Os Grupos de Pressão no Processo de Tramitação do PROFUT (Lei nº 13.155/2015)

  • Wagner Matias Universidade de Brasília (UNB)
  • Fernando Mascarenhas Universidade de Brasília (UNB)
Palavras-chave: Futebol, Grupos de Pressão, PROFUT

Resumo

O presente estudo identifica os grupos de pressão que atuaram ativamente no Congresso Nacional durante a tramitação da lei nº 13.155/2015 e os interesses atendidos ao longo desse processo. Trata-se de uma pesquisa exploratória, de caráter qualitativa, sendo desenvolvida a partir do levantamento e análise documental. Os documentos utilizados foram às notas taquigráficas das sete audiências públicas realizadas para discutir o tema, o relatório das emendas parlamentares, os documentos referentes à Medida Provisória nº671/2015 que deu origem a lei, tanto aqueles elaborados no Parlamento quanto pelo Poder Executivo, e a própria lei nº 13.155/2015. Ao longo da análise da tramitação desse ordenamento ficam evidentes os grupos que disputaram o conteúdo deste marco legal e os interesses em disputa e atendidos pela lei.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAGÃO, Murilo. Ação dos grupos de pressão nos Processos Constitucionais Recentes no Brasil. Revista de Sociologia e Política, nº 6/7, 1996.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Teoria do Estado e Ciência Política: 6.ed. São Paulo: Celso Bastos Editora, 2004.

BELMAR, Thiago Hinojosa. Grupos de interesse e o processo de modernização do futebol brasileiro: da redemocratização ao Bom Senso futebol clube. (Dissertação de Mestrado- Programa de Pós-Graduação em Ciência Política)- Faculdade de Filosofia, Letras- USP, São Paulo, 2016.

BOBBIO, Norberto; MATEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. Brasília: UnB, 1991.

BRASIL. Lei nº 13.155/2015 de 04 de agosto de 2015. In: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/L13155.htm. Acesso em: 14 ab. 2017.

COUTINHO, C. N. Intervenções: O marxismo na batalha das ideias. São Paulo: Cortez, 2006.

FARIAS, Rayanna. Um pouco de bom senso: O processo de reestruturação do futebol brasileiro (2013-2015). Monografia (Graduação em História). Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná, 2015.

MEYNAUD, Jean. Grupos de pressão. Lisboa: Europa-América, 1996. 146 p.

OURIQUES, N. O gol contra da lei Pelé. Motrivivência, Florianópolis, ano 11, n. 12, maio/1999.

PIERINI, Alexandre j. Grupos de interesses, de pressão e lobbying: Revisitando os conceitos. CSOnline – Revista Eletrônica de Ciências Sociais, ano 4, ed. 10, mai./ago. 2010

QUEIROZ, Antônio Augusto de. Por Dentro do Processo Decisório: como se fazem as leis. Brasília: Diap, 2006.

RABELO, Aldo; TORRES, Silvio. CBF/Nike. São Paulo: Casa amarela, 2001.

SANTOS, Mario Augusto. Associação Comercial da Bahia na Primeira República: Um grupo de pressão. 2. ed. Salvador, Associação Comercial da Bahia, 1991.

SCHMITTER, Philippe. Interest Conflict and Political Change in Brazil. Stanford, Stanford University Press, 1971.

TAGLIALEGNA, Gustavo H. F. Grupos de pressão e a tramitação no projeto de lei de biossegurança no Congresso Nacional. Brasília: Senado Federal. Consultoria Legislativa, 2005.

TOLEDO, Gastão Alves de. Grupos de Pressão no Brasil. Brasília: Programa Nacional de Desburocratização – PrND: Instituto dos Advogados de São Paulo, 1985.

VASCONCELOS, Nelson A. F. de. Os grupos de pressão da educação e a lei de gestão democrática. Brasília, 2013. 177f. Dissertação (Mestrado), Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, Programa de Pós-graduação em Educação, UnB, 2013.

Publicado
2019-06-25
Seção
Artigos Originais