Narrativas de Torcedores Organizados Praticantes de Artes Marciais acerca da Violência no Futebol Paranaense

Autores

  • Jonathan Rocha Oliveira Universidade Federal do Paraná (UFPR)
  • Pauline Peixoto Iglesias Vargas Universidade Federal do Paraná (UFPR)
  • André Mendes Capraro Universidade Federal do Paraná (UFPR)
  • Gustavo Elias Zaniol Universidade Federal do Paraná (UFPR)

DOI:

https://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.24054

Palavras-chave:

Torcidas Organizadas, Artes Marciais, Violência

Resumo

Este estudo buscou investigar possíveis relações entre a prática de Artes Marciais e a violência nas Torcidas Organizadas no futebol paranaense. Utilizaram-se entrevistas de História Oral pautadas na prática de Artes Marciais por torcedores organizados, com vivências no contexto da violência no futebol curitibano. As narrativas foram realizadas com um integrante torcidas organizadas: Os Fanáticos, Império Alviverde e Fúria Independente. Evitando generalizações, sugere-se que as narrativas apontam que uma parcela (minoritária) dos torcedores organizados procura se desenvolver nas Artes Marciais para utilizar suas técnicas nos confrontos entre torcidas. Os discursos também alertam para a importância dos mestres/instrutores de Artes Marciais na orientação e na conduta de seus alunos. Portanto, identificaram-se algumas aproximações entre violência, Torcida Organizada e Artes Marciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBERTI, Verena. Manual de história oral. 3. ed. Rio de Janeiro: editora FGV, 2013.

AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes. Usos e abusos da história oral. 8. ed. Rio de Janeiro, Editora FGV, 2006.

ANTUNES, Marcelo Moreira. A relação entre as artes marciais e lutas das academias e as disciplinas de lutas dos cursos de graduação em Educação Física. EFDeportes Buenos Aires, v. 14, n. 139, 2009.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BONIN, Ana Paula Cabral; MEZZADRI, Fernando Marinho; CAPRARO, André Mendes; CAVICHIOLLI, Fernando Renato. O papel do estado no controle da violência no futebol. Motrivivência, v. 23, n. 37, p. 156-170 Dez./2011.

______. Ações Públicas e privadas destinadas ao combate a violência no futebol: o caso do jogo entre Coritiba Foot Ball Club e Fluminense FootBall Club. Dissertação (mestrado) em Educação Física da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Mar./2011.

BRASIL. Lei 10.671. Estatuto de Defesa do Torcedor. 3. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2013.

CAVALCANTI, Everton Albuquerque; SOUZA, Juliano de; CAPRARO, André Mandes. O fenômeno das torcidas organizadas de futebol no Brasil – elementos teóricos e bibliográficos. ALESDE, Curitiba, v. 3, n. 1, p. 39-51, 2013.

CASTRO, C. O. (2014, 28 de dezembro). Morte organizada: os bárbaros. O Globo, p.40, 2014.

CORIOLANO, Alina Mira Maria; CONDE, Erick Francisco Quintas. Fanatismo e agressividade em torcedores de futebol. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, São Paulo, v.6, n.2, nov./2016.

CORREIA, Walter Roberto; FRANCHINI, Emerson. Produção acadêmica em lutas, artes marciais e esportes de combate. Motriz, Rio Claro, v.16 n.1 p. 01-09, 2010.

CYMROT, Danilo. Ascensão e declínio dos bailes de corredor: O aspecto lúdico da violência e a seletividade da repressão policial. Porto Alegre, v. 4, N2 – p. 169-179 – julho/dezembro 2012.

ELIAS, Norbert; DUNNING, Eric. A busca da excitação. Memória e Sociedade. Lisboa, 1992.

EL PAÍS BRASIL. 31 de dezembro de 2017. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/12/28/deportes/1514427700_914142.html Acesso em: 19fev. 2019.

FETT, Carlos Alexandre; FETT, Waléria Christiane Rezende. Filosofia, ciência e a formação do profissional de artes marciais. Motriz, Rio Claro, v.15, n.1, p. 173-184, 2009.

