Programa lúdico-pedagógico para o controle do biofilme dental em indivíduos com deficiência visual

  • Denise Sabbagh- Haddad
  • Denise Sabbagh- Haddad
  • Aida Sabbagh- Haddad
  • Renata de Oliveira Guaré Universidade Cruzeiro do Sul - UNICSUL

Resumo

Objetivo: Desenvolver um programa de prevenção e motivação odontológica para deficientes visuais, utilizando materiais lúdico-pedagógicos. Além disso, buscou comparar a eficácia do mesmo através do índice de higiene oral simplificado (IHOS) e do índice gengival (IG), em um grupo de cegos (grupo
experimental) e portadores de visão subnormal (grupo controle). Matérias e Métodos: Foram avaliados 15 indivíduos com deficiência visual da Associação de Pais e Amigos dos Deficientes Visuais (APADEV), de Caxias do Sul/RS, de ambos os sexos e idades entre 13 e 49 anos. Foram divididos em dois grupos: cegos (grupo experimental) e portadores de visão subnormal (grupo controle). Durante seis encontros (inicial, 15, 45, 75, 105 e 120 dias), todos os participantes receberam as mesmas informações e participaram das
mesmas atividades conduzidas pelo mesmo examinador (kappa=0,86). Após cada atividade realizava-se o IG e IHOS. Os dados foram avaliados considerando-se o nível de significância de 5% e utilizando-se os testes
de Friedman e Mann-Whitney. Resultados: Em relação ao IHOS, houve diminuição do índice com diferença significativa para o grupo controle durante os momentos de 15 a 105 dias (p<0,01), o que não ocorreu com
o grupo experimental (p=0,77). Na avaliação do IG, observou-se diminuição do índice ao longo de todo o período no grupo controle (p<0,01). No grupo com deficiência visual o IG diminuiu entre 75 e 105 dias. Para
o IHOS não houve diferenças estatisticamente significantes. Conclusão: Os indivíduos com visão subnormal apresentaram um efeito melhor (IG e IHOS) após o programa quando comparados com os indivíduos cegos.
Descritores: Portadores de deficiências visuais. Motivação. Placa dentária. Higiene bucal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Sabbagh- Haddad
Cirurgiã-dentista
Denise Sabbagh- Haddad
Cirurgiã-dentista
Aida Sabbagh- Haddad
Cirurgiã-dentista
Renata de Oliveira Guaré, Universidade Cruzeiro do Sul - UNICSUL
Curso de Odontologia, Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL), São Paulo, SP, Brasil

