Impacto da perda dentária na qualidade de vida de idosos com transtornos psiquiátricos

  • Mariana Souto Figueiredo Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Fábio Silva de Carvalho
  • Cristiane Alves Paz de Carvalho Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Resumo

Objetivo: Avaliar a perda dentária, uso e necessidade de prótese em idosos com transtornos psiquiátricos e seu impacto na qualidade de vida. Métodos: Foi realizado um estudo epidemiológico transversal e descritivo. Os participantes foram idosos atendidos no Centro de Atendimento Psicossocial (CAPS) de um município mineiro. A coleta de dados foi realizada por meio de exame clínico bucal que avaliou a perda dentária, o uso e a necessidade de prótese, além de um questionário, o Geriatric Oral Health Assessment Index (GOHAI). Foi realizada análise estatística descritiva. Resultados: Participaram 28 idosos, com alta prevalência de edentulismo total (75,0%), entre os quais 64,3% utilizam prótese dental superior e 32,1% prótese inferior. Quanto à necessidade de prótese 60,7% necessitam de prótese superior enquanto 85,7% necessitam de prótese inferior. A média do GOHAI foi de 29,1, considerada baixa. Conclusão: A maioria dos idosos desse estudo apresentaram elevada perda dentária, que refletiu na percepção da saúde bucal ruim encontrada, sinalizando para a necessidade de tratamentos reabilitadores e de políticas públicas mais efetivas para promoção de saúde bucal.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-12-23
Como Citar
Figueiredo, M. S., Carvalho, F. S. de, & Carvalho, C. A. P. de. (2019). Impacto da perda dentária na qualidade de vida de idosos com transtornos psiquiátricos. Arquivos Em Odontologia, 55. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/12490
Seção
Artigos