Análise dos custos da saúde bucal na atenção básica no município de Vitória de Santo Antão, Pernambuco

Autores

  • José Eudes de Lorena Sobrinho Associação Caruaruense de Ensino Superior
  • Antônio Carlos Gomes do Espírito Santo Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

Objetivo: Analisar os custos da saúde bucal na atenção básica no município da Vitória de Santo Antão, Pernambuco, no ano de 2010. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo de caso, onde foi utilizada a
metodologia do custeio por absorção, sendo somados os custos com recursos humanos, com materiais odontológicos e de pensos com finalidade odontológica, com manutenção de equipamentos odontológicos
e os custos prediais das unidades de saúde. Calculou-se o percentual do financiamento por ente federativo (União, Estado e Município), o custo médio do procedimento odontológico e o custo médio da saúde bucal de
atenção básica por habitante. Estabeleceu-se a representatividade do custo total sobre a despesa com a atenção básica e sobre a despesa total com saúde. Resultados: O custo total foi de R$ 1.340.307,80, sendo 85,6%
(R$ 1.147.048,00) referentes aos recursos humanos, 8,5% (R$ 114.000,00) à manutenção de equipamentos, 3,2% (R$ 42.635,27) aos custos prediais e 2,7% (R$ 36.624,53) aos recursos materiais. Quanto às fontes de financiamento, 37,5% dos recursos foram provenientes da União e 62,5% do próprio Município. Não se observou repasse de recursos provenientes do Estado. O custo médio do procedimento foi de R$ 14,88 e o
custo médio da saúde bucal de atenção básica por habitante foi de R$ 17,61. O custo total representou 15,3% da despesa total com atenção básica e 6,7% da despesa total com a função saúde. Conclusão: os custos com
recursos humanos foram os mais representativos, sendo esta uma limitação para a ampliação da cobertura do serviço, diante da Lei de Responsabilidade Fiscal. O modelo de pacto federativo brasileiro continua conferindo
ao município a maior responsabilidade pelo financiamento das ações e serviços de saúde bucal, ainda que estes tenham baixa representatividade nos custos com a saúde.
Descritores: Economia da saúde. Atenção primaria à saúde. Saúde bucal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Eudes de Lorena Sobrinho, Associação Caruaruense de Ensino Superior

Associação Caruaruense de Ensino Superior (Faculdade ASCES), Caruaru, PE, Brasil.

Antônio Carlos Gomes do Espírito Santo, Universidade Federal de Pernambuco

Departamento de Medicina Social, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil

Referências

1. Ministério da Saúde; Secretaria de Atenção à Saúde; Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Diretrizes da política nacional de saúde bucal. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.
2. Faveret ACSC. A vinculação constitucional de recursos para a saúde: avanços, entraves e perspectivas. Ciên Saúde Coletiva. 2003;
8(2):371-8.
3. Del Nero CR. O que é economia da saúde. In: Piola SF, Vianna SM. Economia da saúde: conceitos e contribuição para a gestão da saúde.
Brasília: IPEA: 1995.
4. Ministério da Saúde; Secretaria Executiva Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento. Avaliação econômica em saúde: desafios para a gestão do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.
5. Ministério da Saúde; Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos; Departamento de Ciência e Tecnologia. Diretrizes metodológicas: estudos de avaliação econômica de tecnologias
em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.
6. Arretche MTS. Federalismo e igualdade territorial: uma contradição em termos? Dados 2010; 53(3):587-620.
7. Rocha Filho FS. Análise de custos com pessoal e produtividade de equipes do programa de saúde da família em Fortaleza, Ceará. Ciên Saúde Coletiva. 2009; 14(3):919-28.
8. Sousa MHL. Análise dos custos do Programa Saúde da Família: o caso de Crateús (CE) [dissertação]. Fortaleza: Universidade Estadual
do Ceará; 2000.
9. Yin RK. Estudo de caso: planejamento e ,métodos. 4ª ed. Porto Alegre: Bookman; 2010.
10. Martins E. Contabilidade de custos. 10ª ed. São Paulo: Atlas; 2010.
11. Ferreira CA, Loureiro CA. Economia em saúde com foco em saúde bucal: revisão de literatura. Epidemiol Serv Saúde 2006; 15(4):55-65.
12. Nóbrega CBC, Hoffmann RHS, Pereira AC, Meneghim MC. Financiamento do setor saúde: uma retrospectiva recente com uma abordagem para a odontologia. Ciên Saúde Coletiva 2010;15
Suppl 1:1763-72.
13. Rosa MRR, Coelho TCB. O que dizem os gastos com o PSF em um município da Bahia? Ciên Saúde Coletiva 2011; 16(3):1863-73.
14. Souza TMS, Roncalli AG. Saúde bucal no Programa Saúde da Família: uma avaliação do modelo assistencial. Cad Saúde Pública. 2007; 23(11):2727-39.
15. Traebert J. Implicações de custo financeiro e recursos humanos em assistência odontológica no Brasil segundo o modelo escandinavo. Rev Saúde Pública 1996; 30(6):519-26.
16. Moimaz SAS, Garbin CAS, Garbin AJI, Ferreira BF, Gonçalves PE. Desafios e dificuldades do financiamento em saúde bucal: uma análise
qualitativa. Rev Adm Pública. 2008; 42(6): 1121- 35.
17. Arretche, MTS. Continuidades e descontinuidades da Federação Brasileira: de como 1988 facilitou 1995. Dados 2009; 52(2):377-423.
18. Organização Pan-Americana de Saúde. Saúde nas Américas: 2012. Washington, D.C.: 2012. (OPAS, Publicação científica e técnica, n.636

Downloads

Publicado

2016-06-10

Como Citar

Sobrinho, J. E. de L., & Santo, A. C. G. do E. (2016). Análise dos custos da saúde bucal na atenção básica no município de Vitória de Santo Antão, Pernambuco. Arquivos Em Odontologia, 49(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3623

Edição

Seção

Artigos