Análise Sociológica sobre a Prática do Vôlei de Rua em Cuiabá/MT

Autores

  • Francisco Xavier Freire Rodrigues Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
  • Caroline Maria de Lima Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

DOI:

https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.16267

Palavras-chave:

Atividades de Lazer, Vôlei de Rua, Mediação Cultural, Cuiabá/MT

Resumo

O artigo tratou do vôlei de rua em Cuiabá/MT como fenômeno sociológico. Procurou desvendar os componentes mediadores do vôlei de rua, bem como identificar os interesses de seus praticantes em Cuiabá/MT, além de evidenciar as histórias de vida de agentes sociais que constroem uma trajetória do lazer, ocupando os espaços comunitários, bairros e as ruas do centro urbano de Cuiabá/MT. A pesquisa buscou também traçar o perfil dos praticantes de vôlei de rua, diferenciar o vôlei de rua do vôlei de quadra e analisar as formas de sociabilidades e disputas em torno dos eventos e jogos de vôlei de rua. A questão norteadora da investigação foi a seguinte: Que estratégias delineiam as maneiras de fazer o “vôlei de rua” em Cuiabá/MT? Trata-se de uma pesquisa qualitativa e descritiva que se utilizou de entrevistas como técnica de coleta de dados. O aporte teórico utilizado é da sociologia contemporânea, os conceitos de campo e habitus de Bourdieu, e cultura e mediação cultural em Geertz, Barbero e Lamizet. O vôlei de rua média as relações sociais entre os atletas, sendo lazer, esporte e veículo produtor de sociabilidades. Dentro dos próprios relatos podemos perceber claramente as diferenças discursivas; uns mais conservadores ou resistentes, outros mais receptivos ao desconhecido, ao novo. Mas o fio condutor de todos os conflitos, provocador da ruptura ressignificante, reside naquele ato de expor publicamente o nome de jogadores que antes na quadra não tinham nenhuma relevância e no ambiente da rua (vôlei de rua) serem os reis da rua.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBERO, M. J. As formas mestiças da mídia. Pesquisa FAPESP Online, edição 163, p. 10-15, setembro 2009, Entrevista concedida à Mariluce Moura. http://revistapesquisa.fapesp.br/2009/09/01/as-formas-mesticas-da-midia/.

______. M. j. Dos meios às mediações: Comunicação, Cultura e hegemonia. Tradução, Ronald Polito e Sérgio Alcides. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1997. 360 p.

______. M. J. América Latina e os anos recentes: o estudo da recepção em comunicação social. In: SOUSA, M. W. (Org.). Sujeito, o lado oculto do receptor. São Paulo: Brasiliense/ECA-USP, 1995, p. 39-68.

BOAS, F. Antropologia cultural. Org. Celso Castro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004. 112 p.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004a. 86 p.

BOURDIEU, P. Razões práticas: Sobre a teoria da ação. Tradução de Mariza Corrêa. Campinas: Papirus, 2011, 232 p.

______. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003, 314 p.

______. A Economia das Trocas Linguísticas: O que falar quer dizer. São Paulo: Edusp, 1996a. 192 p.

______. A economia das trocas simbólicas. 3. ed. Org. Sergio Miceli. São Paulo: Perspectiva, 1992. 367 p.

______. Razões práticas: Sobre a teoria da ação. Irad. Mariza Corrêa. Campinas: Papirus, 1996b. 232 p.

______. Coisas Ditas. Tradução Cássia R. da Silveira e Denise Moreno Pegorim. Revisão técnica Paula Monteiro. São Paulo: Brasiliense. 2004b. 235 p.

______. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero. 1983. 289 p.

CAUNE, J. Pour une éthique de la médiation: Le sens des pratiques culturelles. Saint-Martin d'Hères: PUG, 1999. 294 p.

DENZIN, N. K. Interpretive biography. Newbury Park: Sage, 1989. 160 p.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1973. 214 p.

HATCH, J. A..; WISNIEWSKI, R. Life history and narrative: questions, issues and exemplary works. In: HATCH, J.; WISNIEWSKI, R. (Ed.). Life history and narrative. London: Routledge Falmer, 1995. p. 113-135.

LAMIZET, B. La médiation culturelle. Paris: L’Harmattan, 1999. 448 p.

LARAIA, R. de B. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar, 1986. 116 p.

LIMA, C. M. de. Vôlei de Rua em Cuiabá e os aspectos mediadores da Cultura Contemporânea. Dissertação de Mestrado [Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea], Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2018. 122 p.

OTT, R. Ensinando crítica nos museus. In: BARBOSA, A. M. Arte-educação: leitura no subsolo. São Paulo: Cortez, 1997, p. 36-52.

QUEIROZ, M. I. P. Relatos orais: do “indizível” ao “dizível”. In: SIMSON, O. M. V. (Org.). Experimentos com histórias de vida: Itália-Brasil. São Paulo: Vértice, 1988. p. 14-43.

STIGGER, M. P. Esporte, lazer e estilos de vida: um estudo etnográfico. Campinas: Autores Associados, 2002. 278 p.

TYLOR, E. B. Primitive Culture. Inglaterra: Gordon Press, 1871. 501 p.

VELHO, G. & VIVEIROS DE CASTRO, E. O conceito de cultura e o estudo das sociedades complexas. Cadernos de Cultura. USU (Universidade Santa ÚrsuIa), ano 2, nº 2, Rio de Janeiro, 1980.

Downloads

Publicado

2019-12-24

Como Citar

Rodrigues, F. X. F., & Lima, C. M. de. (2019). Análise Sociológica sobre a Prática do Vôlei de Rua em Cuiabá/MT. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 22(4), 224-259. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2019.16267

Edição

Seção

Artigos Originais