Diálogos interculturais na educação escolar: reflexões sobre os povos indígenas

  • Patrícia Cristina de Aragão Araújo Universidade Estadual da Paraíba

Resumo

O presente estudo parte do pressuposto de que a interculturalidade na educação contribui para a criação de processos educativos interativos e integradores dos sujeitos escolares no espaço da escola. Objetivamos mostrar que a prática educativa, no âmbito da interculturalidade, colabora para um fazer educativo humanístico centrado em uma relação dialógica e intercultural. Esse fazer educativo, ao discutir, na contextura da escola, sobre os povos indígenas, com enfoque centrado nos preceitos abordados pela lei 11.645/2008, contribui para o reconhecimento e valorização dos saberes e práticas destes povos em sua dimensão identitária e étnica. Como referenciais que nos forneceram as balizas teóricas para elaboração deste trabalho, estão os estudos desenvolvidos por Paulo Freire (2002), Raúl Fornet-Betancourt (2004), João Pacheco de Oliveira e Carlos Augusto da Rocha Freire (2008), Renato Athias (2010). Nesta perspectiva, convém enfatizar que valorizar, no contexto da escola, práticas educacionais que ressignifiquem na ação pedagógica do educador o significado cultural e histórico dos povos indígenas no cotidiano da sala de aula é fundamental, visto que a interculturalidade propõe o respeito ao outro a partir de um enfoque e de referência nas relações entre culturas e acentua a importância da diversidade e da identidade culturais. Ademais, quando aplicada na comunidade aprendente, no que se refere aos indígenas, a interculturalidade realça a valorização do conhecimento eda cultura desses em seus potenciais histórico, societário e linguístico.
Publicado
2012-12-31
Seção
Paraiá: onça em língua Xakriabá (onde o bicho pega)