Diagnóstico e manejo da dor orofacial oncológica: relato de três casos clínicos

  • Aryane Nathália Guimarães Centro Universitário Newton Paiva
  • Mariane Ferrão Dias Centro Universitário Newton Paiva
  • Reviana Mayra de Castro Miranda Centro Universitário Newton Paiva
  • Thalita de Melo Aguiar Centro Universitário Newton Paiva
  • Diele Carine Barreto Arantes Centro Universitário Newton Paiva
  • Roberto Brígido de Nazareth Pedras Centro Universitário Newton Paiva

Resumo

Objetivo: Relatar a conduta semiológica de três casos clínicos de dor orofacial em pacientes com câncer de cabeça e pescoço e descrever a abordagem terapêutica utilizada, discutindo a escada analgésica da Organização Mundial de Saúde (OMS). Material e Métodos: Este estudo relata três casos clínicos que foram encaminhados para tratamento odontológico por um hospital referência em câncer. Os dados foram obtidos a partir dos prontuários e um anexo de disfunção temporomandibular (DTM). A intensidade da dor foi obtida através da escala visual analógica (EVA). Resultados: A dor foi a queixa mais relatada nos três pacientes do gênero masculino e acometidos por carcinoma de células escamosas de cabeça e pescoço. Após o diagnóstico e tratamento da dor oncológica, houve redução da sua intensidade e da medicação utilizada. Conclusão: Pelo diagnóstico preciso e individualizado da dor orofacial, é possível aplicar cuidados curativos e paliativos reduzindo a intensidade da dor, número de queixas e quantidade de medicação.
Descritores: Neoplasias - Diagnóstico. Dor facial. Percepção da dor. Relato de casos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aryane Nathália Guimarães, Centro Universitário Newton Paiva
Curso de graduação em Odontologia, Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG
Mariane Ferrão Dias, Centro Universitário Newton Paiva
Curso de graduação em Odontologia, Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG
Reviana Mayra de Castro Miranda, Centro Universitário Newton Paiva
Curso de graduação em Odontologia, Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG
Thalita de Melo Aguiar, Centro Universitário Newton Paiva
Curso de graduação em Odontologia, Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG
Diele Carine Barreto Arantes, Centro Universitário Newton Paiva
Faculdade de Odontologia, Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG
Roberto Brígido de Nazareth Pedras, Centro Universitário Newton Paiva
Faculdade de Odontologia, Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG

Referências

1. Siqueira JTT. As dores orofaciais na prática hospitalar - experiência brasileira. Prát Hosp. 2006;48(7):85-9.
2. Sampaio LR, Moura CV, Resende MA. Recursos fisioterapêuticos no controle da dor oncológica: revisão de literatura. Rev Bras Cancerol. 2005;51(4):339-46.
3. Carrara SV, Conti PCR, Barbosa JS. Termo do 1º consenso em disfunção temporomandibular e dor orofacial. Dental Press J Orthod. 2010;15(3):114-20.
4. Rangel O, Telles C. Tratamento da dor oncológica em cuidados paliativos. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto, UERJ. 2012 abr-jun, Ano11:32-7.
5. Thomaz A. Dor oncológica: conceitualização e tratamento farmacológico. Revista Onco. 2010; ago-set:24-9.
6. Siqueira JTT, Jales S, Vilarim RCB. Dor orofacial e cuidados paliativos orais em pacientes com câncer. Revista Onco. 2013; mai-jun:25-8.
7. Amar A, Rapoport A, Franzi AS, Bisordi C, Lehn CN. Qualidade de vida e prognóstico nos carcinomas epidermóides de cabeça e pescoço. Rev Bras Otorrinolaringol. 2002; 68(3):400-3.
8. Morete MC, Minson FP. Instrumentos para avaliação da dor em pacientes oncológicos. Rev Dor. 2010; 11(1):74-80.
9. Siqueira JTT. Dor orofacial: o papel da Odontologia. Experiência em um hospital geral. Jornal Brasileiro de Oclusão, ATM e Dor Orofacial. 2001; abr-jun;1(2):158-64.
10. Dworkin SF, LeResche L. Research diagnosticcriteria for temporomandibular disorders: review, criteria, examinations and specifications, critique. J Craniomandib Disord. 1992; 6(4):301-55.
11. Siqueira JTT, Jales S, Vilarim RCB, Siqueira SRDT, Teixeira MJ. Dor orofacial e cuidados paliativos orais em doentes com câncer. Prát Hosp. 2009; mar-abr; 62 (11):127-33.
12. Campos JLG, Chaga JFS, Magna LA. Fatores de atraso no diagnóstico do câncer de cabeça e pescoço e sua relação com sobrevida e qualidade
de vida. Rev Bras Cir Cabeça Pescoço. 2007; 36(2):65-68.
13. Carvalho AL, Pintos J, Schlecht NF, Oliveira BV, Fava AS, Curado MP, Kowalski LP, et al. Predictive factors for diagnosis of advancedstage
squamous cell carcinoma of the head and neck. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2002; 128(3):313-18
14. Gervásio OL, Dutra RA, Tartaglia SM, Vasconcellos WA, Barbosa AA, Aguiar MC. Oral squamous cell carcinoma: A retrospective study of 740 cases in a Brazilian population. Braz Dent J. 2001; 12(1):57-61.
15. Brener S, Jeunon FA, Barbosa AA, Grandinetti HAM. Carcinoma de células escamosas bucal: uma revisão de literatura entre o perfil do paciente, estadiamento clínico e tratamento proposto. Rev Bras Cancerol. 2007; 53(1): 63-9.
16. Monti LM, França DCC, Castro Al, Soubhia AMP, Aguiar SMHCAS. Carcinoma escamoso oral: análise retrospectiva de 185 casos. Rev Odontol Araçatuba. 2010; 31(1):34-7.
17. Carvalho AMC, Koifman RJ, Koifman S. Caracterização da demanda de atenção para neoplasias de cabeça e pescoço no Hospital do Câncer de Rio Branco, AC. 2008-2009. Rev Bras Cir Cabeça Pescoço. 2010; 39(4):255-60.
18. Bottino SMB, Fráguas R, Gattaz WF. Depressão e câncer. Rev Psiquiatr Clín. 2009; 36(3):109-15.
19. Osvaldo JMN. Avaliação neurológica. Revista 8º SIMBIDOR. 2007; 15:32-3.
Publicado
2016-06-15
Como Citar
Guimarães, A. N., Dias, M. F., Miranda, R. M. de C., Aguiar, T. de M., Arantes, D. C. B., & de Nazareth Pedras, R. B. (2016). Diagnóstico e manejo da dor orofacial oncológica: relato de três casos clínicos. Arquivos Em Odontologia, 51(4). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/arquivosemodontologia/article/view/3693
Seção
Artigos