Avaliação clínica da frequência de complicações orais e sua relação com a qualidade de higiene bucal em pacientes pediátricos submetidos a tratamento antineoplásico

  • Raquel Araújo de Albuquerque Universidade Federal da Paraíba-UFPB
  • Vera Lúcia Lins de Morais Universidade de Pernambuco-UPE
  • Ana Paula Veras Sobral Professora da Faculdade de Ciências Medicas da UPE

Resumo

Este estudo tem como objetivo avaliar e identificar a presença de complicações orais agudas decorrentes do tratamento antineoplásico além de correlacionar com a condição de saúde bucal em 59 pacientes pediátricos submetidos a tratamento antineoplásico no CEONH/HUOC, com idade entre 0 e 18 anos. O
aspecto clínico da mucosa bucal foi avaliado em intervalos semanais, no leito, sob luz artificial, com o auxílio de abaixador de língua, do início ao término do tratamento oncológico. Para a avaliação clínica da mucosite utilizou-se o critério de toxicidade aguda da World Health Organization (WHO). A saúde bucal
foi avaliada na primeira consulta, através da inspeção visual e foi classificada como favorável ou desfavorável. Dos 59 pacientes, 36 (61%)
apresentavam saúde bucal favorável. Das complicações orais que acometeram os pacientes com qualidade de higiene bucal desfavorável, a candidíase correspondeu a 45,2%, nos pacientes que apresentaram qualidade de higiene bucal favorável, a candidíase correspondeu a 26,1% das complicações orais. A mucosite também foi mais freqüente nos pacientes com qualidade de higiene bucal desfavorável, 28,6% das complicações orais. A orientação aos pacientes e seus responsáveis sobre a necessidade e importância de uma higiene bucal rigorosa é indispensável, considerando que a saúde bucal é um dos fatores que favorecem o aparecimento e aumento da severidade das complicações orais agudas decorrentes do tratamento antineoplásico.
Descritores: oncologia, quimioterapia/ efeitos adverso, radioterapia/ efeitos adversos, boca/ efeito de drogas, crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Araújo de Albuquerque, Universidade Federal da Paraíba-UFPB
Aluna de pós-graduação — Mestrado em Diagnóstico bucal da UFPB
Vera Lúcia Lins de Morais, Universidade de Pernambuco-UPE
Professora da Faculdade de Ciências Medicas da UPE
Ana Paula Veras Sobral, Professora da Faculdade de Ciências Medicas da UPE

Professora da Disciplina de Patologia Bucal da Faculdade de Odontologia de Pernambuco - UPE

Referências

1. Rosa LN. Atenção estomatológica aos pacientes pediátricos oncológicos submetidos a tratamento quimioterápico e à radioterapia. RGO 1997 mar./abr.; 45: 111-114.
2. Ferreti AG, Raybold TP, Brown AT et al. Chlorhexidine prophylaxis for chemotherapy and radiotherapy-induce stomatitis: a randomized
double-blind trial. Oral Surg Oral Med oral Pathol 1990; 69: 331-338.
3. Nikoui M, Lalonde B. Oro-dental manifestations of leukemia in children. J Can dent Assoc, Montreal, 1996; 5: 443-450.
4. Marques APF, Walker PO. Intra oral etiology of a life-threatening infection in na immunocompromised: report of case. J Dent Child
1991; 492-495. 5. Childers EA, Stinnett P, Wheeler P et al. Oral
complications in children with cancer. Oral Surg Oral Med Oral Pathol 1993;75: 41-47.
6. Fayle SUA, Duggal MS, Williams SA. Oral problems and the dentist’s role in the management of pediatric oncology patients. Dent Update 1992;19: 152-159.
7. Gordón-Núñez MA, Pinto LP. Candidíase e sua relação com a mucosite oral em pacientes oncológicos pediátricos. RBPO 2003; 2:22-24.
8. Sonis ST. Oral complications of câncer therapy. In: De Vita Jr VT, Hellmann S, Rosenberg SA. Cancer Principles and Practice of Oncology, Philadelphia: J.B. Lippincott Company, 1993;24: 2385-2393.
9. Sonis ST et al. Oral mucositis and the clinical and economic outcomes of hematopoietic stem-cell transplantation. J Clin Oncol 2001; 19: 2201-2205.
10. Borowski B, Benhamou E. Pico JL. et al. Prevention of oral mucositis in patients treated with high-dose chemotherapy and bone marrow transplantation: a randomised controlled trial comparing two protocols
of dental care. Eur J Cancer B Oral Oncol 1994;30B: 93-97.
11. McGuire DB, Altomonte V, Peterson DE et al. Patterns of mucositis and pain in patients receiving preparative chemotherapy and bone marrow transplantation. Oncol Nurs Forum, Atlanta, 1993;
20: 1493-1502.
12. Woo SB, Sonis ST, Monopoli MM et al. A longitudinal study of oral ulcerative mucositis in bone marrow transplant recipients. Cancer 1993; 72: 1612-1617.
13. Epstein JB, Schubert MM. Oral mucositis in myelosuppressive cancer therapy. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod, St Louis, 1999; 88: 273-276.
14. Gobetti JP. Prevention and Management of Oral complications of chemotherapy. Dent Assis 1993; 62: 31-33.
15. Loprinzi CL, Gastineau DA, Foote RL. Oral Complications. In: Abeloff MD, Armitage JO. Lichker AS et al. Clinical Oncology. New York :
Churchill Livingstone, 1995: 741-749.
16. Almeida PNM. Avaliação clínico-epidemiológica da mucosite oral radioinduzida. Trabalho de Conclusão de Curso – Faculdade de Odontologia de Pernambuco, 2004.
17. Parise Jr O. Câncer de boca: aspectos básicos e terapêuticos. São Paulo: Sarvier, 2000.
18. Naw Rocki L, Libersa P, Lambilliotte A et al. Dental anomalies following anticancer chemotherapy. Arch Pediatr 2001; 7: 754-756
Publicado
2016-03-02
Como Citar
Albuquerque, R. A. de, Morais, V. L. L. de, & Sobral, A. P. V. (2016). Avaliação clínica da frequência de complicações orais e sua relação com a qualidade de higiene bucal em pacientes pediátricos submetidos a tratamento antineoplásico. Arquivos Em Odontologia, 43(2). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3433
Seção
Artigos