O PROCESSO DE ANALCIMIZAÇÃO DE UM KAMAFUGITO (LUZ262) DO CENTRO-OESTE MINEIRO

  • Carolina Almeida Figueiredo Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais. Avenida Presidente Antônio Carlos, 6627, Pampulha, CEP 31270-901, Belo Horizonte, Minas Gerais.
  • Alexandre de Oliveira Chaves Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais. Avenida Presidente Antônio Carlos, 6627, Pampulha, CEP 31270-901, Belo Horizonte, Minas Gerais.
  • Patrícia Barbosa de Albuquerque Sgarbi Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais. Avenida Presidente Antônio Carlos, 6627, Pampulha, CEP 31270-901, Belo Horizonte, Minas Gerais.
  • Maria Lourdes Souza Fernandes Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais. Avenida Presidente Antônio Carlos, 6627, Pampulha, CEP 31270-901, Belo Horizonte, Minas Gerais.

Resumo

Resumo:

O presente trabalho é um estudo petrográfico das fases primárias e secundárias de uma rocha kamafugítica, intrusão nomeada Luz262, de um afloramento próximo a BR 262, nos arredores da cidade de Luz, no centro-oeste mineiro. A rocha é composta por olivina, parcialmente substituída por serpentina, clinopiroxênio, perovskita, flogopita, opacos, pseudomorfos de leucita (analcima), vênulas de natrolita e material intersticial (vidro vulcânico/feldspatóide). A rocha apresenta xenólitos sedimentares de siltitos, compostos principalmente por ortoclásio, provenientes da Formação Serra da Saudade; além de autólitos constituídos basicamente por clinopiroxênio, perovskita, opacos, apatita, pseudomorfos de leucita e natrolita. A rocha foi classificada como leucita-mafurito com base na presença limitada de leucita (cerca de 10% modal), além da provável presença de kalsilita intersticial, como já descrito anteriormente em rochas semelhantes do Grupo Mata da Corda, da Província Ígnea do Alto Paranaíba. A partir de análises petrográficas por microscópio óptico, mineralógicas por difratometria de raios-x e químicas por microssonda eletrônica foi determinado que os feldspatóides originalmente potássicos, sofreram um processo secundário de troca do K pelo Na, representado na substituição de leucita e kalsilita por analcima.

Palavras-chave: Kamafugito, petrografia, analcimização, Minas Gerais

 

Abstract

THE ANALCIMIZATION PROCESS OF A KAMAFUGITE (LUZ262) FROM THE MIDWEST OF MINAS GERAIS. The present paper is a petrographic study of the primary and secondary phases of a kamafugitic rock, intrusion named as Luz262, found in an outcrop nearby BR-262, nearby the town of Luz in the middle west of Minas Gerais. The kamafugite is composed by olivine partially replaced by serpentine, clinopyroxene, perovskite, flogopite, opaques, leucite pseudomorphs (analcime), veins of natrolite and interstitial material (volcanic glass/feldspathoid). The rock contains sedimentary xenoliths of siltite, mainly constituted of orthoclase from the Serra da Saudade Formation, as well as autoliths composed basically of clinopiroxene, perovskite, opaques, apatite, leucite pseudomorphs and natrolite. The rock is classified as leucite-mafurite based on the limited presence of leucite (around 10% modal), besides the probable presence of interstitial kalsilite, as previously described on similar rocks of the Mata da Corda Group from the Alto Paranaíba Province. By using petrographic analysis with optical microscope, mineralogical analysis by x-ray diffraction and chemical microanalysis with electron microprobe it was determined that the feldspathoids originally potassic, suffered a secondary change process of K by Na, with transformation of leucite and kalsilite to analcime.

Keywords: Kamafugite, Petrography, Analcimization, Minas Gerais

Biografia do Autor

Carolina Almeida Figueiredo, Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais. Avenida Presidente Antônio Carlos, 6627, Pampulha, CEP 31270-901, Belo Horizonte, Minas Gerais.

 

 


 

Publicado
2018-09-30
Seção
Artigos