Medicações intracanal e sistêmica utilizadas por cirurgiões-dentistas das unidades de saúde da família para tratamento de urgência do abscesso periapical agudo.

Autores

  • Nayara A’vila Garcia Centro Universitário de João Pessoa- UNIPÊ
  • Almira Alves Braga dos Santos Centro Universitário de João Pessoa- UNIPÊ
  • Angelinne Ribeiro Ângelo Universidade Federal da Paraíba- UFPB
  • Heloísa Helena Pinho Veloso Universidade Federal da Paraíba- UFPB
  • Glauco dos Santos Ferreira Centro Universitário de João Pessoa- UNIPÊ
  • Andréa Sarmento Queiroga Universidade Federal da Paraíba- UFPB

Resumo

Objetivo: Verificar quais são as medicações sistêmica (MS) e intracanal (MIC) utilizadas pelos cirurgiões-dentistas para tratamento de urgência do abscesso periapical agudo (APA), nas Unidades de Saúde da Família (USFs) do município de João Pessoa/PB. Materiais e Métodos: Participaram do estudo 130
cirurgiões-dentistas que responderam a um questionário com perguntas relativas às MS e MIC para tratamento de urgência do APA em suas três fases de evolução: inicial, em evolução e evoluída. Os dados foram registrados
na forma de banco de dados do programa de informática SPSS (Statistical Package for Social Sciences) para Windows®, versão 15.0 e analisados por meio de estatística descritiva. Resultado: O paramonoclorofenol canforado (PMCC) foi a MIC mais empregada, independente da fase do APA, seguida por tricresol formalina, hidróxido de cálcio, formocresol, hipoclorito de sódio e Otosporin®. Na fase evoluída, observou-se que a maioria dos profissionais (34,62%) tende a não utilizar MIC deixando o dente aberto para drenagem. A MS mais utilizada foi o antimicrobiano, independente da fase do APA, seguido por anti-inflamatório e analgésico. A dipirona, o ibuprofeno e a amoxicilina foram o analgésico, o anti-inflamatório e o antimicrobiano de primeira
escolha, respectivamente. Conclusão: O PMCC foi a medicação intracanal mais utilizada e o antimicrobiano a medicação sistêmica mais citada independente da fase de evolução do APA.
Descritores: Abscesso periapical. Sistemas de medicação. Irrigantes do canal radicular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nayara A’vila Garcia, Centro Universitário de João Pessoa- UNIPÊ

Curso de Odontologia, Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ), João Pessoa, Paraíba, Brasil

Almira Alves Braga dos Santos, Centro Universitário de João Pessoa- UNIPÊ

Curso de Odontologia, Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ), João Pessoa, Paraíba, Brasil

Angelinne Ribeiro Ângelo, Universidade Federal da Paraíba- UFPB

Departamento de Clínica Odontológica, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, Pernambuco, Brasil

Heloísa Helena Pinho Veloso, Universidade Federal da Paraíba- UFPB

Departamento de Endodontia, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, Paraíba, Brasil

