O Lazer nas Conferências e nos Planos Nacionais de Políticas para as Mulheres

  • Claudia Regina Bonalume Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Hélder Ferreira Isayama Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Atividades de Lazer, Mulheres, Conferências

Resumo

Neste artigo trazemos uma análise acerca da relação mulheres e lazer, presente nas conferências e nos planos nacionais de políticas para as mulheres. Até o momento, as cinco conferências nacionais e os três planos delas derivados nos permitem perceber que a temática do lazer se faz timidamente presente nas demandas, quase restrita às situações em que um rol de direitos é reivindicado. No entanto, a participação dos órgãos governamentais responsáveis por políticas que envolvem lazer na elaboração dos planos, a exemplo dos ministérios da Cultura e do Esporte, interfere no resultado, favorecendo a inclusão da temática. O lazer, quando mencionado, é tratado como vivência significativa, humanizada, integrada e contextualizada, sem ênfase ao viés compensatório. Embora não esteja invisível, é possível perceber que esse direito social ainda é pouco demandado pelo segmento mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABERS, Rebecca, SERAFIM, Lizandra, TABAGIRA, Luciana. Repertórios de Interação Estado-Sociedade em um Estado Heterogêneo: A Experiência na Era Lula. Dados [online]. 2014, v.57, n.2, p.325-357.

AMB (Articulação de Mulheres Brasileiras). Plataforma Política Feminista. Recife, PE, 2002. Disponível em: https://www.institutobuzios.org.br/documentos/PLATAFORMA%20POLITICA%20FEMINISTA.pdf. Acesso em 13 nov. 2018.

AMB. A revista Memória II ENAMB - Transformando o mundo pelo feminismo. II Encontro Nacional da AMB. 2011. Disponível em: https://www.articulacaodemulheres.org.br/.Acesso em 13 dez. 2018.

AVRITZER, Leonardo. Conferências Nacionais: ampliando e redefinindo os padrões de participação social no Brasil. RJ, IPEA, texto para discussão 1.739, 2012. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/participacao/images/pdfs/td_1739.pdf. Acesso: 22 jan. 2019.

BAHIA, Mirleide. C.; BRITO, Ronivaldo dos S. B. O lazer do Brasileiro: como é vivenciado o tempo; In: STOPPA, Edmur A. e ISAYAMA, Helder F. (org.). Lazer no Brasil: representações e concretizações das vivências cotidianas. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2017.

BARBOSA, Carla; LIECHTY, Toni.; PEDERCINI, Raquel. Restrições ao lazer feminino: particularidades das experiências de lazer de mulheres Homossexuais. Revista Licere, Belo Horizonte, v.16, n 2, junho/2013.

BONALUME, Claudia. R.; ISAYAMA, Helder. F. As Mulheres na Pesquisa O Lazer do Brasileiro. Revista Brasileira de Estudos do Lazer, v. V, p. 3-24, 2018.

BRASIL. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. – Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2004. Disponível em: https://www.spm.gov.br/assuntos/pnpm/plano-nacional-politicas-mulheres.pdf. Acesso em: 06 jan. 2019.

______. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008. Disponível em: https://portal.mec.gov.br/dmdocuments/planonacional_politicamulheres.pdf. Acesso em: 06 jan. 2019.

______. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres, 2013. Disponível em: https://www.spm.gov.br/assuntos/pnpm/publicacoes/pnpm-2013-2015-em-22ago13.pdf. Acesso em: 28 jan. 2019.

BRUHNS, Heloísa T. A crise do Lazer Moderno e concepções de corpo. Revista Licere, Belo Horizonte, v.12, n 4, Dez./2009.

CARRASCO, Cristina. Estatísticas sob suspeita: proposta de novos indicadores com base na experiência das mulheres. SOF: Sempreviva Organização Feminista, São Paulo, 2012.

COUTINHO, Carlos Nelson. Notas sobre cidadania e modernidade. Disponível em: www.assistentesocial.com.br/agora3/coutinho.doc. Acesso em: 22 jun. 2016.

ESCALDANTE, Sara O. Where is women´s right to the night in the new urban agenda? The need to include an intersectional gender perspective in planning the night. Towards Habitat III: a gender perspective. Special Issue, Università degli Studi Federico II di Napoli. v.9, n.1, p.165, june 2016.

FOUCAULT, Michel. Polêmica, Política e Problematizações. In: FOUCAULT, M. Ditos e escritos V: Ética, sexualidade, política. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

GARCIA, Carla C. Breve história do feminismo. 3. ed. São Paulo: Editora Claridade, 2015.

GIROUX, Henry A. Atos Impuros: a prática política dos estudos culturais. Porto Alegre: Artmed, 2003.

GODBEY, Geoffrey. The customization of life and leisure: as mediator in the manufacture of value of joy in the context of communication policy. Revista Hospitalidade, v. 8, n. 1, junho de 2011.

GOELLNER, Silvana; et al. Lazer e Gênero nos Programas de Esporte e Lazer das Cidades. Revista Licere, Belo Horizonte, v.13, n 5, Dez./2010.

GOMES, Christiane L.; RAMOS Alícia M. O.; SEREJO, Hilton F. B. Conhecimentos sobre o Lazer nos Cursos de Graduação em Turismo de Minas Gerais. In Turismo em análise, v. 21, n. 2, agosto de 2010, p.357 a 380.

______. Lazer: necessidade humana e dimensão da cultura. Revista Brasileira de Estudos do Lazer. Belo Horizonte, v. 1, n.1, p. 3-20, jan/abr. 2014.

