MORDIDA CRUZADA POSTERIOR EM PRE-ESCOLARES: ANALISE DE 61 CASOS

  • Alessandro Leite Cavalcante Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)
  • Priscila Kelly Medeiros Bezerra Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)
  • Cristiano Moura Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Resumo

O objetivo deste estudo transversal foi analisar a distribuição dos diferentes tipos de mordida cruzada posterior na dentição decídua de crianças entre 3 e 5 anos. A amostra compreendeu 67 crianças (28 meninos e 33 meninas). A presença de mordida cruzada posterior foi classificada em duas categories: unilateral (direita e esquerda) e bilateral, com a oclusão em relação cêntrica. Os dados foram coletados por um único examinador, registrados em formulário específico, organizados com o Epi Info e submetidos ao Teste do Qui-quadrado (p<0,05). Não se observou diferenças entre os gêneros quanto ao tipo de mordida cruzada posterior. O tipo unilateral correspondeu a 82,0% e o bilateral a 78,0%. Um percentual de 97,8% das crianças apresentava hábitos bucais, com a sucção de chupeta sendo o mais prevalente (67,8%).

Descritores: Mordida cruzada, Eipidemiologia, Ortodontia, Odontopediatria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandro Leite Cavalcante, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Professor do Departamento de Odontologia da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). 

Priscila Kelly Medeiros Bezerra, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Aluna do Curso de Graduação em Odontologia da UEPB, Bolsista Pibic/CNPq. 

Cristiano Moura, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)
Mestrando em Saúde Coletiva, UEPB.

Referências

1. Wood Aws. Anterior and posterior crossbites. J Dent Child 1962; 29:280-85.
2. Agurto Veas P, Dabed Cattan C, Espinoza A. Frecuencia de anomalias dentomaxilares en nirios de 4 a 5 anos 11 meses de la Escuela D-59 del área norte de la Región Metropolitana adscrito al proyecto PRI 01:9500
3. Cuad Méd Soc 1999; 40:68-80. 3. Moraes ES, Lira CC, Ely MR, Thomaz Ebaf, Valença AMG. Prevalência de mordidas aberta e cruzada na dentição decídua. Rev Bras Cienc Saúde 2001; 5:23-30.
4. Navarrete M, Espinoza AR. Prevalencia de anomalias dentomaxilares y sus características en nii-ios de 2-4 anos. Odontol Chil 1998; 46:27-33.
5. Chevitarese AB, Valle D, Moreira TC. Prevalence of malocclusion in 4-6 year old Brazilian children. J Clin Pediatr Dent 2002; 27:81-5.
6. Silva Filho OG, Silva PRB, Rego MVNN, Capelozza filho L. Epidemiologia da mordida cruzada posterior na dentadura decídua. J Bras Odontopediatr Odontol Bebê 2003; 6:61-8.
7. Dutra ALT, Cardoso AC, LOCKS A, Bezerra ACB. Assessment of treatment for functional posterior cross-bites in patients at the deciduous dentition phase. Braz Dent J 2004; 15:54-8.
8. Emmerich A, Fonseca L, Elias AM, Medeiros UV. Relação entre hábitos bucais, alterações oronasofaringianas e mal-oclusões em pré-escolares de Vitória, Espírito Santo, Brasil. Cad Saúde Pública 2004; 20:689-97.
9. Silva LPM, Souza Junior MA, Bastos EPS. Estudo da mordida cruzada posterior em dentição decídua completa. Relação com hábitos orais. Rev Bras Odontol 2005; 62:49-51.
10. Vazquez-Nava F, Quezada-Castillo JA, Oviedo-Trevino S, et al. Association between allergic rhinitis, bottle feeding, non-nutritive sucking habits, and malocclusion in the primary dentition. Arch Dis Child 2006; 91:836-40.
11. Valdes ZRP, Nunez DR. Prevalencia de hábitos deformantes y anomalías dentomaxilofaciales en nirios de 3 a 6 ar5os de edad, 2002-2003. Rev Cubana Estomatol 2004; 40:7-12.
12. Lopez FU. Cezar GM, Ghisleni GC, Farina JC, Beltrame KR Ferreiro ES. Prevalênda de malodusão no dentição decídua. Rev Fac Odontol Porto Alegre 2031; 43:8-11.
13. Moyers RE. Etiologia da maloclusào. In: . Ortodontio. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabaro-Koogan. 1991. p. 167-86.
14. Abrahom JE, Alexander SA. OveNiew of anterior and posterior crossbites in children. N Y State Dent J 1997; 63:36-8.
15. Zhu JF, Crevoisier R. King DL. Henry R. Mills CM. Posterior crossbites in children. Compend Contin Educ Dent 1996; 17:1051-58.
16. Fritscher AMG, Araujo DE Oliveira FAM, Oliveira MG. Considerações sobre a oclusão e maloclusão no criança. Rev ABO Nac 1998; 6:89-94.
17. Via nna MS. Casogrande FA, Camargo ES, França BS, Moysés ST. Prevalência de mordida cruzada posterior e suo associação com hábitos de sucção não nutritivos. RGO 2034; 52:246-48.
18. Kutin G. Hawes RR. Posterior cross-bites in the deciduous and mixed dentition. Am J Orthod 1969; 56:491-504.
19. Aznar Martin T. Dominguez Reyes A. Galán Gpnzalez A. Munoz Munoz L. Prevalênda de mordidas cruzadas em niriossevillanos menores de 6 arios de edod. Rev Ibero Am Ortod 1999; 18:72-9.
20. Tomito NE, Bijella MFTB, Silvo SMB, et ai. Prevalência de mabclusão em pré-escolares de Bauru. SP, Brasil Rev Facul Oodontol Bauru 1998; 6:35-44.
21. Sadakyio C. Degan W. Rontari RMP. Prevalência de má oclusão em pré-escolares de Piracicaba-SP. Ciênc Odontol Bras 2004; 7(2):92-9.
22. SERRA-NEGRA JMC, PORDEUS IA, ROCHAJR JF. Estudo do associação entre aleitamento, hábitos bucais e maloclusões. Rev Odontol Univ São Paulo 1997; 11:79-86.
23. Katz CR, Rosenblalt A. Gondim PP. Nonnutritive sucking habits in Brazilion children: Effects on deciduous dentition and relationship with facial morphology. Am J Orthod Dentofocial Orthop 2004; 126:53-7.
24. Infante PF. An epidemiologic study of finger habits in preschool children as related to malocclusion, socioeconomic stalus, roce, sex and size of community. ASDC J Dent Child 1976; 43:33-8.
25. Adair SM, Milano M. Lorenzo I. Russell C Effects of current and former pocifier use on the dentition of 24- to 59-month old children. Pedialr Dent 1995; 17:437-44.
26. Cavalcanti AL, Rodrigues CRMD, Fazzi R. Mordida cruzada posterior funcional: Relato de coso. Rev Paul Odontol 1996; 18:11-4. 27. Oliveira CM. Mabclusão no contexto do saúde pública. In: Bonecker M. Sheiham A. Promovendo saúde bucal na infância e adolescência. São Paulo: Santos; 2004. p. 75-84.
Publicado
2016-03-02
Como Citar
Cavalcante, A. L., Bezerra, P. K. M., & Moura, C. (2016). MORDIDA CRUZADA POSTERIOR EM PRE-ESCOLARES: ANALISE DE 61 CASOS. Arquivos Em Odontologia, 42(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3404
Seção
Artigos