Ocupar o Espaço Público!

Os Músicos de Rua e a Luta pelo Direito à Cidade

  • Denise Falcão Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Antropologia Cultural, Atividades de Lazer, Música

Resumo

Encontrar músicos tocando nas ruas de cidades turísticas é cada vez mais corriqueiro. A condição básica para que essa prática social aconteça é a ocupação do espaço público. Os processos de turistificação dessas metrópoles, acarretam a privatização do espaço social transformando-o em espaço para consumo. Nesse ponto nevrálgico, essa investigação, fruto de uma pesquisa etnográfica, debruça-se na intenção de compreender as relações presentes na ocupação dos espaços públicos pelos músicos de rua em duas cidades cosmopolitas e turísticas: Rio de Janeiro e Barcelona. Recorte de uma tese doutoral, esse artigo, envolveu observação de campo e 23 entrevistas. As análises, seguindo os pressupostos etnográficos de reconhecimento de significados culturais e pessoais, evidenciaram tanto a luta dos músicos de rua pelo “direito à cidade”, como suas “artes de fazer” em táticas cotidianas para resistir e não ser banido pela ordem social vigente na ocupação do espaço público. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAUDELAIRE, Charles. O pintor da vida moderna. Sobre a modernidade. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BIRMAN, Joel. Nas bordas da transgressão. In: PLASTINO, Carlos A. Transgressões. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2002.

CÁVEM, Mara C. dos S. Centros históricos contemporâneos: mudanças de perspectiva na gestão – caso de estudo de Lisboa e Bruxelas. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana, Planeamento Regional e Local) - Universidade de Lisboa, Lisboa, 2007.

CAIAFA, Janice. Comunicação e diferença nas cidades. Lugar comum n. 18, p.91-102, 2002.

______. Aventura das cidades: ensaios e etnografias. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

CARTA DE QUITO. Conclusiones del Coloquio sobre la Preservación de los Centros Históricos ante el Crecimiento de las Ciudades Contemporáneas. UNESCO/PNUD, Quito, Ecuador, 1977. Informes de la Construcción, v. 41 n. 405, enero/febrero, 1990 Disponível em: https://informesdelaconstruccion.revistas.csic.es/index.php/informesdelaconstruccion/article/viewFile/1473/1639 Acesso em: 20 abr. 2016.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2014.

DELGADO, Manuel. La cuidad mentirosa. Fraude y miseria del ‘modelo Barcelona’. Madrid: La Catarata, 2010.

______. O Espaço Público como Representação. Espaço urbano e espaço social em Henri Lefebvre. Revista Punkto. Porto. Portugal, 2014. Disponível em: https://www.revistapunkto.com/2014/01/o-espaco-publico-como-representacao_9694.html Acesso em: 06 jan. 2016.

______. Carrer, festa i revolta. Barcelona: Generalitat de Catalunya/Institut Català d’Antropologia, 2003.

______. La expulsión de la historia de los centros históricos. Blog El cor de les aparences, 15 out. 2015 Disponível em: https://manueldelgadoruiz.blogspot.com.br/2013/09/la-expulsion-de-la-historia-de-los.html Acesso em: 03 fev. 2016.

FALCÃO, Denise. Experiências de mochileiros: sentidos e significados em uma dinâmica de lazer na sociedade contemporânea. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional. 2013.

FALCÃO, Denise. Músicos de rua: luzes e sombras sobre uma prática social contemporânea no Rio de Janeiro e em Barcelona. Belo Horizonte: Tese de doutorado em Estudos do Lazer, UFMG. 2017

______. “Ser mochileiro: uma constituição social e pessoal do ‘mochilar’”. Caderno Virtual de Turismo (UFRJ), v.16 n.3, p: 76-90. 2016. Disponível em: https://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/1066 Acesso em: 14 set.16.

FRÚGOLI JR., Heitor. Sobre usos populares dos espaços públicos. Revista Fórum Permanente, n. 6, 2012. Disponível em: https://www.forumpermanente.org/rede/numero/rev-numero6/seisheitorfrugoli Acesso em: 08 março 2016.

GALVÃO, Maria Cristiane B. O levantamento bibliográfico e a pesquisa científica. In: FRANCO, Laércio Joel; PASSOS, Afonso D. C. (Org.). Fundamentos de epidemiologia. São Paulo: Manole, 2010.

GOFFMAN, E. Estigma: la identidad deteriorad. Buenos Aires, 1986.

GONZÁLES, Antonio M. Espacio público, sociabilidad coletiva y mestizaje cultural. In: LUNA, Manuel (ed.) La ciudad en el tecer milenio. España: Fundación Universitaria San Antonio. p. 49-80, 2002.

JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003 [1966].

LEFEBVRE, Henri. O Direito à Cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

______. La production de l’espace. Paris: Ed. Anthropos, 1974.

______. The production of space. Oxford: Blackwell, 1992. [Production de l´espace, 1974].

LEI ORDINÁRIA nº 5.429/2012 Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Disponível em: https://mail.camara.rj.gov.br/APL/Legislativos/contlei.nsf/50ad008247b8f030032579ea0073d588/67120c4c1ae54a6603257a14006d2b1d?OpenDocument Acesso em: 18 de março de 2016

LIPOVETSKY, Gilles. & SERROY, Jean. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MAGNANI, José Guilherme C. O Circuito: proposta de delimitação da categoria, Ponto Urbe [Online], 15 | 2014. Disponível em: https://pontourbe.revues.org/2041 Acesso em: 22 Abril 2016.

MARCONI, M. de A., LAKATOS, E. V. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de pesquisa, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas, 1999.

MINAYO, Maria Cecília de S (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MUXI, Zaida. Episódios da transformação urbana de Barcelona. Revista Arqtexto. Porto Alegre, v. 17, p.104-123, 2010.

ORDENANÇA DE MESURES PER FOMENTAR I GARANTIR LA CONVIVÊNCIA CIUTADANA A L'ESPAI PÚBLIC DE BARCELONA_2006. Disponível em https://w110.bcn.cat/fitxers/home/noticies/ordenansacivisme.639.pdf Acesso em: 14 fev. 2016.

ORDENANZA MUNICIPAL DE LOS USOS DEL PAISAJE URBANO DE LA CIUDAD DE BARCELONA _2006a . Disponível em: http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwiugPiPx9HUAhUFkpAKHRB9DfAQFggnMAA&url=http%3A%2F%2Fw110.bcn.cat%2FPaisatgeUrba%2FContinguts%2FPresentacions%2FDocuments%2FOUPU%2520Cast.pdf&usg=AFQjCNG3rfX218NigNiEKkQPUBv7elkcCg Acesso em: 14 fev. 2016.

PESAVENTO, Sandra. Cidades Visíveis, Cidades Sensíveis, Cidades Imaginárias. Revista Brasileira de História, v. 27, n. 53, junho 2007.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO 2009-2012. Disponível em: https://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/6616925/4178940/planejamento_estrategico_site_01.pdf Acesso em: Acesso em: 14 out. 2016.

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2009 [1978].

SHAW, Martinés C. Cultura popular y cultura de las élites en la edad moderna, en VV.AA. Sobre el concepto de cultura. Barcelona, 1984.

VILAR-BOU, José Miguel. Diario de un músico callejero. Sevilla: Ediciones Espuela de Plata, 2013.

Publicado
2018-12-23
Como Citar
Falcão, D. (2018). Ocupar o Espaço Público!. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 21(4), 117-143. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2018.1933
Seção
Artigos Originais