A ARTICULAÇÃO ENTRE ESTRUTURA E HISTÓRIA NA ARQUEOLOGIA DE MICHEL FOUCAULT

  • Débora Bráulio Santos UFMG/Pós-graduanda
Palavras-chave: Foucault; Arqueologia; História; Estruturalismo; Epistemologia.

Resumo

Este trabalho discute o problema da articulação entre estrutura e história na arquelogia de Foucault, especialmente na obra As palavras e as coisas. Sustentamos que o autor supera esta suposta dicotomia e renova o pensamento filosófico sobre a história, partindo de importantes lições do estruturalismo, da Escola dos Annales e da epistemologia francesa. Com o estruturalismo, ele aprende a priorizar a sincronia sobre a diacronia, retirando o privilégio da causalidade como índice de racionalização do real e inserindo um sistema de relações, simultâneas e não sucessivas, para pensá-lo em suas diferentes dimensões. Da Escola dos Annales, se apropria da ideia de história serial, construída a partir da análise da materialidade dos arquivos de uma época, em substituição à história como narrativa de eventos. Da epistemologia francesa, incorpora o método da história conceitual, as noções de racionalidade regional e descontinuidade, bem como a premissa de que os conceitos devem ser analisados à luz das práticas sociais e políticas de seu tempo. Não obstante a importância destas influências, o pensamento de Foucault realiza algo novo, operando, segundo Paul Veyne, uma espécie de “revolução científica” na filosofia da história, abrindo novas possibilidades para o diagnóstico de nosso presente.

Publicado
2019-08-04