A realidade como instrumento pedagógico: problemas bucais e uso de serviços odontológicos

  • Simone Rennó Junqueira Universidade de São Paulo - USP
  • Maria Ercília Araújo Universidade de São Paulo - USP
  • Graciela Soares Fonsêca Universidade de São Paulo - USP
  • Celso Zilbovícius Universidade de São Paulo - USP

Resumo

Objetivo: Para contribuir com a discussão sobre a percepção dos problemas odontológicos e uso dos serviços específicos e, simultaneamente, favorecer a reflexão relacionada às mudanças na formação em saúde bucal, o trabalho buscou revelar e analisar os problemas de saúde bucal e uso dos serviços odontológicos a partir do formulário sobre morbidade de saúde referida, aplicado junto aos moradores do entorno de duas Unidades de Saúde (US), desenvolvido pelos grupos de Educação Tutorial do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde). Materiais e Métodos: Trata-se de estudo quantitativo, transversal, realizado como estratégia pedagógica para estudantes de cursos da área da saúde participantes do PET-Saúde da Universidade de São Paulo. A amostra foi composta por 1.318 indivíduos residentes nos domicílios de áreas mais vulneráveis ou novas áreas cadastradas pelas US. A análise foi realizada com base na estatística descritiva e analítica, pelo programa EpiInfo versão 6.0. Fatores relacionados ao acesso ao cirurgião-dentista (CD) foram verificados pelo teste Quiquadrado, com resultados expressos como razão de prevalência (nível de significância de 5%). Resultados: Os problemas mais referidos foram: cárie (17,2%), ausência de dentes (8,6%). Embora 81,3% da população relatou ter procurado serviços odontológicos, apenas 8% acessou os serviços públicos para a resolução dos problemas referidos, recorrendo ao serviço privado (16,3%). O acesso ao CD esteve significativamente associado ao gênero feminino (p = 0,0315) e posse de automóvel (p = 0,0001). Conclusão: Dentre os problemas de saúde bucal identificados pelos moradores das áreas de abrangência específicas desse estudo, os mais citados foram a cárie e a ausência de elementos dentários. Foi evidenciado ainda o pouco uso dos serviços públicos odontológicos pela população do entorno das US. É necessário que os serviços desenvolvam um trabalho coerente com as demandas populacionais da área adstrita, ampliando o acesso dessa população aos serviços públicos odontológicos em função das morbidades referidas, contribuindo para a organização do trabalho.
Descritores: Desenvolvimento de pessoal. Serviços de saúde bucal. Inquéritos de saúde bucal. Inquéritos de morbidade. Estratégia saúde da família.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Rennó Junqueira, Universidade de São Paulo - USP
Departamento de Odontologia Social da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, Brasil.
Maria Ercília Araújo, Universidade de São Paulo - USP
Departamento de Odontologia Social da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, Brasil.
Graciela Soares Fonsêca, Universidade de São Paulo - USP
Programa de Ciências Odontológicas, Faculdade de Odontologia, USP, São Paulo, Brasil.
Celso Zilbovícius, Universidade de São Paulo - USP
Departamento de Odontologia Social, Faculdade de Odontologia, USP, São Paulo, Brasil.

