Práticas Digitais, Lazer e Adolescência

Uma Etnografia

  • Guilherme Carvalho Franco da Silveira Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Atividades de Lazer, Adolescente, Mídia Digital

Resumo

O presente texto apresenta resultados de pesquisa cujo objetivo é compreender usos e sentidos que emergem de práticas mediadas pelas mídias digitais no cotidiano de adolescentes do terceiro ciclo de uma escola de ensino fundamental de tempo integral. A metodologia de pesquisa, na perspectiva da etnografia, envolveu: a) observação participante das práticas digitais dos adolescentes na escola; b) oficina de práticas digitais na escola. As principais questões que surgiram da pesquisa de campo dizem respeito a: nativos digitais; práticas digitais e gênero; práticas digitais e sociabilidade. Conclui-se pela crítica à noção de nativo digital e pela compreensão das práticas digitais como importantes atividades de lazer de adolescentes, que borram as fronteiras entre lazer, obrigação e estudo e que são mais um meio de sociabilidade e compartilhamento de experiências de vida do que de isolamento social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOYD, Danah. Making sense of teen life: strategies for capturing ethnographic data in a networked era. In: HARGITTAI, Eszter.; SANDVIG, Christian. Digital research confidential: the secrets of studying behavior online. Cambridge: The MIT Press, 2015.

BOYD, Danah. It’s complicated: the social lives of networked teens. New Haven: Yale University Press, 2014.

BUCKINGHAM, David. Introducing identity. In.: BUCKINGHAM, David (Org.). Youth, identity, and digital media. Cambridge: The MIT Press, 2008.

BUCKINGHAM, David. Cultura digital, educação midiática e o lugar da escolarização. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 37-58, set./dez., 2010. Disponível em: https://www.ufrgs.br/edu_realidade. Acesso em: 15 nov 2015.

BUCKINGHAM, David; BURN, Andrew. Game literacy in theory and paractice. Journal of Educational Multimedia and Hypermedia, v. 16, n. 3, p. 323, 2007.

CARVALHO, Olívia Bandeira de Melo. Jogar, encontrar amigos ou espalhar o currículo por aí: uma etnografia na Lan House e no Telecentro. 2010. 180 f. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2010.

CINTRA, Hermano. De nativos digitais a fluentes digitais. In: ROCHA, Cleomar; SANTAELLA, Lúcia (Org.). A onipresença dos jovens nas redes. Goiânia: Gráfica UFG, 2015.

COLEMAN, Gabriella. Ethnographic approaches to digital media. Annu. Rev. Anthropol. v. 39, p.487-505, 2010. Disponível em: www.annualreviews.org . Acesso em 24 mai 2016.

COMITÉ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL (CGI.Br). Pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil. TIC Kids Online Brasil 2015. São Paulo: CGI.Br, 2016.

DAYRELL, Juarez. A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educação e sociedade, v. 28, n. 100, p. 1105-1128, 2007.

FINNEMANN, Neil O. Digitization: New Trajectories of Mediatization. In: LUNDBY, K. (ed.) Handbook of Communications. v. 21, p. 297-322, 2014.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GIL, Adriana et al. ¿Nuevas tecnologías de la información y la comunicación o nuevas tecnologías de relación? Niños, jóvenes y cultura digital [artigo online]. Revista Online da Universitat Oberta de Catalunya. s.v., s.n., 2003. Disponível em: http://www.uoc.edu/dt/20347/index.html Acesso em: 26 out. 2015.

GOMES, Christianne Luce. O direito ao lazer de crianças e adolescentes: problematização e desafios. In: SILVA, Fernando; GUIMARÃES, Beatriz (Orgs.). Nas trilhas da proteção integral: 25 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente. Recife: Instituto Brasileiro Pró-Cidadania, 2015.

KELLNER, Douglas; SHARE, Jeff. Educação para a leitura crítica da mídia, democracia radical e a reconstrução da educação. Educação & Sociedade, v. 29, n. 104, 2008.

LEVY, Pierre. Cibercultura. Editora 34, 2010.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. DE PERTO E DE DENTRO: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v. 17, n. 49, p. 11-29, jun. 2002

MARTINO, Luís Mauro Sá. Teoria das Mídias Digitais: linguagens, ambientes e redes. Petrópolis: Vozes, 2015.

PALFREY, John. Digital natives and the three divides to bridge. In: UNICEF. The state of the world’s children. Adolescence: an age of opportunity. New York: Unicef, 2011. Disponível em: www.unicef.org . Acesso em 23/10/2016.

PRENSKY, Marc. Digital Natives, Digital Immigrants, Part II: Do they really think differently? On the Horizon, v. 6, p. 1-9, dez 2001.

RODE, Jennifer A. Reflexivity in Digital Anthropology. In: SIGCHI Conference on Human Factors in Computing Systems, 2011, Vancouver. Anais... Vancouver: ACM, 2011, p. 123-132.

SAMPAIO, Tania M. V. Lazer e gênero: um binômio instigante. In. MARCELLINO, Nelson Carvalho. Lazer e Sociedade: múltiplas relações. Campinas: Alínea, 2008.

SAVAZONI, Rodrigo; COHN, Sergio. Cultura digital.br. Rio de janeiro: Beco do Azougue, 2009.

SILVA, Carla Regina; LOPES, Roseli esquerdo. Adolescência e juventude: entre conceitos e políticas públicas. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, v. 17, n. 2, jul-dez 2009, p. 87-106.

STERNE, Jonathan. The computer race goes to class: how computers in schools helped shape the racial topography of the Internet.. In: KOLKO, Beth E.; NAKAMURA, Lisa; RODMAN, Gilbert B. (eds.) Race in Cyberspace. New York: Routledge, 2000.

UNICEF. The state of the world’s children. Adolescence: an age of opportunity. New York: Unicef, 2011. Disponível em: www.unicef.org . Acesso em 23/10/2016.

VELHO, Gilberto. Observando o familiar. In: NUNES, Edson de Oliveira. A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1978. cap. 2, p. 36-46.

Publicado
2018-12-23
Como Citar
Silveira, G. C. F. da. (2018). Práticas Digitais, Lazer e Adolescência. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 21(4), 218-258. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2018.1937
Seção
Artigos Originais