PEFIL DE IMUNIZAÇÃO DOS ALUNOS, PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

  • Eline Miranda Correia Lima Universidade Federal do Ceará - UFC
  • Maria Eneide Leitão de Almeida Universidade Federal do Ceará - UFC
  • Denise Lins de Sousa Universidade Federal do Ceará - UFC
  • José Gomes Bezerra Filho Universidade Federal do Ceará - UFC

Resumo

A infecção representa uma verdadeira ameaça no consultório odontológico caso medidas preventivas não sejam adotadas, sendo a imunização um importante recurso para prevenção dessas doenças. O objetivo desta pesquisa foi conhecer o perfil de imunização dos alunos, professores e funcionários do Curso de
Odontologia da Universidade Federal do Ceará, bem como as formas de acesso às informações referentes à vacinação e razões alegadas pelos entrevistados que não adotaram as medidas preventivas. Trata-se de um estudo descritivo transversal realizado com 316 participantes através de questionário auto-aplicável, sendo os dados coletados submetidos à análise estatística. Observou-se maior prevalência de vacinação contra a hepatite B (72,7% dos funcionários, 81,8% dos professores e 62,0% dos alunos) e contra difteria/tétano (63,6%; 47,7%; 68,0%, respectivamente) do que para as demais doenças imuno-previníveis. Identificouse o esquecimento como principal razão alegada para a não-vacinação e a educação formal como forma de acesso à informação mais citada. Frente ao alto risco de infecção na clínica odontológica, os índices de
imunização encontrados não foram satisfatórios, devendo as instituições de saúde estar mais atentas à necessidade de imunização de seus membros.


Descritores: Vacinação, controle de doenças transmissíveis, hepatite B.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eline Miranda Correia Lima, Universidade Federal do Ceará - UFC
Graduada em Odontologia pela Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem da Universidade Federal do Ceará (UFC)
Maria Eneide Leitão de Almeida, Universidade Federal do Ceará - UFC

Mestre em Odontologia Social pela UFRN, Doutora em Odontologia Preventiva e Social pela UNESP/FOA, Professora Adjunta do Departamento de Clínica Odontológica da Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem da UFC.

Denise Lins de Sousa, Universidade Federal do Ceará - UFC
Graduada em Odontologia pela Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem da UFC.
José Gomes Bezerra Filho, Universidade Federal do Ceará - UFC
Graduada em Odontologia pela Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem da UFC.