Referências

1. Paim JS. Desafios para a saúde coletiva no século XXI. Salvador: EDUFBA; 2006.
2. Tavares DMS, Simões ALA, Poggetto MTD, Silva SR. Interface ensino, pesquisa, extensão nos cursos de graduação da saúde na Universidade
Federal do Triângulo Mineiro. Rev Latinoam Enferm. 2007;15(6): 1080-5.
3. Freitas SFT, Calvo MCM, Lacerda JT. Saúde coletiva e novas diretrizes curriculares em odontologia: uma proposta para graduação. Trab Educ Saúde. 2012; 10(2): 223-34.
4. Campos CMS, Bataiero MO. Necessidades de saúde: uma análise da produção científica brasileira de 1990 a 2004. Interface: Comun
Saúde Educ. 2007, 11(23): 605-18.
5. Andersen R, Newman JF. Societal and individual determinants of medical care utilization in the United States. Milbank Mem Fund Q Health Soc. 1973 Mar; 51(1): 95-124.
6. Gillcrist JA, Brumley DE, Blackford JU. Community socioeconomic status and children’s dental health. J Am Dent Assoc. 2001 Feb; 132(2):
213-22.
7. Travassos C, Viacava F, Fernandes C, Almeida CM. Desigualdades geográficas e sociais na utilização de serviços de saúde no Brasil. Ciênc
Saúde Coletiva. 2000 Jan-Jun; 5(1): 133-49.
8. Dias-da-Costa JS, Presser AD, Zanolla AF, Ferreira DG, Perozzo G, Freitas IBA et al. Utilização dos serviços ambulatoriais por mulheres: estudo de base populacional no Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2008 Dez; 24(12): 2843-51.
9. Soares CB, Ávila LK, Salvetti MG. Necessidades (de saúde) de adolescentes do D.A. Raposo Tavares, SP, referidas à família, escola e bairro. Rev Bras Crescimento e Desenvol Humano. 2000 Ago; 10(2): 19-34.
10. Campos CMS, Mishima SM. Necessidades de saúde pela voz da sociedade civil e do Estado. Cad Saúde Pública. 2005; 21(4): 1260-8.
11. Linhares MSC, Freitas CASL, Teixeira AKM, Dias RV, Flor SMC, Soares JSA et al. Programa de educação para o trabalho e vigilância em saúde.
Trab Educ Saúde. 2013; 11(3): 679-92.
12. Cavalcanti YW, Cartaxo RO, Padilha WWN. Educação odontológica e sistema de saúde brasileiro: práticas e percepções de estudantes de
graduação. Arq Odontol. 2010;46(4): 224-31.
13. Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Portaria Interministerial no. 1802, de 26 de agosto de 2008. Institui o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde. Diário Oficial da União, 27 ago 2008: Seção. 1(27).
14. São Paulo. Universidade de São Paulo. Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. Projeto PETSaúde USP-Capital, 2010-2012. São Paulo, 2009.
15. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Geral de Saúde Bucal. SB Brasil 2010: pesquisa nacional de saúde bucal. Resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.
16. Martins AMEBL, Barreto SM, Podeus IA. Fatores relacionados à autopercepção da necessidade de tratamento odontológico entre idosos. Rev Saúde Pública. 2008 Jun; 42(3): 487-96.
17. Freire P. Pedagogia do oprimido. 43ª. ed. São Paulo: Paz e Terra; 1999.
18. Santos M. A natureza do espaço: técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo: Hucitec; 1996.
19. Haikal DS, Paula AMB, Martins AMEBL, Moreira AN, Ferreira FF. Autopercepção da saúde bucal e impacto na qualidade de vida do idoso:
uma abordagem quanti-qualitativa. Ciênc Saúde Coletiva. 2011; 16(7): 3317-29.
20. Moreira RS, Nico LS, Sousa MLR. Fatores associados à necessidade subjetiva de tratamento odontológico em idosos brasileiros. Cad Saúde
Pública. 2009; 25(12): 2661-71.
21. Narvai PC, Antunes JLF. Saúde bucal: a autoperceção da mutilação e das incapacidades. In: Lebrão ML, Duarte YAO, organizadores. SABE – Saúde, Bem-estar e Envelhecimento. O Projeto SABE no município de São Paulo: uma abordagem inicial. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde; 2003.
22. Sheiham A, Tsakos G. Oral health needs asscesments. In: Pine C, Harris R, editors. Community oral health. Mew Malden: Quintessence Publishing Company Limited; 2007.
23. Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa Nacional
por Amostra de Domicílios. Um Panorama da Saúde no Brasil: acesso e utilização dos serviços, condições de saúde e fatores de risco e proteção à saúde, 2008. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.
24. Rohr RIT, Barcellos LA. As barreiras de acesso para os serviços odontológicos. UFES Rev Odontol. 2008; 10(3): 37-41.
25. Peres MA, Iser BPM, Boing AF, Yokota RTC, Malta DC, Peres KG. Desigualdades no acesso e na utilização de serviços odontológicos no Brasil: análise do Sistema de Vigilância dos Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (VIGITEL 2009). Cad Saúde Pública. 2012; 28 Supl: S90-S100.
26. Cunha BAT, Marques RAA, Castro CGJ, Narvai PC. Saúde bucal em Diadema: da odontologia escolar à estratégia saúde da família. Saúde Soc. 2011; 20(4): 1033-45.
27. Chaves SCL, Soares, FF, Rossi TRA et al. Características do acesso e utilização de serviços odontológicos em municípios de médio porte. Ciênc Saúde Coletiva. 2012; 17(11): 3115-24. 28. Frias AC, Antunes JLF, Junqueira SR, Narvai PC. Determinantes individuais e contextuais da
prevalência de cárie dentária não tratada no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2007; 22(4): 279-85. 29. Junqueira SR, Frias AC, Zilbovicius C, Araujo ME. Saúde bucal e uso dos serviços odontológicos em função do Índice de Necessidades em Saúde: São Paulo, 2008. Ciênc Saúde Coletiva. 2012; 17(4): 1015-24.30. Fernandes ETP, Ferreira EF. Consciência do direito ao atendimento odontológico entre usuários de uma clínica de ensino. Saúde Soc. 2010; 19(4): 961-8.
Publicado
2016-06-14
Como Citar
Junqueira, S. R., Araújo, M. E., Fonsêca, G. S., & Zilbovícius, C. (2016). A realidade como instrumento pedagógico: problemas bucais e uso de serviços odontológicos. Arquivos Em Odontologia, 50(3). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3658
Seção
Artigos