I Jogos Mundiais dos Povos Indígenas

Análise a partir do Modelo dos Múltiplos Fluxos

  • Vitor Hugo Marani Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) - Campus Universitário do Araguaia
  • Luciana Leticia Sperini Rufino dos Santos Universidade Estadual de Maringá (UEM)
  • Larissa Michelle Lara Universidade Estadual de Maringá (UEM)
  • Fernando Augusto Starepravo Universidade Estadual de Maringá (UEM)
Palavras-chave: Jogos Indígenas, Múltiplos Fluxos, Políticas Públicas

Resumo

O estudo analisa a primeira edição dos Jogos Mundiais dos Povos Indígenas (JMPI), realizados em 2015, no Brasil, a partir de como procederam as discussões e as formulações das políticas voltadas a esse evento esportivo. De cunho qualitativo, o estudo utilizou do modelo de análise dos Múltiplos Fluxos que verifica os fatores que influenciam na formulação da agenda política, por meio da análise documental das leis e decretos nacionais que dispõem sobre o esporte voltado aos povos indígenas, bem como relatórios emitidos pelo Ministério do Esporte do Brasil, em parceria com a UNESCO. Os resultados apontam para a incorporação dos JMPI à agenda política a partir da convergência entre o fluxo de problemas, desenhado a partir da ausência de políticas públicas voltadas às demandas indígenas, da falta de valorização e de divulgação da cultura indigenista e do feedback dos Jogos dos Povos Indígenas Brasileiros; o fluxo das políticas, instaurado por meio de documentos internacionais publicados em defesa da cultura indígena e dos jogos tradicionais de diferentes povos; e, o fluxo da política, por meio das representações do Ministério do Esporte Brasileiro, do Comitê Intertribal e as lideranças estrangeiras, culminando na abertura da janela de oportunidade para a organização do evento esportivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, A. J. M.; DE ALMEIDA, D. M. F.; GRANDO, B. S. As práticas corporais e a educação do corpo indígena: a contribuição do esporte nos Jogos dos Povos Indígenas. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 32, n. 2-4, p. 59-74, dez. 2010.

ALMEIDA, A. J. M.; SUASSUNA, D. M. F. A. Práticas corporais, sentidos e significado: uma análise dos Jogos dos Povos Indígenas. Movimento, Porto Alegre, v. 16, n. 4, p. 53-71, out./dez. 2010.

ALMEIDA, B. S.; MEZZADRI, F. M.; MARCHI Jr., W. Considerações sociais e simbólicas sobre sedes de megaeventos esportivos. Dossiê 2007- 2016 - A Década dos Megaeventos Esportivos no Brasil. Motrivivência, Florianópolis, ano XXI, n. 32/33, p. 178-192, 2009.

ARAÚJO, L.; RODRIGUES, M. L. Modelos de análise das políticas públicas. Sociologia, Problemas e Práticas (Online), v. 1, n. 83, p. 11-35, 2016.

BURGÛES, P. L. et al. Os Jogos Tradicionais no Mundo: associações e possibilidades. Licere, Belo Horizonte, v.14, n.2, p. 1-19, 2011.

CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO. Violência contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2016. Relatório. 2016. Disponível em: https://www.cimi.org.br/pub/relatorio/Relatorio-violencia-contra-povos-indigenas_2016-Cimi.pdf . Acesso em: fev. 2018.

CONSULTORIA PNUD/CNE. Relatório Geral Final. Comitê Nacional Executivo dos I Jogos Mundiais dos Povos Indígenas, 2016. Disponível em: https://info.undp.org/docs/pdc/Documents/BRA/Draft%20Relato%CC%81rio.pdf . Acesso em: dez. 2017.

DACOSTA, L. et al. Legados de Megaeventos Esportivos. Brasília: Ministério do Esporte, 2008.