Referências

1. Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas da Saúde, Controle Nacional
de DST e AIDS. Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos
de AIDS: manual de condutas. Braília, 2000: 61-68.
2. Cottone JA, Puttaiah R. Viral hepatitis and hepatitis vaccines. In: Cottone
JA, Terezhalmy GT, Molinari JA. Practical Infection Control in Dentistry.
Philadelphia:Williams & Wikins,1996; 15-44.
3. Tovar V, Guerra ME, Carvajal A. Accidentes laborales y riesgo a contraer
infección por el virus de inmunodeficiencia humana y el virus de la hepatitis B
y C en el consultorio odontologico. Acta Odontol. Venez. 2004; 42(3):218-225.
4. Fernandes JV, Braz RFS, Neto FVA, Silva MA, Costa NF, Ferreira AM. Prevalência
de marcadores sorológicos do vírus da hepatite B em trabalhadores do
serviço hospitalar. Rev. Saúde Pública. 1999; 33(3):122-128.
5. Szpeiter N. Imunização dos profissionais da saúde. hrrp://www.labfa.com.br/
texto_inftecnico.htm (acessado em 10 / Ago / 2005).
6. Saquy PC, Pecora JD. Orientação Profissional em Odontologia. São Paulo:
Livraria Santos Editora, 1996.
7. Cardona RD, Londoño J, Llanos ME, et al. Eficácia de la inmunización contra
el antígeno de superfície de la hepatitis B em estudiantes de la Facultad
de Odontologia de la Universidad Autônoma de Manizales, Colômbia, 1997.
Biomédica. 1997; 17: 219-223.
8. Carvalho TFA, Montenegro ACP, Luna GC, et al. Hepatite B: perfil de proteção
em estudantes dos cursos de medicina, odontologia e enfermagem da
UFPE. Revista do IMIP. 1998; 12: 30-33.
9. Pagliari AV, Melo NS. Prevalência da vacinação contra a hepatite B entre
estudantes de odontologia da Universidade Federal do Paraná. Rev. FOB.
1997; 5(1/2): 79-86.
10. Terezhalmy GT. Immunizations for oral health care providers. In: Cottone JA,
Terezhalmy GT, Molinari JA. Practical Infection Control in Dentistry.
Philadelphia:Williams & Wikins,1996: 127-134.
11. Centers for Disease Control and Prevention. Immunization of health-care
workers: recommendations of the Advisory Committe on Immunization
Practices (ACIP) and the Hospital Infection Control Practices Advisory
Committe (HICPAC). Atlanta. 1997; 46:3-32.
12. Andrade FBG, Martinez CS, Miotto MH. Perfil dos estudantes de odontologia
da UFES com relação a hábitos e atitudes. UFES Ver. Odontol. Vitória. 2004;
6: 6-12.
13. Martins AMEBL, Barreto SM. Vacinação contra a hepatite B entre cirurgiões
dentistas. Rev. Saúde Pública. 2003; 37 (3): 333-8.
14. Pisciolaro RC, Tenis CA, Araújo MAR, Jorge WA. Aplicabilidade das vacinas
como meio de prevenção das doenças infecto-contagiosas em
Odontología. Rev. Pós Grad. 2000; 7 (3): 266-273.
15. Ministério da Saúde: Fundação Nacional de Saúde. Manual de Normas
de Vacinação. Brasília. 2001:23-51.
16. Massachusets Department of Public Health. Informativo de Saúde Pública.
Massachusetts. 2004.
17. Lima EF. Vacinação em profissionais de saúde. http://www.imip.org.br/
Ensino/dreduardo (acessado em 16/Nov/2005).
18. Yoshida CFT. Hepatite B como doença ocupacional. In: Teixeira P, Valle S.
Biossegurança-Uma abordagem multidisciplinar. Rio de Janeiro: Fiocruz,
1996.
19. Faraco FN, Moura APF. Controle do risco de trabsmissão de doenças infectocontagiosas
no consultorio odontológico- parte 1. Rev. Paulista de Odontol.
1992; 14(6):14-18.
20. Yumna M, Romero Z, Garcia GM, Rodríguez FT, Rivero PAN, Del Valle SC.
Tuberculosis, un problema que no debe ignorar el odontólogo. Acta
Odontol. Venez. 2002; 40(1): 61-66.
21. Arbeláez MP, Nelson KE, Muñoz A. BCG vaccine effectiveness in preventing
tuberculosis and its interaction with human immunodeficiency virus infection.
Int. J. Epidemiol. 2000; 29:1085-1091.
254
Arquivos em Odontologia, Belo Horizonte, v.42, n.3, p.161-256, jul./set. 2006
22. Molinari JA, Terezhalmy GT. Tuberculosis and other respiratory infections. In:
Cottone JA, Terezhalmy GT, Molinari JA. Practical Infection Control in Dentistry.
Philadelphia:Williams & Wikins,1996: 75-82.
23. Castiñeiras TMPP, Pedro LGF, Martins FSV. Centro de Informação em Saúde
para Viajantes. http://www.cives.ufrj.br/informacao/varicela/var-iv.html.
(Acessado em 06/Nov/2005).
24. Klein CH, Bloch KV. Estudos seccionais. In: Medronho R.A. Epidemiologia.
São Paulo: Editora Atheneu, 2004:125-150.
25. Hudson-Davies SC, Jones JH, Sarll DW. Cross infection control in general
dental practice: dentists behaviour compared wiyh their knowledge and
opinions. Br. Dent. J. 1995, 178: 365-369.
26. Cleveland JL. Hepatitis B vaccination and infection,among U.S. dentists,1983-
1992. J. Am. Dent. Assoc. 1996, 127(9):1385-1390.
27. O’Connor AM, Pennie RA. Reliability and validity of measures used to elicit
health expectations, values, tradeoffs and intentions to be immunized for
hepatitis B. J. Clin. Epidemiol. 1995, 48(2): 255-262.
28. Fernandes GC, Facio MR, Ramos AM, et al. Possível susceptibilidade a
doenças imuno-previníveis em médicos residentes em pediatria no Rio de
Janeiro. www.riscobiologico.org/imuniza/imuniza_trabalhos.htm (acessado
em 21 / Out / 2004).
Publicado
2016-03-02
Como Citar
Lima, E. M. C., Almeida, M. E. L. de, Sousa, D. L. de, & Filho, J. G. B. (2016). PEFIL DE IMUNIZAÇÃO DOS ALUNOS, PROFESSORES E FUNCIONÁRIOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. Arquivos Em Odontologia, 42(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3414
Seção
Artigos