Referências

1. Clayette SH, Magnard P, Madignier MB, Hullo A. As deficiências visuais. São Paulo: Manole; 1989.
2. Martins FAP, Trigueiro FA, Rocha IC. Programa educativo de saúde bucal em deficientes visuais no estado da Paraíba - Brasil. Rev Bras Ciênc Saúde. 2001; 5:71-4.
3. Buscaglia L. Os deficientes e seus pais: um desafio ao aconselhamento. Rio de Janeiro: Record; 1993.
4. Ministério da Educação. Deficiência visual. Brasília: MEC. Secretaria de Educação a Distância; 2000.
5. Sampaio MW, Cibils CA. Visão subnormal. In: Oliveira RCS, Kara-José N. Auxiliar de Oftalmologia. São Paulo: Roca; 2000. p.323-33.
6. Staut FM, Fregoneze AP. Estudo da eficácia de três diferentes métodos de controle de placa bacteriana em indivíduos portadores de
deficiência visual. ROPE Rev Int Odonto-Psicol Odontol Pacientes Espec. 2006; 2:71-6.
7. Silvério F, Santos JFF, Cunha VPP, Naressi WG. Ilumine um sorriso: materiais lúdico-pedagógicos para portadores de deficiência visual. Rev EAP/ APCD. 2001; 3:25-8.
8. Fourniol Filho A. Pacientes especiais e a odontologia. São Paulo: Santos; 1998.
9. Rosetti EP, Sampaio LM, Zuza EP. Controle de placa bacteriana e instruções de higiene oral adaptados a deficientes visuais: relato de caso clínico. Rev Periodontia. 2005; 15:28-32.
10. Carvalho ACP, Figueira LCG, Utumi ER, Oliveira CO, Silva LPN, Pedron IG. Considerações no tratamento odontológico e periodontal do paciente deficiente visual. ROBRAC. 2010; 19:97-100.
11. Ditterich RG, Portero PP, Wambier DS, Pilatti GL, Santos FAD. Higiene bucal e motivação no controle do biofilme dental. Odontol Clín Cientif. 2007; 6:123-8.
12. Schnuth ML. Dental health education for the blind. Dent Hyg. 1977; 51:499-501.
13. Aguiar SMHA, Sedlacek P. Ações integradas no atendimento e assistência odontológica ao paciente especial. In: Cardoso RJA, Machado MEL. Odontologia arte e conhecimento. São Paulo: Artes Médicas; 2003. p.303-8.
14. McDonald RE, Avery DR, Weddell JA. Gengivite e doença periodontal. In: McDonald RE, Avery DR. Odontopediatria. 6ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1995. p.310-41.
15. Loe H, Silness J. Periodontal disease in pregnancy. I. Prevalence and severity. Acta Odontol Scand. 1963; 21:533-51.
16. Greene JC, Vermillion JR. The simplified oral hygiene index. J Am Dent Assoc. 1964; 68:7-13.
17. Souza Filho MD, Nogueira SDM, Martins MCC. Avaliação da saúde bucal de deficientes visuais em Teresina-PI. Arq Odontol. 2010; 45:66-74.
18. Mendes AB, Nakama L. Promoção de saúde bucal em portadores de deficiência visual. Semina. 1999; 20:34-42.
19. Cacalano AC, Quintela RS. Orientação e Controle do biofilme dental em indivíduos com deficiência visual 208-214, Arq Odontol, Belo Horizonte, 47(4): out/dez 2011 214 motivação sobre higiene bucal, voltada aos deficientes visuais. Rev EAP/APCD. 2000; 1:20-
2.
20. Martens L, Mark L, Declerck D, Vinckier F, Gizani S, Goffin G. L’hygiène buccale des handicaps en Flandre. Rev Belge Med Dent.
1995; 50:25-34.
21. Goulart ACF, Vargas AMD. A percepção dos deficientes visuais quanto à saúde bucal. Arq Odontol. 1998; 34:107-19.
22. Pinto VG. Saúde Bucal: Odontologia social e preventiva. 2ª ed. São Paulo: Santos; 1990.
23. Coehn S, Sarnat H, Shalgi G. The role of instruction and a bruscing device on the oral hygiene of blind children. Clin Prev Dent. 1993; 11:23-7.
24. Garcia PPNS, Corona SAM, Valsecki Júnior A. Educação e motivação: I. Impacto de um programa preventivo com ênfase na educação de hábitos de higiene oral. Rev Odontol UNESP.
1998; 27:393-403.
25. Schembri A, Fiske J. The implications of visual impairment in an elderly population in recognizing oral disease and maintaining oral
health. Spec Care Dentist. 2001; 21:222-6.
26. Wanderley MT, Nosé CC, Corrêa MSNP. Educação e motivação na promoção da saúde bucal. In: Corrêa MSNP. Odontopediatria: na
primeira infância. 2ªed. São Paulo: Santos; 2005. p.439-58.
27. Vasconcellos IC, Silva AMM, Vasconcellos MF. Como obter a colaboração do paciente? Rev Bras Odontol. 2002; 59:28-31.
Publicado
2016-05-10
Como Citar
Haddad, D. S.-, Haddad, D. S.-, Haddad, A. S.-, & Guaré, R. de O. (2016). Programa lúdico-pedagógico para o controle do biofilme dental em indivíduos com deficiência visual. Arquivos Em Odontologia, 47(4). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3580
Seção
Artigos