Parkour

Do Principio Filosófico ao Fim Competitivo

  • Dimitri Wuo Pereira Universidade Nove de Julho (UNINOVE)
  • Tony Honorato Universidade Estadual de Londrina (UEL)
  • José Ricardo Auricchio Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS)
Palavras-chave: Parkour, História, Educação Física e Treinamento, Competição

Resumo

O Parkour é a arte do deslocamento que desde sua origem na França segue princípios associados a melhoria das valências físicas, cooperação, respeito, coragem e superação. Essa pesquisa objetiva identificar os elementos do Parkour que permitam reconhecer seu processo histórico no Brasil e que desvende seu modo de ser, para que se possa vislumbrar os rumos da atividade no futuro. Através da história oral de um praticante comparada com a pesquisa bibliográfica verificamos que há uma distância entre o Parkour e a Educação Física dissociando a aprendizagem de uma metodologia organizada e da prevenção de lesões. Além disso, a filosofia original está sendo contestada pelo princípio Olímpico da competição, ao qual o Parkour sempre se colocou contra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Carla da Silva Reis; CORSINO, Luciano Nascimento. O parkour como possibilidade para a Educação Física escolar. Motrivivência. Florianópolis. Ano XXV, n. 41, p. 247 – 257, dez. 2013.

ANGEL, Julie Margaret. Ciné Parkour: a cinematic and theoretical contribution to the understanding of the practice of parkour. 2011. 226f. Tese de doutorado em Filosofia, Screen Media Research Centre, Brunel University, 2011.

BARROS, Daniel Ferreira. Esportes radicais: o histórico do le parkour e as características dos seus praticantes. EFDeportes – Revista Digital, Buenos Aires, ano 19, n.199, dez. 2014. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd199/esportes-radicais-o-historico-do-le-parkour.htm. Acesso em: 30 out. 2017.

CARVALHO, Wallace Brehmer Gomes Rodrigues; VIANA, João Batista dos Reis. A avaliação do desenvolvimento da aptidão física através da prática do parkour no âmbito da educação física escolar. Revista Acta Brasileira do Movimento Humano – v. 6, n. 2, p. 20 – 33, abr./jun., 2016.

CARVALHO, Rui Gonçalves; PEREIRA, Ana Luísa. Percursos alternativos – o Parkour enquanto fenómeno sub(cultural). Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. V. 8, n. 3. p. 427 – 440, 2008.

CHAGAS, Raíssa Ramos; ROJO, Jeferson Roberto; GIRARDI, Vania Lucia. O processo de esportivização de uma modalidade: o parkour enquanto prática espetacularizada. The Journal of Latin America Social-cultural Studies of Sports. Curitiba. V. 1, n.1, p. 21 – 33, 2015.

FERNANDES, Alessandra Vieira; GALVÃO, Lilian Kelly de Sousa. Parkour e valores morais: ser forte para ser útil. Motrivivência, Florianóplis, v. 28, n. 47, p. 226-240, maio/2016. Disponível em: http://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2016v28n47p226/31829. Acesso em: 08 jun. 2018.

FREITAS, Sonia Maria de. História oral: possibilidades e procedimentos. 2.ed. São Paulo: Associação Editorial Humanitas, 2006.

FIG – Federação Internacional de Ginástica, 2017. Rules for the FIG Parkour World Cup. Series 2018 – 2019. Disponível em: file://C:/Users/dimitri/Documents/produções/parkour/en_PK%20World%20Cup%20Rules%202018-2019.pdf. Acesso em: 15 set. 2018.

GEYH, Paula. Urban free flow: A poetics of parkour. Jornal media and culture. v. 9, n. 3. jul. 2006.

LORDÊLO, Alexandre Francisco; DIAS JUNIOR, Elson Moura; MORSHBACHER, Márcia. Parkour e freeruning: a tentativa de esportivização. Anais do IV Congresso Nordeste de Ciências do Esporte. Feira de Santana - BA, setembro, 2012. Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte. Disponível: https://cbce.tempsite.ws/congressos/index.php/4conece/ne2012. Acesso em 30 nov. 2017.

MARQUES, Rafael Adriano. O que é que o Ibirapuera tem? Le parkour e esportes radicais no parque. Ponto Urbe. Revista do núcleo de antropologia urbana da USP. n. 3, 2008. Disponível em: http://journals.openedition.org/pontourbe/1839. Acesso em: 10 jul. 2018.

PEREIRA, Dimitri Wuo; ARMBRUST, Igor. Pedagogia da Aventura: os esportes radicais de aventura e ação na escola. Jundiaí: Fontoura, 2010.

SILVA, Tatiana Maria Bernardo; COSTA, Alessandra Mello; CARVALHO, José Luis Felicio. Resistência ao consumo em um circuito urbano de parkour. Comunicação, mídia e consumo. São Paulo. ano 8, vol. 8 n. 22, p. 119 – 146, jul. 2011.

SOARES, Carmem Lúcia. Uma educação pela natureza: O método de Educação Física de Georges Hébert. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. v.37, n.2, p.151-157, 2015.

STRAMANDINOLI, Ana Luiza Martins; REMONTE, Jarbas Gomes; MARCHETTI, Paulo Henrique. Parkour: História e conceitos da modalidade. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte – v. 11, n. 2, p.13-25, 2012.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

VECCHIOLLI, Demétrio. Por olimpíada e sem nome, parkour agora é uma modalidade de ginástica. Blog olhar olímpico, 11 de maio de 2017. Disponível em: http://olharolimpico.blogosfera.uol.com.br/2017/05/11/por-olimpiada-e-sem-nome-parkour-agora-e-uma-modalidade-da-ginastica/ Acesso em: 05 maio 2017.

Publicado
2020-03-17
Como Citar
Pereira, D. W., Honorato, T., & Auricchio, J. R. (2020). Parkour. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 23(1), 134-152. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2020.19690
Seção
Artigos Originais