As Cervejarias de Imigrantes Alemães e Teutos-Brasileiros e os Divertimentos Citadinos

  • Jakeline Duque de Moraes Lisboa Prefeitura Municipal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Indústria Cervejeira, Emigrantes e Imigrantes, Divertimento, Atividades de Lazer

Resumo

As cervejarias fundadas em Juiz de Fora/MG por imigrantes alemães e teuto-brasileiros nas décadas finais do século XIX foram importantes para a criação de um cenário de divertimento citadino. Através da oferta de diferentes atividades em seus parques de recreio, bosque ou jardins como eram denominados, foi gerado um novo dinamismo social e cultural, haja vista que se localizavam em diversos bairros, descentralizado assim as oportunidades de divertimento. Poucos são os trabalhos que se debruçaram a analisar o lazer sob a perspectiva histórica na cidade mineira e neste sentido propomos compreender parte da história destas cervejarias, num total de nove, e principalmente, o divertimento oferecido e usufruído nestes espaços nas décadas finais do século XIX e a primeiras décadas do século XX. Foi possível perceber que os divertimentos oferecidos nas cervejarias promoveram a sociabilidade urbana local levando a diferentes pontos da cidade, práticas de diversão. Da mesma forma, através das diversas atividades oportunizadas em seus parques, impulsionaram um dinamismo cultural à cidade que já no início do século XX se destacava por sua expressividade industrial e desenvolvimento cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMANAK DE JUIZ DE FORA, 1891

ALMANAK DE JUIZ DE FORA, 1897.

ANDRADE, S. M. B. V. Classe operária em Juiz de Fora - Uma história de lutas (1912-1924). Juiz de Fora: EDUFJF, 1987.

ARANTES, Luiz Antônio Valle. Caminhos incertos, conflitos religiosos e empreendimentos: a trajetória dos alemães na cidade. In: BORGES, Célia M. (Org.) Solidariedades e Conflitos: Histórias de vida e trajetórias de grupos em Juiz de Fora. Juiz de Fora: Edufjf, 2000.

ARQUIVO MUNICIPAL DE JUIZ DE FORA, 1895.

BASTO, Fernando Lázaro de Barros. Síntese da História da Imigração no Brasil. Rio de Janeiro: [s.n.] 1970.

CASTRO, Newton Barbosa de. A contribuição dos imigrantes alemães na industrialização de Juiz de Fora. In: História Econômica de Juiz de Fora. Juiz de Fora: IHGJF, 1987.

CHRISTO, Maraliz de Castro Vieira. A europa dos pobres: Juiz de Fora na belle- èpoque mineira. Juiz de Fora: EDUFJF, 1994

DIAS, Cleber Augusto Gonçalves. Teorias do lazer e modernidade: problemas e definições. Licere, Belo Horizonte, v. 12, n. 2, jun. 2009. Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/licere/article/view/575 . Acesso em: 12 fev. 2016.

DIEGUES JUNIOR, Manuel. Imigração, Urbanização, Industrialização. Rio de Janeiro: Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais, 1964.

ESTEVES, A ; LAGE,O. Álbum do Município de Juiz de Fora. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1915.

FLORES, Hilda Agnes Hubner. História da Imigração Alemã no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EST, 2004.

JORNAL DO COMMERCIO, 04 ago. 1895.

JORNAL DO COMMERCIO, 14 mar. 1897.

JORNAL DO COMMERCIO, 27 jun. 1897.

LESSA, Jair. História de Juiz de Fora. Juiz de Fora: Esdeva, 1985

LISBOA, Jakeline Duque de Moraes. Turnerschaft: Clube Ginástico de Juiz de Fora (1909-1979). 2010. 248 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física). Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2010.

________. O Divertimento nos espaços associativos de imigrantes alemães e teuto-brasileiros em Juiz de Fora - MG: do último quartel do séc. XIX ao fim da II Guerra Mundial. 2017. 210 f. Tese (Doutorado em Estudos do Lazer). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

MARQUES, Teresa Cristina de Novaes. A cerveja e a cidade do Rio de Janeiro de 1888 ao início dos anos de 1930. Brasília: Paco Editorial, 2014.

MELO, V.A. O esporte: uma diversão no Rio de Janeiro do século XIX. Revista Brasileira de Estudos do Lazer. Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p. 49-66, set./dez. 2015. 196. Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/rbel/article/view/1869 . Acesso em: 15 mar. 2017.