Glauco dos Santos Ferreira, Centro Universitário de João Pessoa- UNIPÊ

Departamento de Endodontia, UNIPÊ, João Pessoa, Paraíba, Brasil

Andréa Sarmento Queiroga, Universidade Federal da Paraíba- UFPB

Departamento de Embriologia, UFPB, João Pessoa, Paraíba, Brasil

Referências

1. Estrela C. Diagnóstico e tratamento da periodontite apical. In: Estrela C. Ciência Endodôntica. São Paulo: Artes Médicas; 2004. p.175-233.
2. Matthews DC, Sutherlansd S, Basrani B. Emergency management of acute apical abscesses in the permanent dentition: A systematic Review
of the literature. J Can Dent Assoc. 2003; 69:660.
3. Khemaleelakul S, Baumgartner JC, Pruksakorn S. Endodontics. Identification of bacteria in acute endodontic infections and their antimicrobial susceptibility. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 2002; 94: 746-755.
4. Falace DA, Donald. Emergência em odontologia. Diagnóstico e tratamento. São Paulo: Guanabara Koogan;1998.
5. Lopes HP, Jr Siqueira JF, Emergências e urgências em endodontia. In: Lopes HP, Jr Siqueira JF. Endodontia: biologia e técnica. 3. ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan; 2010. p.761-73.
6. Sandner A, Börgermann J, Kösling S, Silber RE, Bloching MB. Descending necrotizing mediastinitis: early detection and radical surgery
are crucial. J Oral Maxillofac Surg. 2007; 65: 794-800.
7. Vier-Pelisser FV, Garbin RP, Só MVR, Marca C, Pelisser A. Medicações intracanal e sistêmica preconizadas nas faculdades de odontologia
brasileiras para o tratamento de urgência do abscesso periapical agudo. Rev Odonto Ciênc. 2008; 23: 278-282.
8. Leonardo MR. Endodontia: tratamento de canais radiculares: princípios técnicos e biológicos. São Paulo: Artes Médicas; 2005.
9. Ruiz PA, Andrade AKM, Silva CAM. Medicação intracanal. [acesso 2012 Mar 15]. Disponível em: <http:// www.endodontia.org/medicacao.htm>.
10. Soares IJ, Goldberg F. Endodontia: técnicas e fundamentos. São Paulo: Artmed; 2001.
11. Souza RA, Naves RC, Souza AS, Gomes SCN, Dantas JCP, Lago M. Influência da paramonoclorofenol canforado na dor pósoperatória
em casos de abscesso periapical agudo. Robrac. 2008; 17: 73-8.
12. Oliveira JCM, Dias LA, Uzeda M. Antibióticos sistêmicos em endodontia: novos conceitos. Rev Bras Odontol. 2010; 67: 247-54.
13. Vier-Pelisser, FV, Só MV. Patologia aplicada à endodontia. In: Só MV. Endodontia: as interfaces no contexto da odontologia. São Paulo: Santos; 2007. p. 129-65.
14. Ferraz EG, Carvalho CM, Cangussu MCT, Albergaria S, Pinheiro ALB, Marques AMC. Selamento de cimentos provisórios em endodontia. RGO. 2009; 57: 323-7.
15. Leonardo R, De T, Lia RCC. Semiologia e diagnóstico clínico/radiográfico das alterações periapicais de origem inflamatória. In: Leonardo MR. Endodontia: tratamento de canais radiculares - princípios técnicos e biológicos. São Paulo: Artes Médicas; 2008.
16. Tortamano IP, Horliana ACRT, Costa CG, Romano MM, Soares MS, Rocha RG. Antibioticoterapia no tratamento de abscessos periapicais agudos: quando indicar e como proceder? Revista Odonto. 2008;16:90-7.
17. Siqueira JSJ. Endodontic infections: concepts, paradigms, and perspectives. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 2002; 94:281-93.
18. Longman LP, Preston AJ, Martin MV, Wilson NHF. Endodontics in the adult pacient: the role of antibiotics. J Dent. 2000; 28:539-48.
19. Bascones MA, Aguirre UJM, Bermejo FA, Blanco CA, Gay-Escoda C, González MMA. et al. Documento de consenso sobre el tratamento
antimicrobiano de las infecciones bacterianas odontogênicas. Med Oral Patol Oral Cir Bucal. 2004; 9:363-76.
20. Gomes ACA, Dourado AT, Dias EOS, Albuquerque DS. Conduta terapêutica em dente com lesão refratária ao tratamento endodôntico
convencional e cirúrgico: caso clínico. Rev Cir Traumatol Buco-Maxilo-Fac. 2003; 3:23-9.
21. Machado MEL, Palotta RC, Souza ADS. Substâncias medicamentosas auxiliares da desinfecção: medicação intra e extracanal. In: Machado MEL. Endodontia da biologia à técnica. São Paulo: Santos; 2007.

Downloads

Publicado

2016-06-14

Como Citar

Garcia, N. A., Santos, A. A. B. dos, Ângelo, A. R., Veloso, H. H. P., Ferreira, G. dos S., & Queiroga, A. S. (2016). Medicações intracanal e sistêmica utilizadas por cirurgiões-dentistas das unidades de saúde da família para tratamento de urgência do abscesso periapical agudo. Arquivos Em Odontologia, 50(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3645

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)