadual do Piauí (UEPI)
  • Juliêta Lopes Fernandes Universidade Estadual do Piauí (UEPI)
  • Thaís Norberta Bezerra de Moura Universidade Estadual do Piauí (UEPI)
  • Maria Luci Esteves Santiago Universidade Estadual do Piauí (UEPI)
Palavras-chave: Políticas Públicas, Atividades de Lazer, Idoso

Resumo

O presente estudo objetiva caracterizar as atividades de lazer, seus facilitadores e usuários dos Centros de Convivência de Teresina-PI. Trata-se de um estudo transversal, com 39 idosos e nove coordenadores, entre agosto e novembro de 2017. Utilizou-se um formulário, com questões objetivas e subjetivas. As atividades de lazer, relacionadas aos aspectos físicos, foram as mais realizadas (100%, n=9), em sala/pátio (33%), e apresentando dificuldades de falta de materiais (33%). Facilitadores de atividades com formação superior (45,8%), com 1 a 2 anos de atuação (41,6%) e terceirizados (100%). Usuários com preferência de atividade física para lazer (97,4%), 1 a 2 anos de participação (35,9%), frequência de 2 a 3 vezes/semana (76,9%), tendo a saúde (43,5%) como motivo de adesão, e os compromissos pessoais (30,7%) como limitador da participação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMORIM FILHO, M.L.; RAMOS, G.N.S. Trajetória de vida e construção dos saberes de professores de educação física. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.24, n.2, p.223-38, 2010.

ANDRADE, A.N. et al. Percepção de idosos sobre grupo de convivência: estudo na cidade de Cajazeiras-PB. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v.17, n.1, p.39-48, 2014.

ARAÚJO, V.N.F. Os coordenadores de grupos de convivência de idosos como facilitadores da construção da cidadania. 2004. 116 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) - Centro Socioeconômico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

BENEDETTI, T.R.B; MAZO, G.Z; BORGES, L.J. Condições de saúde e nível de atividade física em idosos participantes e não participantes de grupos de convivência de Florianópolis. Ciência & Saúde Coletiva, v.17, n.8, p.2087-2093, 2012.

BERQUÓ, E. S. Algumas considerações demográficas sobre o envelhecimento no Brasil. In: Seminário Internacional sobre o Envelhecimento Populacional. Brasília, 1996. Brasília: Ministério da Previdência e Assistência Social, 1996.

BORGES, P. L. C. et al. Perfil dos idosos frequentadores de grupos de convivência em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 12, p.2798-2808, 2008.

BONALUME, C.R. O Esporte e o lazer na formulação de uma política pública intersetorial para a juventude: a experiência do PRONASCI. Brasília, 2010. Disponível em: https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/6068/1/2010_ClaudiaReginaBonalume.pdf . Acesso em: 15 out. 2016.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria nº2.528 de 19 de outubro de 2006. Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa, 2006. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt2528_19_10_2006 . Acesso em: 06 out. 2016.

______. Política Nacional de Assistência Social. Ministério do desenvolvimento social e combate a fome: Secretaria Nacional de Assistência Social. Brasília, 2004. Disponível em: http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Normativas/PNAS2004.pdf. Acesso em: 11 out. 2016.

______. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Perguntas Frequentes: Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV). Brasília, 2015. Disponível em: https://mds.gov.br/assistencia-social-suas/servicos-e-programas/servicos-de-convivencia-e-fortalecimento-de-vinculos . Acesso em: 13 out. 2016.

BRASIL, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Tipificação dos Serviços Socioassistenciais. Brasília, 2014. Disponível em: https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Normativas/tipificacao.pdf.Acesso em: 13 out. 2016.

______. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos para pessoas idosas - Orientações Técnicas. Brasília, 2012b. Disponível em: http://craspsicologia.files.wordpress.com/2013/09/orientacoes-tecnicas-do-scfv-para-pessoas-idosas.pdf. Acesso em: 13 out. 2016.

______. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n°466/12 sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: MS, 2012a.

______. Ministério do Planejamento, Orçamento e gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Perfil dos idosos responsáveis pelo domicílio no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2002.

______. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social – SNAS. Caderno de Orientações: Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família e Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. Articulação necessária na Proteção Social Básica, Brasília, 2016.

CAVALCANTE, R.M.F. et al. Contribuições de um Grupo da Terceira Idade para a saúde das Idosas Participantes. R bras ci Saúde, v.19, n.1, p.11-18, 2015.

CONCEIÇÃO, M. R.; MORAES, C. C.; FRANCHINI, M. L.; Políticas públicas de saúde, atenção primária e interdisciplinaridade - a produção de cuidado nas práticas corporais. Cad. Edu. Saúde e Fís. v.1, n.1; 2014.

