Lazer e Participação Social na Percepção da Pessoa com Deficiência Visual

  • Maria Luiza Valeriano Martins Oliveira Universidade de São Paulo (USP) - Campus Ribeirão Preto
  • Regina Yoneko Dakuzaku Carretta Universidade de São Paulo (USP) - Campus Ribeirão Preto
Palavras-chave: Transtornos da Visão, Atividades de Lazer, Terapia Ocupacional

Resumo

O presente estudo teve como objetivo compreender a percepção de indivíduos com deficiência visual sobre o lazer e a participação social. Trata-se de um estudo qualitativo, transversal e exploratório que foi realizado com 11 indivíduos com deficiência visual, moradores e ex-moradores de uma associação em Ribeirão Preto (SP). Para a coleta de dados usou-se entrevista semiestruturada, sendo interpretada segundo análise de conteúdo temática. Foram consideradas quatro categorias pré-definidas para análise: O que é lazer?; Oportunidades de lazer para a pessoa com deficiência visual; Inclusão Social; e A percepção quanto à participação social. Ás percepções dos sujeitos entrevistados permitiu concluir que o lazer e a participação social são temas pouco desenvolvidos, e seria importante investir em intervenções que beneficiem essa população bem como na ampliação dos estudos desses temas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, M. A. B.; GUTIERREZ, G.L.; MARQUES, R. Qualidade De Vida: definição, conceitos e interfaces com outras áreas de pesquisa. São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades - EACH/USP. 2012. Disponível em: http://each.uspnet.usp.br/edicoes- each/qualidade_vida.pdf. Acesso em: 02 out 2019.

AOTA. Estrutura e prática da Terapia Ocupacional: domínio e processo. Rev Ter Ocup Univ São Paulo; jan.-abr. 2015.

BELTRAME, A.L.N, et al. A cidade, o lazer, e a pessoa com deficiência: entre a invisibilidade e emergência da participação social. Licere, Belo Horizonte, v.21, n.2, jun. 2018. Disponível em: http://seer.ufmg.br. Acesso em: 10 dez. 2018.

BRASIL. Ministério do Turismo. Secretaria Nacional de Políticas de Turismo. Turismo e acessibilidade: manual de orientações / Ministério do Turismo, Coordenação - Geral de Segmentação. 2. ed. Brasília: Ministério do Turismo, 2006. 294 p.

CARVALHO, A. J. A importância do transporte público e da acessibilidade como meios de acesso a direitos de cidadania das pessoas com deficiência : o caso dos cadeirantes de Franca-SP : [s.n.], 2017. 164 p. Dissertação (Mestrado Profissional – Políticas Públicas). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais. 2017.

CAVALCANTE, R.B; CALIXTO, P.; PINHEIRO, M.M.K. Análise de conteúdo: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v.24, n.1, p. 13-18, 2014. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br. Acesso em: 10 dez. 2018.

DRUMMOND, A. F. Fundamentos da Terapia Ocupacional. In: CAVALCANTI, A.; GALVÃO, C. Terapia Ocupacional: Fundamentação & Prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p.10-17, 2014.

FARIA-FORTINI, I. et al. Caracterização da participação social de indivíduos na fase crônica pós-acidente vascular encefálico. Rev Ter Ocup Univ São Paulo, jan.-abr.;28(1):71-8, 2017.

FARIA, M. D.; MOTTA, P. C. Pessoas com Deficiência Visual: barreiras para o lazer turístico. Turismo em Análise, v. 23, n. 3, p. 691-717, 2012.

FARIAS, S. R. R.; SERVO, M. L. S. Representação social, lazer, e mulheres portadoras de cegueira congênita. Rev. baiana saúde pública, v.29, n.2, p. 200-213,2005. Disponível em: http://bases.bireme.br . Acesso em: 25 jul. 2016.

GLANTZ, C.H.; RICHMAN, N. Atividades de lazer. In: PEDRETTI, L.W.; EARLY, M.B. Terapia Ocupacional: Capacidades práticas para as disfunções físicas. 5. ed. São Paulo, p. 268-275, 2005.

MARCELLINO, N. C. (Org.) Lazer & esporte: políticas públicas. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2001.

MARTINELLI, S. A. A importância de atividades de lazer na terapia ocupacional. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFScar, São Carlos, v. 19, n.1, p. 111-118, 2011. Disponível em: https://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br. Acesso em: 25 jul. 2016.

MAZZOTTA, M.J.S.; D'ANTINO, M.E.F. Inclusão social de pessoas com deficiências e necessidades especiais: cultura, educação e lazer. Saude soc. [online], v.20, n.2, p.377-389, 2011.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 7. ed. São Paulo: Hucitec, 2000. 269 p.

OMS. Visual Impairment and Blindness. UN oficial report Fact Sheet nº 282. 2018. Disponível em: http://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/blindness-and-visual-mpairment . Acesso em: 10 dez. 2018.

PINHEIRO, M.F.G; GOMES, C.L. A temática do lazer em cursos de graduação da área da saúde. Belo Horizonte, Motriz: Rev. Educação Física, v.17, n.4, p.579-590, 2011. Disponível em: http://www.scielo.com.br. Acesso em: 25 jul. 2016.

RIBEIRO, L. B. Disfunção Visual. In: CAVALCANTI, A.; GALVÃO, C. Terapia Ocupacional: Fundamentação & Prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p.399-413, 2014.

SAITO, C. M. Atividade de lazer: tessitura de espaços para a alteridade [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 2010. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5163/tde-04112010-173800/en.php . Acesso em: 25 jul. 2016.

WARREN, M. Avaliação e tratamento de deficiências visuais. In: PEDRETTI, L.W.; EARLY, M.B. Terapia Ocupacional: Capacidades práticas para as disfunções físicas. 5. ed. São Paulo, p. 405-442, 2005.

Publicado
2020-03-24
Como Citar
Oliveira, M. L. V. M., & Carretta, R. Y. D. (2020). Lazer e Participação Social na Percepção da Pessoa com Deficiência Visual. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 23(1), 561-581. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2020.19802
Seção
Artigos Originais