______. Esporte, cidade e modernidade: Rio de Janeiro. In: MELO, A (Org.). Os sports e as cidades brasileiras: transição dos século XIX e XIX. Rio de Janeiro: Apicuri: FAPERJ, 2010.

______. O lazer (ou a diversão) e os estudos históricos. In: ISAYAMA, H. F.; SILVA, S. R. da. Estudos do Lazer: um panorama. Rio de Janeiro: Apicuri, 2011.

______; KARLS, Thaina Schwan. Novas dinâmicas de lazer: as fábricas de cerveja no Rio de Janeiro do século XIX (1856-1884). Movimento, Porto Alegre, v. 24, n. 1, p. 147-160, 2018.

MULLER, Telmo Lauro. Colônia alemã, 160 anos de história. São Leopoldo: Rotermund, 1984.

OBERACKER JUNIOR, C. H. A contribuição teuta à formação da nação brasileira. Rio de Janeiro: Presença, 1975.

OLIVEIRA, Marcus Aurelio Taborda de. A educação dos sentidos na história: o tempo livre como possibilidade de formação. In: ISAYAMA, H. F.; SILVA, S. R. da. Estudos do Lazer: um panorama. Rio de Janeiro: Apicuri, 2011.

OLIVEIRA, Paulino. História de Juiz de Fora. Juiz de Fora: Dias Cardoso, 1966.

______. Crônicas. Belo Horizonte: BDMG Cultural, 2001.

O PHAROL, 31 out. 1882.

O PHAROL, 31 dez. 1882.

O PHAROL, 12 maio 1883.

O PHAROL, 21 maio 1884.

O PHAROL, 25 maio 1884.

O PHAROL, 01 ago. 1888.

O PHAROL, 22 jul. 1890.

O PHAROL, 05 abr. 1891.

O PHAROL, 06 dez. 1894.

O PHAROL, 02 set. 1895.

O PHAROL, 23 fev. 1890.

O PHAROL, 19 jul. 1890.

O PHAROL, 09 jul. 1903.

O PHAROL, 23 set. 1906.

O PHAROL, 01 jan. 1911.

O PHAROL, 29 set. 1897.

O PHAROL, 21 mar. 1903.

O PHAROL, 05 maio 1906.

O PHAROL, fev. 1907.

O PHAROL, 20 jun. 1914.

O PHAROL, 22 abr. 1917.

O PHAROL, 05 dez. 1918.

QUITZAU, Evelise Amgarten. A ginástica alemã na cidade de São Paulo: o turnerschaft von 1890 in São Paulo (1890-1938). In: CONGRESO ARGENTINO, 9 y LATINOAMERICANO DE EDUCACIÓN FÍSICA Y CIENCIAS, LA PLATA, 4 2011. Anais… Disponível: https://congresoeducacionfisica.fahce.unlp.edu.ar. Acesso em: 19 nov. 2015.

RAMBO, Arthur. O associativismo teuto-brasileiro e os primórdios do cooperativismo no Brasil. Perspectiva Econômica, v. 23, n. 62, jul./ dez. 1998.

SANTANA, Nara Maria Carlos de. Colonização alemã no Brasil: uma história de identidade, assimilação e conflito. Dimensões, v. 25, 2010, p. 235-248. Disponível em: file:///D:/Documentos/Downloads/DialnetcolonizacaoAlemaNoBrasilUmaHistoriaDeIdentidadeAss-3638002%20(1).pdf. Acesso: 26 jan. 2015.

SEYFERT, Giralda. A identidade teuto-brasileira numa perspectiva histórica. In: MAUCH, C.; VASCONCELLOS, N. Os alemães no sul do Brasil: cultura, etnicidade, história. Canoas: Ulbra, 1994.

SILVA, Erminia. A teatralidade circense no Rio de Janeiro do século XIX. In: MARZANO, A.; MELO, V. A. (Org.). Vida Divertida: histórias do lazer no Rio de Janeiro (1830- 1930). Rio de Janeiro: Apicuri, 2010.

STEHLING, Luiz José. Juiz de Fora, a Companhia União e Indústria e os Alemães. Juiz de Fora: FUNALFA edições, 1979.

Publicado
2018-12-23
Como Citar
Lisboa, J. D. de M. (2018). As Cervejarias de Imigrantes Alemães e Teutos-Brasileiros e os Divertimentos Citadinos. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 21(4), 286-312. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2018.1942
Seção
Artigos Originais