COSTA, L.S.V. et al. Análise comparativa da qualidade de vida, equilíbrio e força muscular em idosos praticantes de exercício físico e sedentários. Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v.8, n.3, p.61-179, 2015.

DEBERT, G.G. Feminismo e velhice. Sinais Sociais, Rio de Janeiro, v.8, n.22, p.15-38, 2013.

DUMAZEDIER, J. Valores e conteúdos culturais do lazer. São Paulo: SESC, 1980.

______. Lazer e cultura popular: Debates. São Paulo: Perspectiva,1976.

FARENZENA WP. et al. Qualidade de vida em um grupo de idosas de Veranópolis. Revista Kairós, v.10, n.2, p.225-43, 2007.

FLORENTINO, I.M.; CAMARGO, M.J.G. Atividades de lazer no contexto hospitalar: uma estratégia de humanização. Revista Brasileira de Estudos do Lazer. Belo Horizonte, v.2, n.2, p.99-114, 2015.

GOMES, C.L. Lazer: necessidade humana e dimensão da cultura. Revista Brasileira de Estudos do lazer, Belo Horizonte, v.1, n.1, p.3-19, 2014.

GONÇALVES, K. C.; et al. Comparação entre a percepção da qualidade de vida e o nível de aptidão física de idosos praticantes de atividades aquáticas. Rev Bras Ciênc Saúde. v. 12, n. 39, p. 35-43, 2014.

GRDEN, C.R.B. et al. Características sociodemográficas e de acesso de longevos aos serviços de saúde. Cienc Cuid Saude, v.14, n.4, p.1505-1512, 2015.

HELUANY, C. C. V. Perfil do envelhecimento de octogenários e nonagenários residentes em Siderópolis –SC. 2007. 114f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) – Programa de Pós-graduação em ciências da Saúde, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma (SC), 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Número de idosos cresce 18% em 5 anos e ultrapassa 30 milhões em 2017. Disponível em: http://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e-ultrapassa-30-milhoes-em-2017. Acesso em: 21 dez. 2018.

JANINI, J.P; BESSLER, D; VARGAS, A.B. Educação em saúde e promoção da saúde: impacto na qualidade de vida do idoso. Saúde em Debate. Rio de Janeiro, v.39, n.105, p.480-490, 2015.

KIST, R.B.B. Os grupos de convivência em Porto Alegre e sua contribuição à garantia de direitos e à autonomia de homens e mulheres idosos: Uma aproximação com os centros de idosos em Barcelona. Porto Alegre, 2011.

LIMA, M. C. A ginga dos mais vividos. Brasília: Mano Lima, 2009.

LOPES, M.A. Pessoas longevas e atividade física: fatores que influenciam a prática. Florianópolis, 2012.

MAZO GZ. et al. Nível de atividade física, condições de saúde e características sócio demográficas de mulheres idosas brasileiras. Ver Port Cien Desp, v.5, n.2, p.202-212, 2005.

MELLO,J.G.; VOTRE, S.J. Fatores que interferem na participação de homens idosos em programas de esporte e lazer. Pensar a Prática. Goiânia-GO, v.16, n.4, p.956-1270, 2013.

MINÓ, N.M; FARIAS, R. C. P. Percepção de idosos sobre núcleo de convivência: um estudo com participantes do programa municipal da terceira idade de Viçosa, Minas Gerais, Brasil. Rev. Educ., Cult. Soc., Sinop/MT/Brasil, v.6, n.1, p.302-317, 2016.

NASCIMENTO JUNIOR, R. A.; CAPELARI J. B.; VIEIRA, L. F. Impacto da prática de atividade física no estresse percebido e na satisfação de vida de idosos. Rev Educ Fis. v. 23, n. 4, p. 647-654, 2012.

NAVARRO, F.M.; MARCON, S.S. Convivência familiar e independência para atividades de vida diária entre idosos de um centro dia. Cogitare Enferm, v.11, n.3, p.211-7, 2006.

OLIVEIRA-CAMPOS, M.; MACIEL, M. G.; RODRIGUES NETO, J. F. Atividade física insuficiente: fatores associados e qualidade de vida. Rev Bras Ativ Fis Saúde. v. 17, n. 6, p. 562-572, 2012.

OLIVEIRA, K.L et al. Relação entre ansiedade, depressão e desesperança entre grupos de idosos. Psicologia em estudo, v.11, n.2, p.351-359, 2006.

OLIVEIRA, D.A.S. et al. Participação de idosas em grupos sociais: qualidade de vida e capacidade funcional. Rev Rene, v.17, n.2, p.278-84, 2016.