GUILHON, Marcelo Faria. Sob a pena da lei: princípios constitucionais, o Estatuto do Torcedor e o cerco às torcidas organizadas no Brasil. In: HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque; AGUILAR, Onésimo Rodriguez. Torcidas Organizadas na América Latina: estudos contemporâneos. Rio de Janeiro: 7 letras, 2017.

HANSEN, Viviane. Torcida organizada Os Fanáticos: Relacionamento e sociabilidade. Dissertação (mestrado) em Educação Física da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, jun./2007.

HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque; AGUILAR, Onésimo Rodriguez. Torcidas Organizadas na América Latina: estudos contemporâneos. Rio de Janeiro: 7 letras, 2017.

______. AZEVEDO, Anna Luiza. QUEIROZ, Ana Luisa. Das torcidas jovens às embaixadas de torcedores: Uma análise das novas dinâmicas associativas de torcer no futebol brasileiro. Recorde: Revista de História do Esporte, v. 7, n. 1, janeiro-junho de 2014, p. 1-37.

LISE, Riqueldi Straub. Cerceamentos, coerções e esportividade no Ultimate Fighting Championship (UFC). Tese (doutorado) em Educação Física da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, fev./2017.

LOPES, Felipe Tavares Paes; REIS, Heloisa Helena Baldy dos. A política nacional de prevenção da violência e segurança nos espetáculos esportivos: desafios e propostas. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. São Paulo, v. 31, n.1, p.195-208, 2017.

LOWENTHAL, David. Como conhecemos o passado. Projeto História, São Paulo, v. 17, p. 63-201, 1998.

MEZZADRI, F. M.; PRESTES, S. E. C.; CAPRARO, A. M.; CAVICHIOLLI, F. R.; MARCHU JÚNIOR, W. As interferências do Estado brasileiro no futebol e o estatuto de defesa do torcedor. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.25, n.3, p.407-16, jul./set. 2011.

MOSKO, José Carlos; MOLETTA JUNIOR, Celso Luiz; FREITAS JÚNIOR, Miguel Archanjo. Estabelecidos e Outsiders na Torcidas Organizadas. Centro Universitário Positivo. Curitiba, out./2000.

MURAD, Maurício. A violência no futebol: novas pesquisas, novas ideias, novas propostas. 2. Ed. Editora Benvirá: São Paulo, 2017.

PASSOS, Daniella de Alencar; PRADO, Rodrigo Cribari; MARCHI JR., Wanderley Marchi; CAPRARO, André Mendes. As origens do “vale-tudo” na cidade de Curitiba-PR: memórias sobre identidade, masculinidade e violência. Movimento. Porto Alegre, v.20, n.3, p. 1153-1173, jul./set. 2014.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

REIS, Maria Heloísa Baldy dos. Futebol e violência. Campinas: Armazem do Ipê; 2006.

ROSENTHAL, Gabriele. Pesquisa social interpretativa: uma introdução. 5ª edição. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014.

SANTOS, Natasha; CAPRARO, André Mendes; LISE, Riqueldi. Straub. A invasão no estádio Couto Pereira em 2009: considerações sobre os discursos da imprensa escrita e da torcida organizada. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 36, n.3, p. 617-625, 2014.

SILVA, Silvio Ricardo et al. As Torcidas Organizadas de Minas Gerais. Licere, Belo Horizonte, v.13, n.4, dez./2010.

TOLEDO, Luiz Henrique. Torcer: a metafísica do homem comum. Revista de História, São Paulo, v. 163, p 175-189, 2010.

______. Torcidas organizadas de futebol. São Paulo: Editora Anpocs, 1996.

UOL. 2017. Disponível em: http://www.uol/esporte/especiais/especial-violencia-torcedores.htm#tematico-1 . Acesso em 27 ago. 2019.

WIEVIORKA, Michel. Um novo paradigma da violência. São Paulo, Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, v. 9, n.1, p. 5-41, 1997.

Downloads

Publicado

2020-07-01

Como Citar

Oliveira, J. R., Vargas, P. P. I., Capraro, A. M., & Zaniol, G. E. (2020). Narrativas de Torcedores Organizados Praticantes de Artes Marciais acerca da Violência no Futebol Paranaense. LICERE - Revista Do Programa De Pós-graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 23(2), 386-418. https://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.24054

Edição

Seção

Artigos Originais