Políticas Públicas de Esporte em Parques e a Inclusão de Pessoas com Deficiência

  • Junior Vagner Pereira da Silva Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
  • Dirceu Santos Silva Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
  • Tânia Mara Vieira Sampaio Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG)
Palavras-chave: Política Pública, Esportes, Atividades de Lazer

Resumo

O objetivo é analisar se as políticas públicas de esporte e lazer em parques de Campo Grande/MS promovem a acessibilidade metodológica e programática das pessoas com deficiência. Trata-se de uma pesquisa descritivo-exploratória, realizada em cinco parques esportivos de Campo Grande-MS, por meio de entrevistas estruturadas. Os resultados indicam que o poder público não tem promovido a acessibilidade programática e metodológica, a partir do momento que inexistem ações políticas para esse público. A inclusão de pessoas com deficiência foi verificada apenas em um parque, promovida por uma ONG. Os programas analisados não adaptaram as regras com ênfase na acessibilidade metodológica e inclusão de todas as pessoas. Dessa forma, conclui-se que o direito de acessibilidade programática e metodológica das pessoas com deficiências nas práticas de esporte e lazer de Campo Grande/MS tem sido violado.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, P. F. Desporto adaptado no Brasil. São Paulo: Phorte, 2011.

BORJA, J. La ciudad conquistada. Madrid: Alianza editorial, 2013.

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988. 292p.

COLLET, C et al. Fatores determinantes para realização de atividades físicas em Parque Urbano de Florianópolis. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, Pelotas, v. 13, n. 1, p. 15-23, 2008.

COSTA, A. M.; SOUSA, S. B. Educação Física e esporte adaptado: história, avanços e retrocessos em relação aos princípios da integração/inclusão e perspectivas para o século XXI. Revista Brasileira de Ciências e Esporte, Florianópolis, v. 25, n. 3, p. 27-42, 2004.

DIAS, D. F.; LOCH, M. R., RONQUE, E. R. V. Barreiras percebidas à prática de atividade físicas no lazer e fatores associados em adolescentes. Ciências & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 11, p. 3339-3350, 2015.

FERMINO, R. C; REIS, R. S.; CASSOU, A. Fatores individuais e ambientais associados ao uso de parques e praças por adultos de Curitiba-PR, Brasil. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, Florianópolis, v. 14, n. 4, p. 377-389, 2012.

HUNGER, D.; SQUARCINI, C. F. R.; PEREIRA, J. M. A pessoa portadora de deficiência física e o lazer. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 25, n. 3, p. 85-100, 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Perfil dos Municípios – Esporte 2003. Rio de Janeiro: Comunicação social, 2006: Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_impressao.php?id_noticia=567>. Acesso em: 29 mai. 2010.

MARCONI, M. A; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MATURANA, L. et al. Inclusão social: esporte para deficientes visuais. In: DA COSTA, L. Atlas do esporte no Brasil. Rio de Janeiro: Shape, 2005. p. 645-649.

MAUERBERG-de-CASTRO, E; TOLOI, G. G.; CIDADE, R. E. Esporte para deficientes: do alto rendimento ao esporte de participação. In: MAUERBERG-de-CASTRO, E. (Org.). Atividade física adaptada. 2. ed. Ribeirão Preto: Novo conceito, 2011. p. 531-580.

MENICUCCI, T. Políticas públicas de lazer: questões analíticas e desafios políticos. In: ISAYAMA, H. F.; LINHALES, M. A. (Org.). Sobre lazer e política: maneiras de ver, maneiras de fazer. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006. p. 137-164.

MÜLLER, W. A.; SILVA, M. C. Barreiras à prática de atividades físicas de adolescentes escolares da zona sul do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, Pelotas, v.18, n. 3, p. 344-346, 2013.

NOGUEIRA, J. A. D.; SOUSA, A. F. M. Barreiras percebidas e etapas de mudanças de comportamento relacionadas à prática de atividade física em professores de escolas públicas. Revista Brasileira de Ciências e Movimento, Taguatinga, v. 20, n. 1, p. 65-70, 2012.

OLIVEIRA, S. L. Tratado de metodologia científica. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 2002.

PEREIRA, P. Política social: temas & questões. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

PETROSKI, É. L. et al. Estágios de mudança de comportamento e percepção positiva do ambiente para atividade física em usuários de parque urbano. Motricidade, Ribeira de Pena, v. 5, n. 2, p. 17-31, 2009.

PINHEIRO, K. C. et al. Barreiras percebidas para a prática de atividade física de musculação em adultos desistentes da modalidade. Revista Brasileira de Atividade física & Saúde, Pelotas, v.15, n. 3, p. 157-162, 2010.

PIZANI, J. et al. O parque do Ingá como espaço público de lazer: uma análise da percepção do ambiente. Licere, Belo Horizonte, v. 18, n. 3, p. 61-85, 2015.

POCINHO, M.; FIGUEIREDO, J. P. Métodos e técnicas de investigação científica. Coimbra: Escola Superior Tecnologia da Saúde de Coimbra, 2004.

RODRIGUES, M. A. Políticas públicas. São Paulo: Publifolha, 2010.

RICHARDSON, R.J et al. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas; 1999.

SAMPAIO; J. H.; FREITAS, M. H. A indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão – És tu a Universidade que estava por vir ou esperaremos por outra? In: FREITAS, L. G.; MARIZ, R. S. (Org.). Educação superior: princípios, finalidade e formação continuada de professores. Brasília: Universa, 2010

SASSAKI, R. K. Inclusão: acessibilidade no lazer, trabalho e educação. Revista Nacional de Reabilitação, São Paulo, ano XII, v. 3, p. 10-16, 2009.

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SENATORE, V. Parolímpicos do futuro. In: CONDE, Antônio João Manescal; SOBRINHO, P. A. S.; SENATORE, V. (Orgs.). Introdução ao movimento paraolímpico: manual de orientação para professores de educação física. Brasília: Comitê Paraolímpico Brasileiro, 2006. p. 9-23.

SILVA, E. P. C. et al. Percepção da qualidade do ambiente e vivências em espaços públicos de lazer. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. 2016.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, v. 8, n. 16, p. 20-45, 2006.

SOUZA, R. P.; CAMPOS, D. Atividade esportiva para deficientes visuais: uma análise quantitativa no município do Rio de Janeiro. Revista de Educação Física, Rio de Janeiro, v. 142, n. 1, p. 50-57, 2008.

WINNICK, J. Educação Física e esportes adaptados. Barueri: Manole, 2004.

Publicado
2018-12-23
Como Citar
Silva, J. V. P. da, Silva, D. S., & Sampaio, T. M. V. (2018). Políticas Públicas de Esporte em Parques e a Inclusão de Pessoas com Deficiência. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 21(4), 339-358. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2018.1944
Seção
Artigos Originais