HALL, Stuart. A identidade cultural da pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro, 12. Ed. Lamparina, 2015.

ISAYAMA, Helder Ferreira. Formação Profissional no âmbito do lazer: desafios e perspectivas. In: ISAYAMA, Helder (Org.). Lazer em Estudo: currículo e formação profissional. Campinas: Papirus, 2010. p. 9-25.

LEFEBVRE, Henri. A revolução urbana. Belo Horizonte, Editora UFMG, 1999.

LEIVA, João e MEIRELLES, Ricardo (org). Cultura nas capitais: como 33 milhões de brasileiros consomem diversão e arte. Rio de Janeiro: 17Street Produção Editorial, 2018.

MELO, Victor Andrade. Lazer e minorias sociais. São Paulo: IBRASA, 2003.

MENICUCCI, Telma M. G. e BRASIL, Flávia de P. D. Construção de agendas e inovações institucionais: análise comparativa da reforma sanitária e da reforma urbana. Textos para discussão. Escola de Governo/FJP. Estud. sociol., Araraquara, v.15, n.29, p.369-396, 2010.

PARRY, Diana C. The relational politics of gender and leisure. In: WALKER, Gordon J., SCOTT, David and STODOLSKA, Monika (org.). Leisure matters: the state and future of leisure studies. Venture Publishing, Inc., State College, Pennsylvania, 2015.

PEDRO, Joana M. Lugar de mulher é onde ela quiser. Sem limites. Entrevista a Marina Lemle. Blog de História, Ciências, Saúde – Manguinhos, RJ, 2018. Disponível em: https://www.revistahcsm.coc.fiocruz.br/joana-maria-pedro-lugar-de-mulher-e-onde-ela-quiser-sem-limites/. Acesso em: 10 maio 2018.

PERISTA, Heloísa. Gênero e trabalho não pago: o tempo das mulheres e o tempo dos homens. Análise Social, v. 36, n. 163, p. 447-474, 2002.

PINTO, L. M. S. de M. Seminário Nacional de Políticas Públicas de Esporte e Lazer - Construindo políticas públicas de lazer no Brasil. In: TONDIN, G.; VIDAL, J. R.; FEIX. E. (Orgs). SEMINÁRIO NACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE ESPORTE E LAZER, 11. Canoas. Anais... Porto Alegre: CORAG, 2014.

PRENTOU, Polina. The gendered of leisure young women in Athens. Towards Habitat III a gender perspective. Special Issue, Università degli Studi Federico II di Napoli. v.9, n.1, p.67, june 2016.

ROJEK, Chris. Decentring Leisure: Rethink Leisure Theory. Sage, London: Thousand Oaks, 1995.

SILVA, Débora A. M. O lazer como campo: desafios à concretização do direito social em um Brasil “em construção” democrática. In: GOMES, Christianne Luce; ISAYAMA, Hélder Ferreira. Direito social ao lazer no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2015. p.157-182.

SILVA, Luciene. F. da; MORENO, José C. de A.; VERALDO, Katyucia. C. Relações com o trabalho. In: STOPPA, Edmur A.; ISAYAMA, Helder F. (org.). Lazer no Brasil: representações e concretizações das vivências cotidianas. Campinas: Autores Associados, 2017.

SOARES, Vera Lúcia L.; MELO, Jacira Vieira de. Relatório da IV Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres. ONU Mulheres, Brasília: SPM, 2016, Mineo.

SOUTO MAYOR, Sarah; ISAYAMA, Hélder F. O lazer do brasileiro: sexo, estado civil e escolaridade. In: STOPPA, Edmur A.; ISAYAMA, Helder F. (org.). Lazer no Brasil: representações e concretizações das vivências cotidianas. Campinas: Autores Associados, 2017.

SOUZA-LOBO, Elizabeth. A classe operária tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo/Secretaria Municipal de Cultura/Brasiliense, 2011.

SPM. Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres: Anais. Brasília, Presidência da República, Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. SPM, 2004. Disponível em: https://www.spm.gov.br/assuntos/pnpm/anais.pdf/view. Acesso em: 06 jan. 2019.

SPM. Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres, 2. Anais... Brasília, DF, 2013a. Disponível em: https://www.spm.gov.br/assuntos/pnpm/publicacoes/anais-da-2a-conferencia. Acesso em: 09 jan. 2019.

SPM. Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres: autonomia e igualdade para as mulheres, 3. Anais... Brasília, DF, 2013b. Disponível em: https://www.spm.gov.br/assuntos/pnpm/publicacoes/anais-da-3a-conferencia. Acesso em: 12 jan. 2019.

SPM. Conferência Nacional dos Direitos da Mulher: mais direitos, poderes e participação para as mulheres, 4. Anais... Brasília, DF, 2016. Disponível em: https://www.spm.gov.br/4cnpm/assuntos/Documentos/regulamento-interno-caderno-de-propostas-4a-cnpm.pdf. Acesso em: 28 jan. 2019.

STOPPA, Edmur A.; ISAYAMA, Helder F. (Org.). Lazer no Brasil: representações e concretizações das vivências cotidianas. Campinas: Autores Associados, 2017.

TABET, Paola. La construcion sociale de I’negálité des sexes: des outils et des corps. Paris: L´Harmattan, 2004.

THOMPSON, E. P. Costumes em comum: estudo sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
Publicado
2020-06-30
Como Citar
Bonalume, C. R., & Isayama, H. F. (2020). O Lazer nas Conferências e nos Planos Nacionais de Políticas para as Mulheres. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 23(2), 19-57. https://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.21783
Seção
Artigos Originais