PAULA, C.L.M. et al. Qualidade de vida de idosos participantes de um grupo de convivência no munícipio de São Mamede – PB. Revista Brasileira de Educação e Saúde, Pombal, PB, v.6, n.2, p.01-07, 2016.

PEREIRA, M. M. Qualidade de vida e nutrição em idosos participantes de centros de convivência da terceira idade. 2015. 102 f. Dissertação (Mestrado em Infectologia em Saúde Pública) – Programa de Pós-graduação em Ciências da Coordenadoria de Controle de Doenças, Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, São Paulo, 2015.

PINTO, E.M.; SILVA, J.P.C. Lazer na juventude: compreensão e prática, no município de Santa Cruz do Capibaribe – PE. Cinergis, Santa Cruz do Sul, v.17, n.1, p.09-14, 2016.

RAMOS LR. Fatores determinantes do envelhecimento saudável em idosos residentes em centro urbano: Projeto Epidoso, São Paulo. Cadernos de Saúde Pública, v.19, n.3, p.793-98, 2003.

RAMOS, S.S.S. et al. Participação de idosos em um centro de convivência na cidade de Santana/AP: perfil dos indivíduos e características de participação. Revista Madre Ciência Saúde, v.1, n.1, 2016.

RIBEIRO, O.C.F.; AMARAL, S.C.F. Entre o lazer esportivo participativo e ambiental e o lazer turístico - as políticas públicas de lazer em Brotas/SP. Movimento, Porto Alegre, v.22, n.1, p.63-74, 2016.

RODRIGUES, M. C. A configuração do lazer no espaço das universidades da terceira idade. Estud. interdiscipl. envelhec. v. 20, n. 3, p. 771-787, 2015.

SALIN, M.S. et al. Atividade Física para idosos: diretrizes para implantação de programas e ações. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v, 14, n.2, p.197-208, 2011.

SANTOS, P.M. Lazer e grupos de convivência para idosos: um estudo sobre a participação de homens em Florianópolis (SC). Licere, Belo Horizonte, v.18, n.3, 2015.

SANTOS, P.M.; MARINHO, A. Conteúdos culturais do lazer e participação masculina em grupos de convivência para idosos de Florianópolis (SC). Licere, Belo Horizonte, v.18, n.4, 2015.

________. Grupos de convivência para idosos como espaços de lazer (também) para homens: o olhar dos coordenadores em Florianópolis (SC). Motrivivência, v.28, n.47, p.128-144, 2016. Disponível em: http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=2&ved=0ahUKEwiv_puLqOjPAhUJIZAKHeaAAhsQFgglMAE&url=https%3A%2F%2Fperiodicos.ufsc.br%2Findex.php%2Fmotrivivencia%2Farticle%2Fdownload%2F2175-8042.2016v28n47p128%2F31823&usg=AFQjCNFvWhshV1zzT0LKBmNsiF44SJty5Q. Acesso em: 26 set. 2016.

______. et al. Lazer e participação de homens em grupos de convivência para idosos de Florianópolis (SC): motivações e significados. Revista Kairós Gerontologia, São Paulo, v.18, n.3, p.173-191, 2015.

SILVA, H.O. et al. Perfil epidemiológico de idosos frequentadores de grupos de convivência no município de Iguatu, Ceará. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v.14, n.1, p.123-133, 2011.

SOUZA, A.L. Serviços de convivência e fortalecimento de vínculos na relação família e sociedade. Lisboa, 2016.

TOSCANO, J.J.O; OLIVEIRA, A.C.C. Qualidade de Vida em idosos com distintos níveis de atividade Física. Rev Bras Med Esporte, v.15, n.3, 2009.

VALERIANO, R.J.; NEVES JUNIOR, C.L. Diversidade nas aulas de educação física das escolas públicas de Araxá-MG. Evidência, Araxá, v.10, n.10, p.61-74, 2014.

VALIM-ROGATTO, PC. et al. Participação de idosos em atividades físicas, sociais, educacionais e em serviços de saúde de centro de convivência: diferenças entre sexos. Coleção Pesquisa em Educação Física, v.9, n.3, 2010.

VIDMAR, M. F. et al. Atividade física e qualidade devida em idosos. Revista Saúde e Pesquisa, v.4, n.3, p.417-424, 2011.

XAVIER, L.N. et al. Grupo de convivência de idosos: apoio psicossocial na promoção da Saúde. Rev Rene, v.16, n.4, p.557-66, 2015.

Publicado
2019-06-24
Como Citar
Nascimento, E. S. do, Fernandes, J. L., Moura, T. N. B. de, & Santiago, M. L. E. (2019). Atividades de Lazer e seus Conteúdos Culturais em Centros de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 22(2), 297-330. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.13560
Seção
Artigos Originais