Humanização no atendimento odontológico: acolhimento da subjetividade dos pacientes atendidos por alunos de graduação em Odontologia

  • Luciane de Queiroz Mota Universidade Federal da Paraíba, UFPB
  • Danilo Barboza Lopes Magalhães Farias Universidade Federal da Paraíba, UFPB
  • Thalita Almeida dos Santos Universidade Federal da Paraíba, UFPB

Resumo

Objetivo: O objetivo do presente estudo foi avaliar a subjetividade dos pacientes, quanto ao seu atendimento por alunos de graduação; à existência de ansiedade odontológica; e ao perfil de um dentista ideal. Materiais e Métodos: A pesquisa, descritiva e exploratória, utilizou o método quanti-qualitativo, com análise de conteúdo. O instrumento de coleta de dados foi uma entrevista estruturada com perguntas objetivas e subjetivas
e a amostra foi constituída por 48 usuários da demanda espontânea das clinicas odontológicas da Universidade Federal da Paraíba, selecionada por conveniência. Foram incluídos na amostra os pacientes a partir de 12 anos
de idade, de ambos os gêneros, sem distinção de raça, que procuraram os serviços odontológicos no período de novembro de 2009 a maio de 2010. Foram excluídos da pesquisa os pacientes portadores de necessidades
especiais, que não tinham condições de interagir com o pesquisador. Foi identificado, em cada questão, o(s) núcleo(s) de sentido existente(s), de onde foram extraídos os indicadores visando a classificação nas categorias
e a sua contagem, cujos resultados foram expressos através de freqüência e números absolutos. Resultados: A maioria dos entrevistados (56,3%) se sentia seguro ao serem atendidos por alunos de graduação; 41,7% dos
pacientes consideraram que um dentista ideal deveria ter capacidade técnica e ser atencioso; e 35% possuíam ansiedade odontológica. Conclusões: Os pacientes se sentem seguros e confiantes ao serem atendidos por
alunos do curso de Graduação nas escolas de Odontologia e almejam que um dentista ideal seja um profissional com habilidades técnicas, mas, sobretudo, que tenham um contato humanizado e acolhedor com o paciente.
A ansiedade odontológica ainda é um temor freqüente entre os pacientes, mas, acredita-se que num futuro próximo esse sentimento seja minimizado em virtudes das novas políticas de humanização nos serviços de
saúde. Descritores: Ansiedade ao tratamento odontológico. Humanização da assistência. Acolhimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciane de Queiroz Mota, Universidade Federal da Paraíba, UFPB
Departamento de Clínica e Odontologia Social, Curso de Odontologia, Universidade Federal da Paraíba, UFPB, João Pessoa, PB, Brasil
Danilo Barboza Lopes Magalhães Farias, Universidade Federal da Paraíba, UFPB
Curso de Odontologia,  Universidade Federal da Paraíba, UFPB, João Pessoa, PB, Brasil
Thalita Almeida dos Santos, Universidade Federal da Paraíba, UFPB
Curso de Odontologia, Universidade Federal da Paraíba, UFPB, João Pessoa, PB, Brasil