FERREIRA, M. B. R.; CAMARGO, V. R. T. Jogos Mundiais dos Povos Indígenas: um sonho que realiza. International Journal of Social Sciences of Physical Activity, Game and Sport, v. 5, n. 10, p. 1-9, 2016.

FUNAI. Conferência Mundial dos Povos Indígenas. Fundação Nacional do Índio (FUNAI) Assessoria para Assuntos Internacionais, 2014. Disponível em: http://www.funai.gov.br/arquivos/conteudo/ascom/2014/doc/10-out/conmund.pdf . Acesso em: dez.2017.

GRANDO, B. S. Movimentos Indígenas do Brasil: a cultura autoritária e preconceituosa e a Educação Física. Motrivivência, Florianópolis, ano XI, v.14, p. 63-91, 2000.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HOULIHAN, B., Public sector sport policy: developing a framework for analysis. International review for the sociology of sport, 40, 163–185, 2005.

HOULIHAN B.; GREEN, M. The changing status of school sport and physical education explain policy change. Sport, Education and Society. v. 11, n. 1, p. 73-92, 2006.

KINGDON, J. W. Agendas, Alternatives and Public Policies. 2. ed. Boston: Longman, 2011.

MACHADO, G. V.; ALMEIDA, R. S.; CHAMON, E. M. Q. O.; PAES, R. R. A Análise da Evolução das Políticas Públicas em Esporte Educacional no Brasil. Revista Ciências Humanas - Educação e Desenvolvimento Humano – UNITAU, Taubaté/SP - Brasil, v. 10, n Extra, edição 19, p. 103 - 115, Outubro 2017.

MANKILLER, W. Povos Indígenas no Século XXI. E-Journal USA: Povos Indígenas vivendo na atualidade, v. 14, n. 6, p. 4-6, 2009.

MARCELLINO, N. C. (Org.) Legados de megaeventos esportivos. V.1. Campinas: Papirus, 2013.

MASCARENHAS, M. Megaeventos esportivos e Educação Física: alerta de tsunami. Movimento, Porto Alegre, v. 18, n. 01, p. 39-67, jan/mar de 2012.

MASCARENHAS, G.; BIENENSTEIN, G.; SÁNCHEZ, F. (Orgs.) O jogo continua: megaeventos esportivos e cidades. Rio de Janeiro: FAPERJ; EDUERJ, 2011.

NAÇÕES UNIDAS. Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas. Rio de Janeiro: UNESCO, UNIC-Rio, UNICEF, 2008.

OTRIRIADOU, P.; BROUWES, J. A critical analysis of the impact of the Beijing Olympic Games on Australia’s sport policy direction. International Journal of Sport Policy and Politics, v. 4, n.3, p.321-341, 2012.

PEREIRA, M. L. Prefácio. FERREIRA, M. B. R.; VINHA, M. (Orgs.). Celebrando os jogos, a memória e a identidade: XI Jogos dos Povos indígenas. Porto Nacional - Tocantins, 2011. Dourados: UFGD, 2015.

ROQUE, L. et al., 2017. Jogos mundiais dos povos indígenas: Brasil, 2015: o importante é celebrar! Brasília: PNUD, 2017.

RUBIO, K. (Org.). Megaeventos esportivos, legados e responsabilidade social. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

SILVA, S. D.; RIBAS, J. F. M. A lógica interna e o contexto dos Jogos Tradicionais Indígenas organizados no estado do Rio Grande do Sul. Licere, Belo Horizonte, v.19, n.2, p. 225-259, 2016.

ZAHARIADIS, N. The Multiple Streams framework: structure, limitations, prospects. In: SABATIER, P. A. (Ed.). Theories of the Policy Process. 2. ed. Boulder: Westview Press, 2007.

Publicado
2019-06-25
Como Citar
Marani, V. H., Santos, L. L. S. R. dos, Lara, L. M., & Starepravo, F. A. (2019). I Jogos Mundiais dos Povos Indígenas. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 22(2), 500-523. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.13579
Seção
Artigos Originais