Disfunção temporomandibular e hábitos parafuncionais em policiais militares: um estudo transversal

  • Hingrid Sarrazin Faculdade de Imperatriz
  • Paulo Maia Faculdade de Imperatriz

Resumo

Objetivo: Avaliar a prevalência e o grau de gravidade da DTM em policiais militares e analisar a associação entre DTM e hábitos parafuncionais.

Métodos: Realizou-se uma pesquisa transversal com abordagem quantitativa. A amostra foi composta por 255 policiais militares, com idade entre 20 a 53 anos, de ambos os gêneros, nos estados do Maranhão, Pará e Tocantins. Foram utilizados três questionários para avaliar variáveis de caracterização amostral, prevalência e gravidade da DTM e hábitos parafuncionais. Os questionários foram enviados por plataforma eletrônica (Google Forms). Foram utilizados o teste qui-quadrado de Pearson ou o teste Exato de Fisher e Odds Ratio.

Resultados: Observou-se a presença da Disfunção Temporomandibular em 66,3% dos pesquisados, dos quais 40,4% apresentaram a disfunção no grau leve, 21,6% no grau moderado e 4,3% no grau grave. Houve associação significativa entre os hábitos parafuncionais de ranger e apertar dentes, roer unhas, morder objetos, morder bochecha, mastigar e dormir de um lado só e apoiar a mão da mandíbula com a DTM (p < 0,05). A gravidade leve não apresentou associação estatisticamente significativa com os hábitos, apenas os graus moderado e grave.

Conclusão: Concluiu-se que 66,3% dos pesquisados apresentaram DTM, sendo maior a prevalência do grau leve e houve associação entre a DTM e os hábitos parafuncionais, com exceção aos de mascar chiclete e chupar dedo.

Descritores: Síndrome da disfunção da articulação temporomandibular. Índice de gravidade de doença. Polícia.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-07-17
Como Citar
Sarrazin, H., & Maia, P. (2020). Disfunção temporomandibular e hábitos parafuncionais em policiais militares: um estudo transversal. Arquivos Em Odontologia, 56, PDF. https://doi.org/10.7308/aodontol/2020.56.e21
Seção
Artigos