Referências

1. Araújo MFS. Reflexões sobre a prática em Humanização no atendimento odontológico Odontologia. São Paulo: Artes Médicas; 2008.
2. Usual AB, Araujo AA, Diniz FVM, Drumond MM. Necessidade sentida e observada: suas influências na satisfação de pacientes e profissionais.
3. Garbin CAS, Garbin AJI, Dossi AP, Macedo L, Macedo V. O tratamento odontológico: informações transmitidas aos pacientes e motivos de insatisfação. Rev Odontol UNESP. 2008; 37:177-81.
4. Saito FSK, Martins CAC, Lemos PE. Assessment of socioeconomic profile and the level of satisfaction of patients assisted at an academic
dental integrated clinic. Rev Bras Promoç Saúde. 2008; 21:137-43.
5. Werneck MAF, Lucas SD. Estágio supervisionado em Odontologia: Uma experiência da integração ensino/serviço de saúde bucal. Arq Odontol. 1996; 32: 95-108.
6. Ramos FB. Como o paciente se sente ao ser atendido por um aluno de Odontologia? Rev CROMG. 2001; 7:10-5.
7. Copetti M. Medo do tratamento Odontológico. [inernet]. [acesso em 2011 set 05]. Disponível em: http://www.marciacopetti.com.br.
8. Ferreira CM, Gurgel Filho ED, Valverde GB, Moura EH, De Deus G, Coutinho Filho T. Ansiedade odontológica: nível, prevalência e
comportamento. Rev Bras Promoç Saúde. 2004; 17:51-5.
9. Mussi FC, Friedlander MR, Neves-Arruda E. Os significados da palavra conforto segundo a perspectiva do paciente com infarto agudo do miocárdio. Rev Latinoam Enferm. 1996; 4:19-39.
10. Bardin L. Análise de conteúdo. 5ªed. Lisboa: Edições 70; 2009.
11. Canalli CSE, Gonçalves SS. A humanização na Odontologia: uma reflexão sobre a prática educativa. Rev Bras Odontol. 2011; 68:44-8.
12. Possobon RF, Carrascoza KC, Moraes ABA, Costa Jr AL. O tratamento odontológico como gerador de ansiedade. Psicol Estud. 2007; 12:609- 16.
13. Lima ENA, Souza ECF. Percepção sobre ética e humanização na formação odontológica. RGO. 2010; 58:231-8.
14. Bottan ER, Oglio JD, Silveira EG, Araújo SM. Cirurgião-dentista ideal: perfil definido por crianças e adolescentes. RSBO. 2009; 6:381-6.
15. Bender DJ. Patient preference for a racially or gender-concordant student dentist. J Dent Educ. 2007; 71:726-45.
16. Barbabela D, Mota JPT, Maia PGM, Bonanato K, Paiva SM, Pordeus IA. Preferência da criança pelo gênero do odontopediatra. Arq Odontol.
2008; 44:74-80.
17. Kanegane K, Penha SS, Borsatti MA, Rocha RG. Ansiedade ao tratamento odontológico em atendimento de urgência. Rev Saúde Pública. 2003; 37:786-92.
18. Bottan ER, Oglio JD, Araújo SM. Ansiedade ao tratamento odontológico em estudantes do ensino fundamental. Pesq Bras Odontopediatria Clin Integr. 2007; 7:241-6.
19. Mota LQ, Cruz RES, Ferreira JMS, Cruz JSM. Prevalência e fatores determinantes da ansiedade odontológica em pacientes da cidade de João Pessoa-PB. Rev CROMG. 2009; 10:132-8.
20. Colares V, Caraciolo, GM, Miranda AM, Araújo GVB, Guerra P. Medo e/ou ansiedade como fator inibitório para a visita ao dentista. Arq Odontol. 2004; 40:59-72.
21. Andrade ED, Ranall J, Volpato MC. O uso de medicamentos na prevenção e no controle da dor. In: Gonçalves EAN, Feller C, organizador. Atualização na clínica odontológica. São Paulo:
Artes Médicas; 1998. p. 679-92.
22. Nardi AE. O tratamento farmacológico da fobia social. Rev Bras Psiquiatr. 1999; 21:249-57. 23. Kanegane K, Penha SS, Borsatti MA, Rocha RG. Ansiedade ao tratamento odontológico no atendimento de rotina. RGO. 2006; 54:111-4.
24. Pereira LHMC, Ramos DLP, Crosato E. Ansiedade e dor em Odontologia: enfoque psicofisiopatológico. Rev Assoc Paul Cir Dent.
1995; 49:285-90.
25. Rang HP. Fármacos, ansiolíticos e hipnóticos. 3ªed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1997.
26. Rocha RG, Araújo MAR, Soares MS, Borsatti MA. O medo e a ansiedade no tratamento odontológico: controle através de terapêutica medicamentosa, In: Feller C, Gorab R. Atualização na clínica
odontológica. São Paulo: Artes Médicas; 2000. p.387-410.
27. Taguchi MF, Araújo IC, Silva AJ, Shimono, T. O medo frente ao tratamento odontológico. RGO. 1993; 41:138-42.
28. Cruz JS, Cota LO, Paixão HH, Pordeus IA. A imagem do cirurgião-dentista: um estudo de representação social. Rev Odontol Univ São
Paulo. 1997; 11:307-13. 158
Publicado
2016-06-10
Como Citar
Mota, L. de Q., Farias, D. B. L. M., & Santos, T. A. dos. (2016). Humanização no atendimento odontológico: acolhimento da subjetividade dos pacientes atendidos por alunos de graduação em Odontologia. Arquivos Em Odontologia, 48(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3605
Seção
Artigos